Edição do dia 20/08/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Lançamento da 32ª edição acontece hoje à noite
VARIEDADES - Com o tema Literatura em Rede, a Feira do Livro ocorre entre os dias 4 a 10 de setembro na Praça Getúlio Vargas
Aula inaugural marca início da primeira turma da Escola de Gestão
GERAL
Missão em Israel é tema de aula inaugural na Unisc
ECONOMIA
1º Seminário Desafios do Empreendedor ocorre em Santa Cruz do Sul
GERAL - O evento será realizado dia 29 de agosto, no Hotel Charrua
Santa Cruz receberá desafio de carros superesportivos
GERAL - Encontro ocorre no feriado, de 7 de setembro, no Aeroporto Luiz Beck da Silva, em Linha Santa Cruz. Provas reunião carros superesportivos de alto desempenho
Professor da Unisc lança documentário sobre cicloviagem na Carretera Austral
GERAL
Entenda a guerra contra o cigarro no Brasil
GERAL - Tentativas frustradas de favorecer o setor e impasses judiciais têm causado preocupação
Hidroginástica: Sesc oferece aulas em parceria com a Raia 7 Centro Aquático
GERAL
Copa HB20: Sena Jr. vence e Roncen chega em 7º
ESPORTES
MB Challenge: Correndo em casa, Fernando Jr. conquista pódio
ESPORTES
Lifasc: Semifinalistas definidos
ESPORTES
Assaf sofre derrota em Venâncio Aires
ESPORTES
Avenida chega na semana de estreia na Copinha
ESPORTES
Cras Integrar do Bairro Bom Jesus realizou formatura de inglês
EDUCAÇÃO
Abertas inscrições para Reunião sobre Plantas Bioativas
GERAL
Palavra puxa Palavra é tema de evento
GERAL
Mais de 900 mil reais serão investidos
GERAL - Valor será aplicado em livros e praça de brinquedos
Rodada aborda a Lei de Proteção de Dados
GERAL

Extrema direita (I)

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 22/11/2014

Uma das grandes novidades da conjuntura eleitoral de 2014 no Brasil vem sendo a aparição pública de vários segmentos de extrema direita. Visível na Europa, nos Estados Unidos e noutros países, a extrema direita apresenta suas armas também entre nós.
Direita e esquerda, assinala Norberto Bobbio, são posições políticas diferenciadas em relação ao tema da igualdade social: a direita considera as desigualdades sociais inevitáveis e tende a aceitá-las; a esquerda considera que as desigualdades em grande parte decorrem de fatores sociais e luta para reduzí-las. Ambas tiveram e têm expressões “moderadas” (de centro) e “extremadas”.
A extrema direita e a extrema esquerda não se comprometem com a manutenção de regras democráticas, concordando com o uso da violência e do autoritarismo para chegar aos seus fins. A centro direita e a centro esquerda estão comprometidas com a manutenção das regras democráticas.
Desde a redemocratização do Brasil, na década de 1980, até o ano passado as forças extremistas não tiveram proeminência no cenário nacional. Na esquerda, os grupos extremistas que haviam lutado contra a ditadura militar nos anos 60 e 70 ou foram eliminados ou depuseram armas e assumiram a ideia de que a democracia é um valor universal. Na direita, os grupos extremistas (militares da reserva, grupos policiais, TFP, UDR) permaneceram fragmentados na maior parte do período.
Mas os grupos de extrema direita começaram a se mexer desde a eleição de Lula, em 2002. Matéria da revista Época em agosto de 2003 informava que “Radicais da direita se mexem - UDR, TFP, ex-policiais do Dops e anticomunistas criticam governo, acertam ações contra o MST e lobby a favor das armas”. O movimento extremista não ganhou força no cenário político nos anos seguintes, mas as vozes direitistas no Congresso Nacional ficaram gradativamente mais fortes. Aos deputados Jair Bolsonaro e Ronaldo Caiado somaram-se lideranças religiosas do pentecostalismo fundamentalista, como Silas Malafaia e Marco Feliciano. Embora nem todos façam abertamente pregações anti-democráticas, temas anti-democráticos vêm unificando a sua ação, como o discurso contra os direitos humanos, especialmente as questões ligadas à homofobia e ao racismo.
As mobilizações de rua de junho de 2013, por paradoxal que possa parecer, acabaram por potencializar a extrema direita, o que ficou evidenciado pelo que veio depois, o contexto eleitoral de 2014. Por não possuir uma pauta definida, com manifestantes portando faixas que falavam desde temas cruciais, como a má qualidade do transporte público nas grandes cidades, a questões delicadas para a democracia, como a negação dos partidos políticos, os protestos chocaram o ovo da serpente – o autoritarismo nu e cru. Isso ficou claro ao longo do presente ano, quando extremistas começaram a se manifestar mais abertamente.
Os 50 anos do Golpe Militar de 1964, lembrados em março/abril, foram ocasião para que grupos saudosistas do regime militar e jovens de classe média fossem às ruas em algumas cidades do país. Pela primeira vez a democracia foi questionada abertamente nas ruas, em pequeno número. Como se viu depois, essas vozes não eram solitárias. (Continua)