Edição do dia 19/06/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Copa CFC Celso tem rodada em Alto Linha Santa Cruz, no domingo
ESPORTES - Líder João Alves encara o Rio Pardinho na primeira partida da tarde
Mundial Unisc de futsal feminino ocorre neste final de semana
ESPORTES
Copa Cidade: Esmeralda vence o Unidos da Villa
ESPORTES - Jogo aconteceu no estádio da Timbaúva, no Arroio Grande
Portaria amplia setores com trabalho permanente no domingo e feriado
GERAL - A portaria está publicada no Diário Oficial desta quarta-feira
Brasil empata com a Venezuela pela Copa América: 0 a 0
ESPORTES - Líder do Grupo A, Canarinho volta a campo sábado (22), contra o Peru
'Joga Pouco, Ajuda Muito' acontece nesta quinta
ESPORTES
Segundona Gaúcha: Presidente do Galo lamenta desclassificação
ESPORTES
Série D do Brasileiro: Avenida segue forte
ESPORTES - Direção espera estádio lotado para decidir vaga no segundo jogo, em casa, contra o Caxias
Computação Desplugada é realidade em escolas públicas de Santa Cruz do Sul
EDUCAÇÃO - Material didático do projeto Computação na Educação foi lançado na tarde desta terça-feira, 18, na Unisc
Ensino das escolas é discutido em todo o país
EDUCAÇÃO
Thiago Porto: enaltecendo a cultura santa-cruzense
VARIEDADES - Com mais de um milhão de visualizações no YouTube músico se prepara para mais um lançamento
Restaurante Mafalda: há 18 anos servindo gastronomia de qualidade
GERAL - O estabelecimento conta com buffet tradicional e buffet para viandas
Oficina de Apoio às Famílias será na próxima terça-feira
GERAL - O Riovale Jornal entrevistou a advogada Dra. Andjanete L. Mess Hashimoto, que explica o procedimento das atividades
Câmara aprova projeto de segurança
GERAL
Mercur chega aos 95 anos com livro publicado
EMPRESARIAL - Curso para inspirar um mundo mais colaborativo também foi disponibilizado
Corpus Christi: Fé e arte para celebrar a data
RELIGIÃO - Celebração inicia às 9 horas com missa na Catedral São João Batista e após procissão segue pelas principais ruas
Quem é contra a reforma da Previdência Social não é contra o Brasil
OPINIÃO
Um novo INSS
OPINIÃO

Direitos e responsabilidades: escapar da armadilha individualista

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 30/08/2014

A ideia de cidadania está associada aos direitos. Direitos civis, políticos e sociais, na conhecida classificação de Thomas Marshall, conquistados a partir de lutas sociais nos últimos duzentos anos. O seu reconhecimento e implementação através de políticas públicas é definidor da democracia social.
Mas o foco exclusivo nos direitos é enganoso. Distorce o que a democracia pode e o Estado podem nos proporcionar. A democracia não vive apenas de direitos. A contraface dos direitos são as responsabilidades, os deveres.
A linguagem unilateral dos direitos expressa uma concepção liberal e individualista, não uma visão social. Engana-se quem pensa que isso seja uma concepção crítica ou de esquerda. Essa linguagem é própria de quem vê o Estado como um mal necessário (como o liberalismo) ou só enxerga o próprio umbigo. Não serve para quem defende ideais de bem estar.
Muitas lideranças, bem intencionadas, continuam utilizando a linguagem exclusiva dos direitos. Difundem a visão de que o povo deve cobrar os direitos estabelecidos pela Constituição e que o problema está no Estado que não os garante. E não são poucas as lideranças queembarcam no discurso da redução do tamanho do Estado, da diminuição abrupta dos impostos e assim por diante. Sempre mais direitos e sempre menos Estado? Qual é o milagre que se espera dessa equação?
A equação correta é: para cada direito, uma responsabilidade; para cada serviço, seu custo. Uma parte é a contrapartida da outra. Se queremos muitos serviços prestados pelo poder público, o Estado precisa ser relativamente grande e cobrar relativamente alto para cobri-los. Não há mágica. É o que temos nos Estados de Bem Estar europeus e das nações desenvolvidas.
Isso vale não só para a política. Vale para as escolas, universidades, associações e entidades. Um serviço só pode ser prestado se há receitas que cubram os custos. Como diz o jargão: não existe almoço grátis! Mesmo quando há trabalho voluntário, há custos. Entender isso é fundamental para entender o terceiro setor, algo bem mais complexo do que trabalho voluntário.
Nos Estados Unidos, o movimento comunitarista afirmou na década de 1990 a necessidade de uma espécie de “moratória de direitos”, pois o ambiente político, acadêmico e das organizações civis nas últimas décadas está contaminado pelo viés das reivindicações sempre maiores, sem nenhuma ênfase nas obrigações e responsabilidades de todos. Retomando e atualizando os ideais republicanos, os comunitaristas insistiram em algo que deveria ser óbvio: na democracia, direitos e responsabilidades formam um par inseparável.
O alerta vale também para nós. É hora de afinar o discurso público. Deixar de fazer de conta que se pode ter tudo sem assumir contrapartidas. Direitos não subsistem no ar. A bandeira do Estado de Bem Estar precisa de uma mensagem clara: distribuir riquezas é necessário, proporcionar serviços públicos a todos é possível, respeitar os direitos individuais é obrigação, mas tudo isso só se viabiliza quando todos assumem responsabilidades.
Quem só reclama e quer mais ainda não entendeu essa mensagem.