Edição do dia 06/12/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Operação Papai Noel começa na próxima Terça-feira
GERAL - A novidade é a implantação da uma base móvel, equipada com câmeras, computadores e outros dispositivos de segurança
Multi Espaço VIA 9: cultura, educação e um bom café
GERAL - O local conta com loja de artesanatos e realiza diversos eventos e atividades
Neste sábado tem Prefeitura nos Bairros
GERAL
Feira do Livro de 2020 será em maio
GERAL - Patrona, Homenageado e Personalidade Incentivadora da Leitura foram divulgados nesta sexta-feira
Secretaria de Cultura registra 172 entes e agentes culturais
POLÍTICA - Cadastro havia sido fechado em agosto, mas foi reaberto no mês passado
Força-Tarefa fiscaliza supermercado no centro
GERAL - Ação realizou a segunda operação do grupo em Santa Cruz nesta semana
Campanha realiza exames preventivos gratuitos de câncer de pele neste sábado
SAÚDE - Os atendimentos acontecem das 9h às 15h, no Ambulatório do COI do Hospital Ana Nery
Greve do Magistério atinge mais de 1,5 mil escolas
EDUCAÇÃO - Com 80% de participação da categoria, a greve é considerada histórica
Economista dá dicas para utilizar o 13ºsalário
ECONOMIA - O pagamento é uma oportunidade para colocar as finanças em dia, afirma Silvio Cezar Arend
Cartório ainda aguarda mais de 30 mil para recadastramento biométrico
GERAL
Inscrições abertas para o Educar-se nas Férias 2020
EDUCAÇÃO
Alta no preço da carne resulta no aumento da Cesta Básica
ECONOMIA
Saiba os dias de abertura do comércio neste Natal
GERAL
Novo Cabrais: Bryan é mais um ganhador da promoção
GERAL
Novo Cabrais: Escolinha ACF é campeã geral da Uef Cup
ESPORTES
Abertura da Christkindfest acontece hoje
VARIEDADES - Programação se estende até o dia 22 de dezembro, com atividades artísticas e culturais e Casa do Papai Noel
Storch Contabilidade conta com novas e modernas instalações
GERAL
Novo Cabrais: Proerd forma 34 alunos
GERAL

Voto: direito e responsabilidade moral

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 20/09/2014

Há afirmativas que são simpáticas e aparentam carregar uma verdade. Nos últimos anos, por exemplo, a ideia de que “o voto é um direito, não um dever” vem ganhando mais e mais adeptos. O voto facultativo é apresentado como uma proposta democrática.
Essa é uma meia-verdade. O voto não pode ser considerado apenas um direito. Não é democrática a ideia de que “eu voto se eu quero e ninguém tem nada com isso”.
Vejamos. Se votar for considerado tão somente um direito, o que aconteceria na hipotética situação em que, por falta de interesse, ninguém mais fosse votar? A consequência seria a erradicação do voto, com o fim da democracia representativa. Em seu lugar viria algum sistema autoritário, como um regime monárquico ou uma ditadura militar.
Nessa situação hipotética, após ter sido implantado um regime autoritário bastaria dizermos que “não aproveitamos um direito”? Ou seríamos bem mais severos conosco mesmos e diríamos que “falhamos ao não cumprir uma responsabilidade moral” que tínhamos com a democracia?
Uma democracia forte só é construída quando o voto e a participação política são entendidos tanto como um direito como uma responsabilidade moral. A premissa correta é que a todo direito corresponde uma responsabilidade. Direitos não se mantêm no vazio; dependem de responsabilidades assumidas no contexto da comunidade política.
Responsabilidade moral é algo diferente de dever legal. A moral é o fundamento da lei, e a lei deve ser o corolário da moral. Hoje no Brasil, a obrigação de votar é entendida apenas como um dever legal. Quem não vota pode ser punido com multas, proibição de inscrever-se em concurso público, de fazer passaporte, etc. Essas punições provocam receios, mas não mexem com o que é fundamental: a consciência cívica de cada cidadão, o senso individual de responsabilidade.
A mudança a ser feita é tornar o voto uma obrigação moral de cada cidadão, mas sem punições a quem não vota. A lei deve apoiar a construção de uma nova cultura, que considere “pecado” omitir-se de votar, produzindo um sentimento de culpa. As punições devem ser morais: quem não votar deve ser questionado nas salas de aula e nas reuniões de família, ser censurado pelos amigos, ser pressionado no local de trabalho, admoestado nos cultos religiosos.
Enquanto as punições legais atuais geram receio e insatisfação, as punições morais irão à raiz do problema, que é a consciência cívica de cada cidadão.
Olhar o voto só como direito acaba por reforçar o viés individualista, liberal, que nada tem de progressista. Olhar o voto como direito e como obrigação moral (a perspectiva republicana e comunitária) é próprio de quem assume a sua parte na construção da democracia participativa e deliberativa.
Acabar com o voto obrigatório no Brasil não deve ser feito de modo a reforçar a visão individualista (eu voto se eu quero e ninguém tem nada com isso). Manter o voto como um dever moral, sem punições legais: esse é um caminho promissor para fortalecer a democracia.