Edição do dia 20/08/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Professor Nestor Raschen recebe o título de Cidadão Honorário
GERAL
Lançamento da 32ª edição acontece hoje à noite
VARIEDADES - Com o tema Literatura em Rede, a Feira do Livro ocorre entre os dias 4 a 10 de setembro na Praça Getúlio Vargas
Aula inaugural marca início da primeira turma da Escola de Gestão
GERAL
Missão em Israel é tema de aula inaugural na Unisc
ECONOMIA
1º Seminário Desafios do Empreendedor ocorre em Santa Cruz do Sul
GERAL - O evento será realizado dia 29 de agosto, no Hotel Charrua
Santa Cruz receberá desafio de carros superesportivos
GERAL - Encontro ocorre no feriado, de 7 de setembro, no Aeroporto Luiz Beck da Silva, em Linha Santa Cruz. Provas reunião carros superesportivos de alto desempenho
Professor da Unisc lança documentário sobre cicloviagem na Carretera Austral
GERAL
Entenda a guerra contra o cigarro no Brasil
GERAL - Tentativas frustradas de favorecer o setor e impasses judiciais têm causado preocupação
Hidroginástica: Sesc oferece aulas em parceria com a Raia 7 Centro Aquático
GERAL
Copa HB20: Sena Jr. vence e Roncen chega em 7º
ESPORTES
MB Challenge: Correndo em casa, Fernando Jr. conquista pódio
ESPORTES
Lifasc: Semifinalistas definidos
ESPORTES
Assaf sofre derrota em Venâncio Aires
ESPORTES
Avenida chega na semana de estreia na Copinha
ESPORTES
Cras Integrar do Bairro Bom Jesus realizou formatura de inglês
EDUCAÇÃO
Abertas inscrições para Reunião sobre Plantas Bioativas
GERAL
Palavra puxa Palavra é tema de evento
GERAL
Mais de 900 mil reais serão investidos
GERAL - Valor será aplicado em livros e praça de brinquedos

Complexo de vira-lata (2)

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 10/05/2014

Chama atenção a força do complexo de vira-lata por esses meses que antecedem a Copa do Mundo 2014. Nas redes sociais e na mídia pululam comentários que reforçam o sentimento de inferioridade do tipo “era de se esperar que no Brasil fosse assim”, “num país sério isso não acontece”, e assim por diante.
Há quem seja sincero ao expressar esse sentimento de inferioridade e há quem faz dele um recurso retórico para criticar o atual governo. No primeiro caso, cabe levar em conta que as pesquisas das ciências sociais captaram claramente nas últimas décadas que muitos brasileiros consideram-se parte de um povo inferior. No segundo, trata-se de uma esperteza política: críticos conservadores e/ou direitistas batem nas mazelas do governo recorrendo ao jargão “tudo continua igual”, ou “mudou para pior”.
Mas, na real, faz sentido esse complexo de vira-lata hoje? É claro que não!
Temos todos os motivos para nos considerarmos parte de um povo tão capaz quanto qualquer outro, diferentes, mas com forças e fraquezas como todos os demais. A ideia de que uns povos são melhores que outros tem nome: etnocentrismo. Historicamente foi construída aqui a ideia de que deveríamos nos espelhar nos modelos europeu e norte-americano. É preciso acabar com essa visão colonial, porque o século XXI será bem diferente dos padrões europeus e norte-americanos que fizeram sucesso no século passado.
Convém recordar: somos uma das maiores economias do mundo e fortes competidores no cenário global; somos um povo admirado pela cordialidade,  alegria, capacidade de improviso, música e artes, associada em grande parte à miscigenação étnica; somos um país-continente, com grande diversidade regional, com abundantes águas e rica biodiversidade; somos uma das maiores democracias do mundo, com uma Constituição avançada, eleições regulares e ampla liberdade de expressão (ao ponto da grande mídia se achar no direito de dizer qualquer coisa dos governantes sem receio nenhum).  Vivemos nossa mais longa fase democrática.
O país mudou para melhor neste início de século. Parte das elites e da mídia não quer reconhecer isso, pois isso seria dar um crédito político às forças de esquerda que coordenam o bloco governante.
Negar o complexo de vira-lata não é cair no oposto, uma espécie de “complexo pavão”, para ficar em analogias do reino animal. Não temos motivos para nos pavonear, pois continuamos com problemas seríssimos em educação, saúde, segurança, desigualdade social, corrupção, burocratismo. A lista dos nossos problemas e defeitos é longa. O fundamental é perceber que, com nossos defeitos e nossas virtudes, estamos avançando em aspectos fundamentais para o desenvolvimento e a qualidade de vida de vida do nosso povo.
 Ao olhar para os outros povos, buscando aprender com seus acertos e erros, e simultaneamente olhar para o nosso país, para o nosso passado, notamos que há fartas razões  para alimentar um genuíno sentimento de otimismo e auto-confiança.