Edição do dia 14/06/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Unisc divulga listão dos aprovados no Vestibular de Inverno
GERAL
Classificada: Seleção vence a Itália
ESPORTES - Time brasileiro feminino avançou para as oitavas de final
Prefeito Telmo Kirst anuncia saída do PP
POLÍTICA
Jaqueline na maior liga do atletismo mundial
ESPORTES - Atleta da AMO participou da Diamond League em Rabat, Marrocos
Maurício Scota conquista 4 ouros nos JUGS
ESPORTES - Nadador está classificado para os Jogos Universitários Brasileiros
Mauá traz três primeiros lugares da primeira etapa do Estadual de Ginástica Rítmica
ESPORTES - Alice Silva, Júlia Furtado e Rafaela Cavalheiro conquistaram títulos nas suas categorias
Câmara aprova criação de comissão processante e escolhe membros
GERAL
Computação na Educação lança material didático nesta terça-feira na Unisc
EDUCAÇÃO
OAB promove palestra: Vamos conversar sobre o racismo?
GERAL
Unidos da Villa e Esmeralda fazem o jogo dos líderes do grupo B
ESPORTES - No domingo, Copa Cidade Miller Supermercados teve vitórias do San Lorenzo e Margarida
Lifasc Sub-18: João Alves se isola ainda mais na liderança
ESPORTES - Equipe derrotou o Aliança por 2x0 neste domingo e mantém-se invicto
DESENVOLVIMENTO REGIONAL: Corede/VRP faz renovação da Assembleia
GERAL - Encontro para a definição dos novos integrantes ocorre no dia 25 de junho, na sala 101 da Unisc
Cursos de Gastronomia e Nutrição da Unisc promovem prática culinária com alunos do Uniama
GERAL
APAE promove Feijoada
GERAL
Educar-se promove novo encontro para famílias
EDUCAÇÃO
Mais de 1,1 mil candidatos realizam o Vestibular de Inverno da Unisc
GERAL
Com dois jogadores a menos, Avenida arranca empate em Caxias
ESPORTES - Periquito decidirá mata-mata dentro dos Eucaliptos
Santa Cruz empata e está fora da Segundona
ESPORTES - Galo ficou no 0 a 0 com o Guarany, em Bagé

As razões do ódio

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 27/09/2014

A política é campo propício para o ódio e a raiva, mas também de paixões construtivas, como a compaixão e a amizade. Ao invés de ser uma atividade movida pela razão fria e calculista, fazer política é uma atividade em grande parte emotiva. Mas, se a antítese amigo-inimigo (Karl Schmitt) é da essência da política, também o é o anseio pela unidade. Política é luta, enfrentamento e conflito, assim como a arte de fazer aproximações, concessões e alianças com os opositores.
De todas as manifestações de ódio na política brasileira das últimas décadas talvez o anti-petismo seja a mais forte. É impressionante notar como certos setores políticos e sociais destilam ódio ao PT, com expressões como “petralhas”, corruptos, corja e por aí vai. Nas eleições de 2006, o senador Jorge Bornhausen (DEM) chegou a dizer que “vamos acabar com essa raça. Vamos nos livrar dessa raça por, pelo menos, 30 anos”.
Não creio que seja propriamente explicável esse ódio, mas pode-se apontar alguns fatores:
- O estilo moralista e direto, às vezes belicoso, dos petistas em denúncias de mazelas alheias. A reação dos adversários foi igualmente forte quando o PT se tornou “vidraça”. As denúncias anteriores foram cobradas com juros e correção monetária. Essa reação inicial (compreensível) transformou-se em agressividade crescente, desproporcional.
- As falhas e problemas do PT e de seus governos. Não poderia ser diferente: quem é grande e quem governa, erra. Esses erros são apontados pela oposição, como acontece em qualquer democracia.
- Ódio de classe: embora não se possa explicar a sociedade e a política simplesmente com base na divisão de classes sociais antagônicas, como burgueses e proletários, está no DNA do PT o seu vínculo com os trabalhadores e os pobres, bem como sua condenação às grandes desigualdades do Brasil. Parte da aversão ao partido é insuflada pelos defensores do grande capital e por corporações que tiveram interesses contrariados.
- Preconceito contra os pobres: por ser vinculado aos pobres, o PT acaba atraindo os preconceitos dirigidos a eles. Lula é o caso clássico. Nordestino retirante, com pouca escolaridade, falando a linguagem do povão, nunca foi aceito pela “high society”, a elite elitista, nem por boa parte da classe média, que se espelha nos ricos, nem mesmo quando Obama reconheceu seu protagonismo internacional ao dizer que “esse é o cara!”.
- Desinformação: a classe média, com mais acesso a jornais, revistas e sites, reproduz mais os preconceitos anti-PT divulgados pelos grandes grupos da mídia. A aferição científica disso está, por exemplo, no Manchetômetro (http://www.manchetometro.com.br/), da UERJ.
- Pavor de ficar alijado do poder por tempo indeterminado: doze anos de governo federal liderado pelo PT, possibilidade de reeleição em 2014 e possível repetição em 2018 é uma perspectiva que causa verdadeiro pavor em setores que anteriormente governavam o país.
A maior parte do povo não partilha desse ódio. Vê erros e acertos, avalia quem fez mais pelo seu bem estar e quem traz uma perspectiva boa para seu futuro.