Edição do dia 14/06/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Jaqueline na maior liga do atletismo mundial
ESPORTES - Atleta da AMO participou da Diamond League em Rabat, Marrocos
Maurício Scota conquista 4 ouros nos JUGS
ESPORTES - Nadador está classificado para os Jogos Universitários Brasileiros
Mauá traz três primeiros lugares da primeira etapa do Estadual de Ginástica Rítmica
ESPORTES - Alice Silva, Júlia Furtado e Rafaela Cavalheiro conquistaram títulos nas suas categorias
Câmara aprova criação de comissão processante e escolhe membros
GERAL
Computação na Educação lança material didático nesta terça-feira na Unisc
EDUCAÇÃO
OAB promove palestra: Vamos conversar sobre o racismo?
GERAL
Unidos da Villa e Esmeralda fazem o jogo dos líderes do grupo B
ESPORTES - No domingo, Copa Cidade Miller Supermercados teve vitórias do San Lorenzo e Margarida
Lifasc Sub-18: João Alves se isola ainda mais na liderança
ESPORTES - Equipe derrotou o Aliança por 2x0 neste domingo e mantém-se invicto
DESENVOLVIMENTO REGIONAL: Corede/VRP faz renovação da Assembleia
GERAL - Encontro para a definição dos novos integrantes ocorre no dia 25 de junho, na sala 101 da Unisc
Cursos de Gastronomia e Nutrição da Unisc promovem prática culinária com alunos do Uniama
GERAL
APAE promove Feijoada
GERAL
Educar-se promove novo encontro para famílias
EDUCAÇÃO
Mais de 1,1 mil candidatos realizam o Vestibular de Inverno da Unisc
GERAL
Com dois jogadores a menos, Avenida arranca empate em Caxias
ESPORTES - Periquito decidirá mata-mata dentro dos Eucaliptos
Santa Cruz empata e está fora da Segundona
ESPORTES - Galo ficou no 0 a 0 com o Guarany, em Bagé
Endurance Brasil: Xandy e Xandinho Negrão continuam líderes
ESPORTES - Pai e filho fecham a terceira etapa de Santa Cruz do Sul com pódio e mantêm a liderança na geral e na categoria GT3
Pinheiral leva o bicampeonato no Futebol Sete Master da Lifasc
ESPORTES - Equipe derrotou o Linha Santa Cruz na decisão, por 4x3 de virada, em partida eletrizante
De camisa branca, o Brasil vence na estreia
ESPORTES - Seleção fez 3 a 0 sobre a Bolívia pela Copa América

Mudar ou continuar mudando?

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 25/10/2014

Decidiremos nas urnas, neste domingo, o sentido das mudanças que queremos para o Brasil. Podemos sintetizar a questão em: mudar de direção ou continuar mudando?
Mudar de direção, votando na oposição, significa alterar o modelo político em curso. Esse modelo não é algo desconhecido; é o retorno a uma visão política que predominou na década de 1990: o neoliberalismo. Se for vencedor nas urnas, Aécio Neves certamente não aplicará a mesma receita de Fernando Henrique Cardoso. Não há condições hoje, por exemplo, de implementar privatizações de empresas estatais no volume com que foram feitas naqueles governos do PSDB. E o tratamento dado às políticas sociais certamente será mais robusto, por exigência da nação. Mas, o pano de fundo será o mesmo: pouca confiança nas virtudes do Estado, muita confiança nas virtudes do mercado. Essa é a essência do liberalismo e do neoliberalismo, do qual o PSDB não se afastou, nem setores empresariais importantes, como o setor financeiro.
Manter a direção atual e aprofundar as mudanças é a proposta da situação, liderada por Dilma Roussef. A sua reeleição não significará mais do mesmo. Um segundo governo de Dilma necessariamente terá novas inflexões, especialmente no que diz respeito à política industrial, que é reconhecidamente um ponto frágil na política econômica atual. Mas, o pano de fundo não mudará: forte confiança nas virtudes do Estado, no seu papel de indutor do desenvolvimento, de responsável pela proteção social aos cidadãos e de regulador do mercado. Essa é a essência do desenvolvimentismo social, nome que vem sendo dado ao modelo em curso no país, inspirado nos ideais do socialismo democrático. A novidade desse modelo é a sua capacidade de aliar crescimento econômico e inclusão social. É um modelo redistributivo, que pela primeira vez na história brasileira propicia que o rendimento dos mais pobres cresça um pouco mais que o das camadas abastadas.
Poderia ser feita uma espécie de conciliação, aproveitando o que é bom de cada parte? Não! Não dá boa sopa misturar um pouco de cada. Por quê? Pelo fato de que os modelos estão assentados em valores diferentes. O modelo da oposição (neoliberal) tem como valor fundamental a liberdade individual. Já o modelo da situação (inspirado no socialismo) tem como valor fundamental a igualdade social. O primeiro contempla melhor as aspirações das camadas mais ricas da população; o outro, as aspirações das camadas mais pobres.
Para os eleitores que só veem a política como ação individual, que dividem os políticos entre bons e maus, os modelos não passam de abstrações, teorias. Mas, parte do eleitorado percebe as diferenças, nota que há dois grandes campos políticos. Estes eleitores são decisivos porque carregam convicções, paixão, e influenciam muitos outros. O que o acirrado debate eleitoral de 2014 vem mostrando mais uma vez é que as ideologias permanecem vivas. É disso que se trata: de ideologias distintas, que são indispensáveis à democracia.