Edição do dia 17/09/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Conselho lança o Polo dos Vales
GERAL
ENTRE QUATRO: Encenação acontece hoje e amanhã
VARIEDADES
RECEITA FEDERAL: Nova sede atenderá a partir de 8 de outubro
GERAL - Além da Delegacia da Receita Federal, a Procuradoria Geral da Fazenda também deve ocupar o espaço
Fentifumo inicia pauta de negociação
GERAL - Primeira reunião com a Federação e os Sindicatos ocorre na próxima quinta-feira
Otelio Drebes realiza palestra a professores
EDUCAÇÃO
Semana do Ministério Público começa hoje
GERAL - Promotores do caso Bernardo Boldrini estarão presentes
Reunião sobre Plantas Biotivas inicia hoje
GERAL
Prefeitura lança Alvará Digital
GERAL - A partir de agora, o documento pode ser feito em poucas horas, sem precisar sair de casa
Educar-se e Centro de Línguas promovem imersão bilíngue
EDUCAÇÃO
Sincotec-Varp realiza capacitação nesta quarta
GERAL
Projeto vai apresentar Santa Cruz e a 35ª Oktoberfest
VARIEDADES - Nos dois sábados da Festa da Alegria, ônibus sairão de Porto Alegre, Caxias do Sul e Santa Maria
Presidente dos Festejos Farroupilhas destaca a importância da cultura gaúcha
VARIEDADES
Tchê Bistrô e Arte: enaltecendo a tradição gaúcha
VARIEDADES
A força buscada nos versos
VARIEDADES
Cavalos passarão por inspeção antes do desfile
VARIEDADES - Além da Guia de Transporte Animal (GTA), será exigida apresentação de comprovantes para verificar as condições de saúde do animal
CTG de Paredão entregará 500kg em doações
VARIEDADES
Segurança Pública será reforçada em 36 municípios
POLÍCIA - Municípios da região receberão um total de aproximadamente R$ 2 milhões
Assaf vai encarar a Assoeva nas quartas de final
ESPORTES

O modelo comunitário é o melhor para as políticas sociais

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 09/08/2014

A execução de políticas sociais (saúde, educação, assistência social, previdência, habitação, saneamento) pode seguir três caminhos distintos. O primeiro é a execução de todos os serviços (ou da grande maioria) por órgãos estatais. O segundo é a execução de todos os serviços (ou da grande maioria) por empresas privadas. O terceiro é a prestação dos serviços na forma de cooperação entre entes estatais, comunitários e privados. No primeiro caso temos o modelo estatista; no segundo, o modelo privatista; e no terceiro, o modelo comunitário.
O modelo estatista baseia-se no pressuposto de que somente o Estado assegura o caráter público que as políticas sociais requerem. Deixar a execução das políticas sociais sob responsabilidade de organizações comunitárias ou privadas seria transformá-las em mercadoria. Sua base ideológica principal é o marxismo ortodoxo e o “welfarismo” clássico.
O modelo privatista assenta-se na premissa de que as empresas privadas têm capacidade de oferecer serviços públicos com maior eficácia e eficiência, pois os entes estatais e comunitários seriam mais caros e menos resolutivos que a iniciativa privada. Sua base ideológica é o neoliberalismo.
O modelo comunitário apoia-se na premissa de que a melhor alternativa é a cooperação entre entidades estatais e comunitárias, mas sem excluir a presença residual de entidades privadas. As comunitárias podem ser a principal fonte de serviços para “novas” necessidades, como cuidado de idosos, no futuro próximo. Sua base ideológica é o comunitarismo, um paradigma em construção.
Os modelos estatista e privatista estão em sérios apuros face à experiência histórica das últimas décadas. O socialismo estatista desmoronou no final dos anos 1980 e mesmo em países avançados de Estado de Bem Estar os limites do estatismo são evidentes. Por outro lado, o neoliberalismo faleceu politicamente na crise financeira internacional de 2008/2009, que mostrou que, na ausência do Estado, o próprio mercado entra em crise.
O modelo comunitário é o mais promissor. Vem sendo testado no Brasil em áreas como educação e saúde desde a Era Vargas (anos 1930), quando começou a ser modelado o Estado de Bem Estar brasileiro. Hospitais, escolas e universidades comunitárias executam importante parcela dos serviços públicos.
Mas, há um descompasso entre a prática e as ideias. No plano político, continuam a predominar ideias focadas no Estado (estatismo) e no mercado (privatismo). Para uns, as organizações comunitárias ocupam o lugar do Estado; para outros, as comunitárias são excessivamente públicas e ocupam o lugar da empresa privada.
É importante reforçar a visão comunitarista na cultura brasileira. Mostrar que as organizações comunitárias cumprem um papel específico e indispensável nas políticas sociais, que elas têm um caráter público, sim, mas não são e não devem ser estatais. Manter sua autonomia e seu vínculo com as comunidades é essencial ao seu papel na sociedade.
O modelo comunitário, testado ao longo do tempo, é o mais promissor em países, como o Brasil, que têm uma sociedade civil ativa. Seu avanço depende da vitalidade das comunidades e de governantes comprometidos com a cooperação e o diálogo.