Edição do dia 19/07/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Domingo tem Brique da Praça
GERAL
Unisc forma 16ª turma de Medicina
GERAL
Stock: Nelsinho Piquet corre pela primeira vez em Santa Cruz do Sul
ESPORTES - Piloto da equipe Texaco Full Time Sports terá experiência inédita neste fim de semana na pista gaúcha
Edição de inverno do curso Escola de formação de professores tem início na Unisc
EDUCAÇÃO
Audiência pública debate alterações no Plano Diretor
GERAL
Quatro cidades gaúchas
VARIEDADES - Quarta temporada de 'O professor pelado' tem reestreia repaginada
Domingo tem etapa da 5ª Olimpíada Rural
GERAL - Esse será o primeiro compromisso oficial das 14 candidatas a soberanas da 35ª Oktoberfest
Copa Seu Verardi
ESPORTES - Uma semana de treinos no Avenida
Rodada desta sexta vai apontar os semifinalistas
ESPORTES
Em jogo duas vagas no mata-mata da Copa CFC Celso
ESPORTES
Assaf joga nesta sexta-feira em Santa Maria
ESPORTES - Jogo foi alterado em virtude do Grenal neste sábado
Stock Car: Quinta etapa é neste final de semana
ESPORTES - Serão dois dias de atividades sem a companhia da Stock Light
Renomada professora do Serviço Social estará em Santa Cruz
GERAL
Novo Cabrais: Escola lança livro de receitas saudáveis
EDUCAÇÃO
Novo Cabrais: Pimenta visita obras e reafirma apoio ao município
GERAL - Deputado federal participou de almoço e conferiu de perto a pavimentação da Avenida Rodolfo Buss
Ascor e Prefeitura planejam nova exposição
GERAL
Colégio Mauá assume gestão da Escola Criança & Cia
EDUCAÇÃO
Prefeitura anuncia restauração do prédio
GERAL - Marcando a decisão, muda de árvore também foi plantada por alunos da rede de ensino municipal

Voto: direito e responsabilidade moral

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 20/09/2014

Há afirmativas que são simpáticas e aparentam carregar uma verdade. Nos últimos anos, por exemplo, a ideia de que “o voto é um direito, não um dever” vem ganhando mais e mais adeptos. O voto facultativo é apresentado como uma proposta democrática.
Essa é uma meia-verdade. O voto não pode ser considerado apenas um direito. Não é democrática a ideia de que “eu voto se eu quero e ninguém tem nada com isso”.
Vejamos. Se votar for considerado tão somente um direito, o que aconteceria na hipotética situação em que, por falta de interesse, ninguém mais fosse votar? A consequência seria a erradicação do voto, com o fim da democracia representativa. Em seu lugar viria algum sistema autoritário, como um regime monárquico ou uma ditadura militar.
Nessa situação hipotética, após ter sido implantado um regime autoritário bastaria dizermos que “não aproveitamos um direito”? Ou seríamos bem mais severos conosco mesmos e diríamos que “falhamos ao não cumprir uma responsabilidade moral” que tínhamos com a democracia?
Uma democracia forte só é construída quando o voto e a participação política são entendidos tanto como um direito como uma responsabilidade moral. A premissa correta é que a todo direito corresponde uma responsabilidade. Direitos não se mantêm no vazio; dependem de responsabilidades assumidas no contexto da comunidade política.
Responsabilidade moral é algo diferente de dever legal. A moral é o fundamento da lei, e a lei deve ser o corolário da moral. Hoje no Brasil, a obrigação de votar é entendida apenas como um dever legal. Quem não vota pode ser punido com multas, proibição de inscrever-se em concurso público, de fazer passaporte, etc. Essas punições provocam receios, mas não mexem com o que é fundamental: a consciência cívica de cada cidadão, o senso individual de responsabilidade.
A mudança a ser feita é tornar o voto uma obrigação moral de cada cidadão, mas sem punições a quem não vota. A lei deve apoiar a construção de uma nova cultura, que considere “pecado” omitir-se de votar, produzindo um sentimento de culpa. As punições devem ser morais: quem não votar deve ser questionado nas salas de aula e nas reuniões de família, ser censurado pelos amigos, ser pressionado no local de trabalho, admoestado nos cultos religiosos.
Enquanto as punições legais atuais geram receio e insatisfação, as punições morais irão à raiz do problema, que é a consciência cívica de cada cidadão.
Olhar o voto só como direito acaba por reforçar o viés individualista, liberal, que nada tem de progressista. Olhar o voto como direito e como obrigação moral (a perspectiva republicana e comunitária) é próprio de quem assume a sua parte na construção da democracia participativa e deliberativa.
Acabar com o voto obrigatório no Brasil não deve ser feito de modo a reforçar a visão individualista (eu voto se eu quero e ninguém tem nada com isso). Manter o voto como um dever moral, sem punições legais: esse é um caminho promissor para fortalecer a democracia.