Edição do dia 19/06/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Copa CFC Celso tem rodada em Alto Linha Santa Cruz, no domingo
ESPORTES - Líder João Alves encara o Rio Pardinho na primeira partida da tarde
Mundial Unisc de futsal feminino ocorre neste final de semana
ESPORTES
Copa Cidade: Esmeralda vence o Unidos da Villa
ESPORTES - Jogo aconteceu no estádio da Timbaúva, no Arroio Grande
Portaria amplia setores com trabalho permanente no domingo e feriado
GERAL - A portaria está publicada no Diário Oficial desta quarta-feira
Brasil empata com a Venezuela pela Copa América: 0 a 0
ESPORTES - Líder do Grupo A, Canarinho volta a campo sábado (22), contra o Peru
'Joga Pouco, Ajuda Muito' acontece nesta quinta
ESPORTES
Segundona Gaúcha: Presidente do Galo lamenta desclassificação
ESPORTES
Série D do Brasileiro: Avenida segue forte
ESPORTES - Direção espera estádio lotado para decidir vaga no segundo jogo, em casa, contra o Caxias
Computação Desplugada é realidade em escolas públicas de Santa Cruz do Sul
EDUCAÇÃO - Material didático do projeto Computação na Educação foi lançado na tarde desta terça-feira, 18, na Unisc
Ensino das escolas é discutido em todo o país
EDUCAÇÃO
Thiago Porto: enaltecendo a cultura santa-cruzense
VARIEDADES - Com mais de um milhão de visualizações no YouTube músico se prepara para mais um lançamento
Restaurante Mafalda: há 18 anos servindo gastronomia de qualidade
GERAL - O estabelecimento conta com buffet tradicional e buffet para viandas
Oficina de Apoio às Famílias será na próxima terça-feira
GERAL - O Riovale Jornal entrevistou a advogada Dra. Andjanete L. Mess Hashimoto, que explica o procedimento das atividades
Câmara aprova projeto de segurança
GERAL
Mercur chega aos 95 anos com livro publicado
EMPRESARIAL - Curso para inspirar um mundo mais colaborativo também foi disponibilizado
Corpus Christi: Fé e arte para celebrar a data
RELIGIÃO - Celebração inicia às 9 horas com missa na Catedral São João Batista e após procissão segue pelas principais ruas
Quem é contra a reforma da Previdência Social não é contra o Brasil
OPINIÃO
Um novo INSS
OPINIÃO

Extrema direita (I)

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 22/11/2014

Uma das grandes novidades da conjuntura eleitoral de 2014 no Brasil vem sendo a aparição pública de vários segmentos de extrema direita. Visível na Europa, nos Estados Unidos e noutros países, a extrema direita apresenta suas armas também entre nós.
Direita e esquerda, assinala Norberto Bobbio, são posições políticas diferenciadas em relação ao tema da igualdade social: a direita considera as desigualdades sociais inevitáveis e tende a aceitá-las; a esquerda considera que as desigualdades em grande parte decorrem de fatores sociais e luta para reduzí-las. Ambas tiveram e têm expressões “moderadas” (de centro) e “extremadas”.
A extrema direita e a extrema esquerda não se comprometem com a manutenção de regras democráticas, concordando com o uso da violência e do autoritarismo para chegar aos seus fins. A centro direita e a centro esquerda estão comprometidas com a manutenção das regras democráticas.
Desde a redemocratização do Brasil, na década de 1980, até o ano passado as forças extremistas não tiveram proeminência no cenário nacional. Na esquerda, os grupos extremistas que haviam lutado contra a ditadura militar nos anos 60 e 70 ou foram eliminados ou depuseram armas e assumiram a ideia de que a democracia é um valor universal. Na direita, os grupos extremistas (militares da reserva, grupos policiais, TFP, UDR) permaneceram fragmentados na maior parte do período.
Mas os grupos de extrema direita começaram a se mexer desde a eleição de Lula, em 2002. Matéria da revista Época em agosto de 2003 informava que “Radicais da direita se mexem - UDR, TFP, ex-policiais do Dops e anticomunistas criticam governo, acertam ações contra o MST e lobby a favor das armas”. O movimento extremista não ganhou força no cenário político nos anos seguintes, mas as vozes direitistas no Congresso Nacional ficaram gradativamente mais fortes. Aos deputados Jair Bolsonaro e Ronaldo Caiado somaram-se lideranças religiosas do pentecostalismo fundamentalista, como Silas Malafaia e Marco Feliciano. Embora nem todos façam abertamente pregações anti-democráticas, temas anti-democráticos vêm unificando a sua ação, como o discurso contra os direitos humanos, especialmente as questões ligadas à homofobia e ao racismo.
As mobilizações de rua de junho de 2013, por paradoxal que possa parecer, acabaram por potencializar a extrema direita, o que ficou evidenciado pelo que veio depois, o contexto eleitoral de 2014. Por não possuir uma pauta definida, com manifestantes portando faixas que falavam desde temas cruciais, como a má qualidade do transporte público nas grandes cidades, a questões delicadas para a democracia, como a negação dos partidos políticos, os protestos chocaram o ovo da serpente – o autoritarismo nu e cru. Isso ficou claro ao longo do presente ano, quando extremistas começaram a se manifestar mais abertamente.
Os 50 anos do Golpe Militar de 1964, lembrados em março/abril, foram ocasião para que grupos saudosistas do regime militar e jovens de classe média fossem às ruas em algumas cidades do país. Pela primeira vez a democracia foi questionada abertamente nas ruas, em pequeno número. Como se viu depois, essas vozes não eram solitárias. (Continua)