Edição do dia 24/01/2020

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Brigada Militar prende suspeito com animal abatido
POLÍCIA
Saboreares: opção de qualidade o ano inteiro
EMPRESARIAL
Mecânica do Fernando: há nove anos prestando serviços de qualidade
EMPRESARIAL
Sabores deliciosos é na CremoLatto Sorvetes
EMPRESARIAL
O que você precisa saber sobre vagas para idosos e deficientes
GERAL
Cepru Unisc: Inscrições para Instrutor de Trânsito estão abertas
GERAL
Vegetação na Av. do Imigrante obstrui visão de motoristas
GERAL - Apesar de todo embelezamento, cidadãos reclamam que plantas prejudicam o trânsito
Mais seis escolas da rede municipal estão sendo revitalizadas
EDUCAÇÃO - Pintura interna e externa, aquisição de mobiliário, reforma nas quadras esportivas, instalação de playground, entre outros serviços estão sendo realizados
Vestibular solidário da Uninter ajuda escolas carentes
GERAL
Exposição fotográfica do Capsia está sendo realizada no Shopping Santa Cruz
VARIEDADES
O que o Novo Cemai terá de diferente?
SAÚDE
Campanha visa arrecadar material escolar
GERAL - Criada por um grupo de torcedores do Inter, ação se estende até o dia 15 de fevereiro
Brinqmania realiza festa beneficente para Juju
GERAL
Segunda edição do Bailinho da Borges está confirmada
VARIEDADES - O evento será realizado dia 15 de fevereiro, na Rua Borges do Medeiros
Literatura Brasileira dos Catarinenses
OPINIÃO
MP denuncia mais um vereador por 'rachadinha'
POLÍTICA - Alceu Crestani (PSDB) também teria mantido um funcionário fantasma em Monte Alverne
Aproveite seu verão no Park Nativo
GERAL
Novo valor da passagem gera controvérsia
ECONOMIA - Promotor de Defesa Comunitária vê espaço para cálculo com tarifa menor

Solidão, fator de doença

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 06/12/2014

A solidão é um dos graves problemas de saúde das sociedades ocidentais de nossos dias. Um problema muito mais grave do que comumente se pensa, conforme pesquisas interdisciplinares conduzidas por John Cacioppo, que incluem análises genéticas, imunológicas, endocrinológicas, de representação cerebral, comportamentais, cognitivas, de psicologia social e sociológicas, relatadas no livro “Solidão: a natureza humana e a necessidade de vínculo social” (Ed. Record, 2010).
As consequências da solidão incluem infelicidade, dores, aceleramento do declínio físico, do processo de envelhecimento e do mal de Alzheimer, incapacidade de pensar com clareza, impacto sobre a função cardiovascular, doenças cardíacas isquêmicas, doenças cerebrovasculares e circulatórias, respiratórias, gastrointestinais e câncer. Está em pé de igualdade com pressão alta, obesidade, falta de exercício e tabagismo como fator de risco para doenças e morte precoce. Aparece associada ao consumo de álcool, de comidas engordativas, à incidência de divórcios e a problemas de relacionamento familiar.
A solidão associada à doença não é o estar só por alguns momentos, que é muito comum e faz parte da vida.  A solidão que produz doença e infelicidade é de outra natureza: ela se caracteriza pela ausência de vínculos sociais significativos, ou seja, provém da ausência de vínculos que tenham um significado para a pessoa. Para evitá-la ou enfrentá-la não basta apenas estar ao lado de outros e ter muitos contatos superficiais. São necessárias conexões de alguma profundidade. Importa a qualidade das relações que estabelecemos.
Quando não temos vínculos significativos sentimos dor, uma “dor social”. Cacioppo assegura que essa expressão não é apenas de uma metáfora. Imagens feitas por ressonância magnética mostram que a região do cérebro que se ativa quando experimentamos a rejeição é a mesma região que registra as reações emotivas à dor física. E assim como a dor física nos avisa sobre perigos físicos, a dor social é sintoma de que algo não vai bem e um aviso sobre os perigos de permanecer isolado. É um estímulo para nos fazer prestar atenção à importância dos vínculos sociais, a procurar os outros para renovar laços desgastados ou rompidos.
As pesquisas científicas sobre a solidão, relacionando-as à doença e à infelicidade, comprovam a clássica tese filosófica de que o homem é um animal social, um animal gregário que vive em grupo assim como outros animais, mas vive junto de um modo peculiar, em vista do desenvolvimento da nossa razão e emoção em níveis distintos de outras espécies. Fazemo-nos humanos uns aos outros pela linguagem, pela reflexão e pelas conexões emocionais.
As ciências trazem sempre novos argumentos em favor da ideia de que natureza é vinculação. Ao longo de milhares de anos, a espécie humana não evolui com base em “genes egoístas” e sim com base em genes solidários. A história de nossa evolução é a história de círculos sociais cada vez mais amplos de cooperação social.
Os cientistas reforçam a sabedoria popular: viver em comunidade e ter amigos são pilares da vida saudável e feliz.