Edição do dia 20/08/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Professor Nestor Raschen recebe o título de Cidadão Honorário
GERAL
Lançamento da 32ª edição acontece hoje à noite
VARIEDADES - Com o tema Literatura em Rede, a Feira do Livro ocorre entre os dias 4 a 10 de setembro na Praça Getúlio Vargas
Aula inaugural marca início da primeira turma da Escola de Gestão
GERAL
Missão em Israel é tema de aula inaugural na Unisc
ECONOMIA
1º Seminário Desafios do Empreendedor ocorre em Santa Cruz do Sul
GERAL - O evento será realizado dia 29 de agosto, no Hotel Charrua
Santa Cruz receberá desafio de carros superesportivos
GERAL - Encontro ocorre no feriado, de 7 de setembro, no Aeroporto Luiz Beck da Silva, em Linha Santa Cruz. Provas reunião carros superesportivos de alto desempenho
Professor da Unisc lança documentário sobre cicloviagem na Carretera Austral
GERAL
Entenda a guerra contra o cigarro no Brasil
GERAL - Tentativas frustradas de favorecer o setor e impasses judiciais têm causado preocupação
Hidroginástica: Sesc oferece aulas em parceria com a Raia 7 Centro Aquático
GERAL
Copa HB20: Sena Jr. vence e Roncen chega em 7º
ESPORTES
MB Challenge: Correndo em casa, Fernando Jr. conquista pódio
ESPORTES
Lifasc: Semifinalistas definidos
ESPORTES
Assaf sofre derrota em Venâncio Aires
ESPORTES
Avenida chega na semana de estreia na Copinha
ESPORTES
Cras Integrar do Bairro Bom Jesus realizou formatura de inglês
EDUCAÇÃO
Abertas inscrições para Reunião sobre Plantas Bioativas
GERAL
Palavra puxa Palavra é tema de evento
GERAL
Mais de 900 mil reais serão investidos
GERAL - Valor será aplicado em livros e praça de brinquedos

2014: uma eleição singular

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 04/10/2014

Muitos dos eleitores brasileiros neste domingo não darão maior importância ao ato de votar, embora seu ato ajude a respaldar a quarta maior democracia do mundo (depois da Índia, EUA e Indonésia), com 141 milhões de eleitores. Influenciados pela atmosfera de desconfiança nos agentes políticos, tratarão o voto como mera obrigação, cumprida a cada dois anos.
Há muitas razões para pensar diferente. A eleição de 2014 é única, singular, irrepetível, como o são todas as eleições. O que decidirmos domingo vai ter consequências importantes.
Vejamos alguns aspectos que são repetitivos. Primeiro, a possibilidade de votar: há 25 anos (desde 1989) votamos regularmente, sem interrupções e com liberdade, o mais longo período ininterrupto da história brasileira. Segundo, as regras eleitorais vêm sendo mantidas, sem que os governantes as alterem em função de interesses próprios: desde 1997, quando foi aprovado o direito à reeleição no Executivo para que Fernando Henrique Cardoso pudesse concorrer ao segundo mandato, em 1998, não houve “mexidas” oportunistas nas regras. Terceiro: a Justiça Eleitoral vem coordenando novamente as eleições de forma clara e transparente, sem desconfiança da parte dos diversos partidos concorrentes. Quarto: a urna eletrônica possibilitará que o voto e a apuração sejam muito rápidos, diferente do que acontece na grande maioria das democracias, inclusive as mais consolidadas, que ainda utilizam papel. Quinto: o número de candidatos e de partidos (32) oferece opções para todos os gostos.
Afora o último, que é discutível, esses aspectos repetitivos são próprios de uma democracia firme, sólida. Nesse caso, viva a repetição!
O que torna singular a eleição de 2014 são as circunstâncias temporais atuais. Trata-se da primeira eleição após as grandes manifestações de rua de junho de 2013. No calor daquelas manifestações gerou-se a expectativa de que na eleição seguinte predominaria um forte sentimento de mudança. Não ficou clara a direção da mudança. Uma hipótese era o fortalecimento de grupos políticos extremistas (de direita ou esquerda) em detrimento de posições moderadas. Outra hipótese era o surgimento de novas lideranças. Uma terceira, a rejeição geral aos atuais partidos. Porém, os indicativos colhidos nas recentes pesquisas de opinião e no contato com os eleitores sugerem que o sentimento de forte mudança deu lugar a um senso de mudanças graduais (incrementais, se diria na ciência política), mais realistas e viáveis.
É possível que o sentimento de mudança constatado em 2013 se manifeste na forma de um maior número de abstenções e de votos nulos e brancos, especialmente para o legislativo. Ou é possível que tal sentimento tenha sido aplacado pelas medidas governamentais já tomadas (em nível federal, estadual e municipal) ou acenadas pelos candidatos. Está em jogo o “capital político”, o prestígio dos candidatos, tanto dos governantes que concorrem à reeleição quanto dos oposicionistas que pretendem um lugar ao sol.
Os indicativos são de um pleito tranquilo, cujas emoções fortes limitar-se-ão à comemoração dos vencedores e à tristeza dos não eleitos. Um ambiente propício para que cada um de nós exerça o voto como direito e como responsabilidade moral.