Edição do dia 20/08/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Lançamento da 32ª edição acontece hoje à noite
VARIEDADES - Com o tema Literatura em Rede, a Feira do Livro ocorre entre os dias 4 a 10 de setembro na Praça Getúlio Vargas
Aula inaugural marca início da primeira turma da Escola de Gestão
GERAL
Missão em Israel é tema de aula inaugural na Unisc
ECONOMIA
1º Seminário Desafios do Empreendedor ocorre em Santa Cruz do Sul
GERAL - O evento será realizado dia 29 de agosto, no Hotel Charrua
Santa Cruz receberá desafio de carros superesportivos
GERAL - Encontro ocorre no feriado, de 7 de setembro, no Aeroporto Luiz Beck da Silva, em Linha Santa Cruz. Provas reunião carros superesportivos de alto desempenho
Professor da Unisc lança documentário sobre cicloviagem na Carretera Austral
GERAL
Entenda a guerra contra o cigarro no Brasil
GERAL - Tentativas frustradas de favorecer o setor e impasses judiciais têm causado preocupação
Hidroginástica: Sesc oferece aulas em parceria com a Raia 7 Centro Aquático
GERAL
Copa HB20: Sena Jr. vence e Roncen chega em 7º
ESPORTES
MB Challenge: Correndo em casa, Fernando Jr. conquista pódio
ESPORTES
Lifasc: Semifinalistas definidos
ESPORTES
Assaf sofre derrota em Venâncio Aires
ESPORTES
Avenida chega na semana de estreia na Copinha
ESPORTES
Cras Integrar do Bairro Bom Jesus realizou formatura de inglês
EDUCAÇÃO
Abertas inscrições para Reunião sobre Plantas Bioativas
GERAL
Palavra puxa Palavra é tema de evento
GERAL
Mais de 900 mil reais serão investidos
GERAL - Valor será aplicado em livros e praça de brinquedos
Rodada aborda a Lei de Proteção de Dados
GERAL

Público, comunitário e privado: três é bom!

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 23/08/2014

No texto da semana passada procurei mostrar que a clássica “dicotomia público/privado” explica mal a vida social e classifica mal as organizações da sociedade. Essa divisão em dois polos trabalha com a ideia equivocada de que público é igual a estatal e que todo o resto é privado.
Essa visão está presente, por exemplo, no Código Civil brasileiro ao estabelecer apenas dois tipos de pessoas jurídicas: as de direito público e as de direito privado. Não há um terceiro tipo de pessoa jurídica para designar as organizações comunitárias.
Em vez de dois polos é fundamental a adoção de uma tipologia com três polos: público, comunitário e privado. Em termos sociopolíticos, essa tripartição está afinada com a divisão da vida social em três esferas: Estado, comunidade e mercado. Cada uma dessas esferas tem características próprias e todas são necessárias para a boa sociedade. Tal classificação está assentada na concepção comunitarista, um paradigma sociopolítico inovador que nos ajuda a superar certas visões ultrapassadas.
Não é mero jogo de palavras. As consequências dessa nova forma de falar são bem concretas. Quando se reconhece que o comunitário é algo diferente do privado segue-se que a legislação deve tratar as organizações comunitárias de modo distinto das empresas privadas. Não que um seja melhor que o outro. São distintos e cumprem papéis diferentes na sociedade.
A nova forma de pensar tem consequências na classificação dos setores econômicos. Hoje é usual falar em setor público e setor privado. Quando se fala no terceiro setor, não se sabe bem se é um setor próprio ou se está dentro do setor privado. Na linguagem comunitarista, o terceiro setor é algo distinto do setor privado. A classificação fica assim: o “primeiro setor” é composto pelas organizações estatais; o “segundo setor” é formado pelas empresas privadas; e o “terceiro setor” é integrado pelas organizações da sociedade civil (não apenas as ONGs, mas o conjunto das associações, fundações, sindicatos, cooperativas e entidades civis).
É importante reiterar que na concepção comunitarista não há uma supremacia do comunitário sobre o privado ou sobre o público. São dimensões complementares. A cooperação entre Estado, comunidade e mercado é o que caracteriza a boa sociedade. Cada esfera exerce papéis insubstituíveis.
O comunitário tem um viés público quando por público entendemos aquilo que é de todos, mas seu caráter é não estatal. O comunitário é o “público não estatal”, ou seja, ele compreende todas as iniciativas voltadas a atender interesses coletivos que são originárias das comunidades, da sociedade civil.
O essencial é que no uso das palavras esteja presente a compreensão de que o mundo social tem três esferas distintas e que a esfera da comunidade é vital para explicar como a humanidade chegou até aqui e como pode avançar. A visão da cooperação entre o público, o comunitário e o privado pavimenta o caminho do desenvolvimento com inclusão social.