Edição do dia 17/09/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Conselho lança o Polo dos Vales
GERAL
ENTRE QUATRO: Encenação acontece hoje e amanhã
VARIEDADES
RECEITA FEDERAL: Nova sede atenderá a partir de 8 de outubro
GERAL - Além da Delegacia da Receita Federal, a Procuradoria Geral da Fazenda também deve ocupar o espaço
Fentifumo inicia pauta de negociação
GERAL - Primeira reunião com a Federação e os Sindicatos ocorre na próxima quinta-feira
Otelio Drebes realiza palestra a professores
EDUCAÇÃO
Semana do Ministério Público começa hoje
GERAL - Promotores do caso Bernardo Boldrini estarão presentes
Reunião sobre Plantas Biotivas inicia hoje
GERAL
Prefeitura lança Alvará Digital
GERAL - A partir de agora, o documento pode ser feito em poucas horas, sem precisar sair de casa
Educar-se e Centro de Línguas promovem imersão bilíngue
EDUCAÇÃO
Sincotec-Varp realiza capacitação nesta quarta
GERAL
Projeto vai apresentar Santa Cruz e a 35ª Oktoberfest
VARIEDADES - Nos dois sábados da Festa da Alegria, ônibus sairão de Porto Alegre, Caxias do Sul e Santa Maria
Presidente dos Festejos Farroupilhas destaca a importância da cultura gaúcha
VARIEDADES
Tchê Bistrô e Arte: enaltecendo a tradição gaúcha
VARIEDADES
A força buscada nos versos
VARIEDADES
Cavalos passarão por inspeção antes do desfile
VARIEDADES - Além da Guia de Transporte Animal (GTA), será exigida apresentação de comprovantes para verificar as condições de saúde do animal
CTG de Paredão entregará 500kg em doações
VARIEDADES
Segurança Pública será reforçada em 36 municípios
POLÍCIA - Municípios da região receberão um total de aproximadamente R$ 2 milhões
Assaf vai encarar a Assoeva nas quartas de final
ESPORTES

Breve memória para situar a desconfiança política

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 13/09/2014


Falar mal dos políticos é um esporte largamente praticado em todas as democracias ocidentais. Não é de agora, nem acontece só aqui. Fenômeno complexo, uma das explicações é o mau desempenho dos governos na área econômica e social. A coisa não é tão simples. Vejamos o caso brasileiro.
Desde a redemocratização do país fala-se mal dos políticos. Primeiro, foi o governo Sarney, que não cumpriu as elevadas expectativas geradas pela volta da democracia. A década de 1980 foi uma “década perdida” em termos de recuperação econômica. Com o fracasso do Plano Cruzado, as expectativas populares se voltaram para a Constituinte de 1986-1987. Dizia-se que era preciso uma nova ordem legal.
Veio então a Constituição de 1988, assentando bases legais inovadoras, mas a maior parte de seus dispositivos não se realizou (nem poderia) de imediato. No ano seguinte, a polêmica eleição de Collor. Dois anos de pirotecnias, inflação alta e resultados econômicos e sociais pífios culminaram no impeachment, em 1992. Reacenderam-se certas esperanças com o governo Itamar Franco, mas que pouco conseguiu mostrar, afora o Plano Real, em 1994.
O Plano Real finalmente enfrentou o dragão da inflação e criou as bases para a eleição de Fernando Henrique Cardoso naquele ano, bem como sua reeleição em 1998. O Real, em verdade, só alcançou a estabilização monetária (da moeda), nunca a estabilização econômica. Basta lembrar que mesmo com a grande elevação da carga tributária e com a privatização de empresas estatais a dívida do país disparou. Duas vezes o governo teve que pedir empréstimo ao FMI. Os gastos sociais do governo aumentaram, mas o desemprego alto e a ausência de políticas públicas consistentes minaram a confiança popular. A década de 1990 foi mais uma “década perdida”.
Nesse ambiente de baixo crescimento e de serviços públicos precários, os políticos eram muito mal falados. “Não fazem nada”, dizia-se.
Um novo momento político começou em 2003, com Lula. Depois de um início difícil, o quadro econômico e social do país começou a melhorar significativamente a partir de 2005-2006. Todos os principais indicadores econômicos e sociais tiveram elevação. Os investimentos públicos no social cresceram acima da média histórica, a redistribuição de renda tornou o país menos desigual, 40 milhões de brasileiros foram incorporados ao mercado de consumo e o país vem suportando bem o impacto da crise internacional. A sensação de bem estar aumentou e continua alta, comparativamente ao período anterior a 2003.
Nesse cenário social e economicamente mais positivo, a confiança nos políticos não aumentou. Falar mal dos políticos continua na moda, porque “não fazem nada”, porque “são corruptos”, etc.
Não há explicações simples para a desconfiança nas instituições e nos agentes políticos. Explicações robustas incorporam os mal-feitos dos políticos, os desarranjos do sistema de governo, o papel negativo da mídia, a insatisfação permanente que nos move, a cultura política semi-democrática.
No plano da ação, da prática cotidiana, para quem gosta de falar mal dos políticos a sugestão é: vá, participe e faça melhor!