Edição do dia 12/11/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Mudanças são anunciadas nas secretarias
GERAL
Dia de visitações, experiências e expectativas no Viva Unisc 2019
GERAL
Solenidade marca aniversário do General Gomes Carneiro
GERAL - Na ocasião também foi comemorada a chegada do III Batalhão ao município
Pequenas atitudes
OPINIÃO
Verrugas Estelares
OPINIÃO
Em defesa da vida
OPINIÃO
CDL aponta 800 vagas temporárias
ECONOMIA - Expectativa é de boas oportunidades de emprego para o período
ACI: Eleição ocorre hoje
GERAL
Vigilância Colaborativa: Lançamento do Programa acontece hoje
GERAL
GREVE: Polícia Civil paralisa nesta quarta-feira
POLÍCIA
Campeonato Municipal inicia no próximo dia 22
ESPORTES
AMO/Unimed VTRP: Atletas brilham pelo estado
ESPORTES
Dois times largam com vitória na estreia da Copa Lisaruth
ESPORTES
Estadual sub 19: Santa Cruz vence fora e fica perto da final
ESPORTES
Regional: São José larga na frente nas semifinais
ESPORTES
Universidade aguarda mais de cinco mil estudantes
GERAL
Bate papo: Doações por incentivos fiscais
ECONOMIA
Comdica realiza 4ª Noite Cultural na Unisc
VARIEDADES - O evento que tem entrada franca visa enaltecer projetos sociais realizados por diversas entidades

Público e privado: dois é pouco...

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 16/08/2014

As palavras são muito importantes. Elas podem dizer bem, podem limitar e podem trair a realidade. Certas palavras e expressões utilizadas no dia a dia, repetidas sem preocupação, podem muito bem conter ou conduzir a distorções.
Um exemplo de distorção de linguagem é o par “público/privado”. Habitualmente, por “público” entendemos o que é do Estado ou do governo, e por “privado” tudo o mais (o que é das pessoas, da sociedade e do mercado).
Esse significado usual está presente tanto na linguagem do cidadão comum como na dos agentes políticos, do mundo jurídico e também na maior parte da literatura. Não é coisa de gente iletrada: é um traço cultural.
Pensando um pouco sobre essas duas palavras, tão importantes pelas consequências que acarretam, nota-se que há um claro engano. Esse par reduz o complexo mundo da vida social e das organizações a apenas duas cores, como se o mundo social fosse preto e branco. Há bem mais sob o céu e a terra do que apenas público e privado. O mundo social é colorido.
Vejamos o caso da palavra “privado”. Quando designamos uma organização criada e mantida por uma comunidade (escola, universidade, hospital, cooperativa, sindicato, associação) com a mesma palavra com que designamos uma empresa particular, pertencente a um ou alguns donos, estamos produzindo uma distorção. Ao chamar tudo isso de privado dizemos que tudo é basicamente o mesmo. Basta chegar mais perto e nota-se que não são o mesmo.
A palavra “público” também não escapa da confusão. Chamamos de público aquilo que é estatal ou governamental e deixamos de fora outros aspectos que dizem respeito a todos. Quando a população se reúne para tratar de um assunto que toca a todos, não está tratando de algo que é “público”?
É hora de repensar a utilização do par “público/privado”, pois atrapalha a nossa visão de mundo e envolve consequências práticas indesejáveis. O caminho passa por voltar às raízes, retomando o sentido original das palavras, e por incluir outro termo para designar um conjunto de eventos específicos.
O sentido original do “público” é aquilo que diz respeito a todos, ao povo, ao coletivo. O sentido original do “privado” é aquilo que diz respeito aos indivíduos e aos pequenos grupos.
A meio caminho entre um e outro está o “comunitário”, aquilo que é próprio das comunidades. Há uma infinidade de acontecimentos e de organizações que são próprias de comunidades étnicas, religiosas, culturais, políticas, residenciais. Esse é o terreno do “terceiro setor”, no sentido amplo de conjunto das organizações mantidas pela sociedade civil para atender interesses da população.
É bem mais que um mero jogo de palavras. A substituição do par “público/privado” pelo tripé “público/comunitário/privado” não é inocente. Ela é essencial para uma nova visão de mundo e para que a legislação trate devidamente as iniciativas da sociedade civil.