Edição do dia 17/09/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Conselho lança o Polo dos Vales
GERAL
ENTRE QUATRO: Encenação acontece hoje e amanhã
VARIEDADES
RECEITA FEDERAL: Nova sede atenderá a partir de 8 de outubro
GERAL - Além da Delegacia da Receita Federal, a Procuradoria Geral da Fazenda também deve ocupar o espaço
Fentifumo inicia pauta de negociação
GERAL - Primeira reunião com a Federação e os Sindicatos ocorre na próxima quinta-feira
Otelio Drebes realiza palestra a professores
EDUCAÇÃO
Semana do Ministério Público começa hoje
GERAL - Promotores do caso Bernardo Boldrini estarão presentes
Reunião sobre Plantas Biotivas inicia hoje
GERAL
Prefeitura lança Alvará Digital
GERAL - A partir de agora, o documento pode ser feito em poucas horas, sem precisar sair de casa
Educar-se e Centro de Línguas promovem imersão bilíngue
EDUCAÇÃO
Sincotec-Varp realiza capacitação nesta quarta
GERAL
Projeto vai apresentar Santa Cruz e a 35ª Oktoberfest
VARIEDADES - Nos dois sábados da Festa da Alegria, ônibus sairão de Porto Alegre, Caxias do Sul e Santa Maria
Presidente dos Festejos Farroupilhas destaca a importância da cultura gaúcha
VARIEDADES
Tchê Bistrô e Arte: enaltecendo a tradição gaúcha
VARIEDADES
A força buscada nos versos
VARIEDADES
Cavalos passarão por inspeção antes do desfile
VARIEDADES - Além da Guia de Transporte Animal (GTA), será exigida apresentação de comprovantes para verificar as condições de saúde do animal
CTG de Paredão entregará 500kg em doações
VARIEDADES
Segurança Pública será reforçada em 36 municípios
POLÍCIA - Municípios da região receberão um total de aproximadamente R$ 2 milhões
Assaf vai encarar a Assoeva nas quartas de final
ESPORTES

Extrema direita (II)

João Pedro Schmidt

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 29/11/2014

As forças de extrema direita mostraram-se mais explicitamente no contexto das eleições de 2014 do que em qualquer eleição recente. Vozes anti-governo, anti-PT e anti-Dilma passaram muito além da linha da oposição democrática. 

Corrupção, desordem e anti-comunismo foram a pauta predileta dos grupos extremistas – militares da reserva, grupos policiais, neonazistas, setores empresariais, setores da classe média e de estudantes, saudosistas do regime militar e outros mais. Seus principais porta-vozes nas eleições presidenciais foram Levy Fidelix e Pastor Everaldo; no Legislativo, os deputados Jair Bolsonaro, Flavio Bolsonaro (eleito), Marco Feliciano e Silas Malafaia. No segundo turno, como se sabe, todos emprestaram seu apoio a Aecio Neves. A direita dita moderada aceitou sem pestanejar o apoio da extrema direita. 
O PSDB e a oposição ora rejeitam, ora flertam com esses grupos. A impressão que ficou das eleições é que um “vale tudo” contra Dilma aproximou a centro direita e a extrema direita. Aí mora o perigo. O que preocupa não são propriamente os grupos extremistas e seus candidatos, por terem uma envergadura ainda modesta, e sim a aliança dos moderados com a extrema direita. Os extremistas estão conseguindo mais apoiadores ao difundir com êxito uma cultura anti-esquerda, cujo impulso é dado pela grande mídia (revista Veja, Globo, jornal Estado de São Paulo e outros veículos de linha mais liberal).
O avanço da extrema direita também tem a contribuição de intelectuais, jornalistas e artistas, incluindo personagens como Olavo de Carvalho, Arnaldo Jabor, Rodrigo Constantino e Lobão. A consistência teórica e estética deles pode ser discutida, mas não há dúvida de que emprestam um certo ar de “profundidade” a palavras de ordem que parecem tiradas do baú da Guerra Fria, como a suposta ameaça comunista ao país em razão da aproximação brasileira com Cuba e Venezuela e outros argumentos esdrúxulos.
Passadas as eleições, a tentativa de deslegitimar a vitória da Presidente Dilma levou essas forças às ruas, mesclando defensores do impeachment “legal” e de um novo golpe militar. Da caserna, mensagens de militares da reserva pregam sublevação e guerra civil. No Judiciário e no Ministério Público, algumas posturas dão a impressão de conivência com tais arroubos golpistas, por inação (salvo uma ou outra exceção) sendo exemplar o fato de “deixar por isso mesmo”(ou seja, apenas com um direito de resposta ao PT publicado de forma maquiada) a escandalosa tentativa de manipulação da revista Veja às vésperas da eleição. 
Não é bom para a democracia que se deixe sem reação as manifestações da extrema direita. A reincidência de movimentos de rua das hostes direitistas precisa ser respondida com mobilização muito maior dos democratas. Não se trata só de defender o governo, legitimamente eleito. É preciso defender o respeito às regras democráticas. Essa luta deve ser a luta de todos, à esquerda e à direita. Nessa hora, quando “a onça for beber água”, será possível ver quem é democrata e quem é golpista. Talvez essa hora não chegue, mas é bom estar com os olhos bem abertos.