Edição do dia 19/06/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Copa CFC Celso tem rodada em Alto Linha Santa Cruz, no domingo
ESPORTES - Líder João Alves encara o Rio Pardinho na primeira partida da tarde
Mundial Unisc de futsal feminino ocorre neste final de semana
ESPORTES
Copa Cidade: Esmeralda vence o Unidos da Villa
ESPORTES - Jogo aconteceu no estádio da Timbaúva, no Arroio Grande
Portaria amplia setores com trabalho permanente no domingo e feriado
GERAL - A portaria está publicada no Diário Oficial desta quarta-feira
Brasil empata com a Venezuela pela Copa América: 0 a 0
ESPORTES - Líder do Grupo A, Canarinho volta a campo sábado (22), contra o Peru
'Joga Pouco, Ajuda Muito' acontece nesta quinta
ESPORTES
Segundona Gaúcha: Presidente do Galo lamenta desclassificação
ESPORTES
Série D do Brasileiro: Avenida segue forte
ESPORTES - Direção espera estádio lotado para decidir vaga no segundo jogo, em casa, contra o Caxias
Computação Desplugada é realidade em escolas públicas de Santa Cruz do Sul
EDUCAÇÃO - Material didático do projeto Computação na Educação foi lançado na tarde desta terça-feira, 18, na Unisc
Ensino das escolas é discutido em todo o país
EDUCAÇÃO
Thiago Porto: enaltecendo a cultura santa-cruzense
VARIEDADES - Com mais de um milhão de visualizações no YouTube músico se prepara para mais um lançamento
Restaurante Mafalda: há 18 anos servindo gastronomia de qualidade
GERAL - O estabelecimento conta com buffet tradicional e buffet para viandas
Oficina de Apoio às Famílias será na próxima terça-feira
GERAL - O Riovale Jornal entrevistou a advogada Dra. Andjanete L. Mess Hashimoto, que explica o procedimento das atividades
Câmara aprova projeto de segurança
GERAL
Mercur chega aos 95 anos com livro publicado
EMPRESARIAL - Curso para inspirar um mundo mais colaborativo também foi disponibilizado
Corpus Christi: Fé e arte para celebrar a data
RELIGIÃO - Celebração inicia às 9 horas com missa na Catedral São João Batista e após procissão segue pelas principais ruas
Quem é contra a reforma da Previdência Social não é contra o Brasil
OPINIÃO
Um novo INSS
OPINIÃO

Aprender com o erro e curar as feridas

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 05/07/2014

As enchentes e danos provocados pelas fortes chuvas dos últimos dias não se devem apenas às forças da natureza. Decorrem também de desequilíbrios resultantes da ação humana no planeta.
Um dos exemplos de ação humana indevida no ambiente está muito perto de nós: o Rio Taquari Mirim, que percorre localidades como Entrada São Martinho, Linha Andrade Neves e Pinheiral. Esse pequeno rio, mais parecido com um arroio em tempos de pouca chuva, vem apresentando enchentes com alto poder destrutivo desde a década de 1980.
Enchentes sempre houve. Lembro que na década de 1960, meninos, nos víamos por vezes impedidos de ir à escola por receio de passar sobre a ponte devido ao alto nível das águas. Mas, afora o impedimento de deslocamento, os danos sociais resumiam-se ao alagamento prolongado das lavouras próximas ao rio, prejudicando as plantações em função da permanência das águas de um a dois dias fora do leito.
Tudo mudou a partir de 1982. Naquele ano, a Prefeitura de Santa Cruz do Sul iniciou uma intervenção no rio que mudou sua história para sempre. Com recursos federais obtidos via projeto Pró-Várzea, enormes dragas começaram a “endireitar” o rio, cortando as suas inúmeras pequenas curvas. Eram essas pequenas curvas que tornavam lento o fluxo das águas e impediam seu rápido escoamento nas enchentes. A “dragagem” começou na Entrada São Martinho e avançou até Pinheiral.
O objetivo de acelerar o escoamento das águas foi alcançado. Em poucas horas a água retornava ao leito. Mas, veio uma consequência inesperada: por força das águas extremamente rápidas, as margens e o leito do rio foram violentamente modificados nos últimos 30 anos. No Sítio 7 Águas, por exemplo, três robustas pontes foram derrubadas entre 2000 e 2004. A atual nova ponte, inaugurada há dez meses, resistiu, com danos parciais, mas outras pontes da vizinhança foram arrastadas ou danificadas.
As grandes enchentes constituem um espetáculo impressionante, segundo os moradores. O rugido das águas, os estalos das árvores ribeirinhas e a velocidade da correnteza dão a impressão de que se está diante de um rio de grandes proporções. Mas, duas horas depois, a água já está de volta ao leito e então começa a se perceber mais nitidamente os estragos.
Nesses trinta anos, o Taquari Mirim ficou mais largo e mais fundo. Moradores avaliam, com base na altura dos barrancos, que o leito foi aprofundado em cerca de cinco metros e a largura em mais de dez metros. É uma situação provavelmente sem retorno.
Duas lições a aprender. A primeira: não se mexe impunemente no leito dos rios e cursos d’água. O caso do Taquari Mirim é um alerta para que não se façam nunca mais intervenções semelhantes. A segunda: quem provocou a situação (Prefeitura) tem responsabilidade moral permanente com o entorno e com os moradores, buscando mitigar o impacto das águas e apoiar iniciativas de restauração.
Aprender com o erro e curar as feridas. É o que temos a fazer.