Edição do dia 15/10/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Shows tradicionalistas são atração desta quarta-feira na 35ª Oktoberfest
GERAL - Festa da Alegria terá apresentações do Grupo Fandangaço, às 20h, e Os Serranos, às 22h30, no Lonão
Dia do Professor: educação para a erradicação do trabalho infantil
GERAL - Conheça a história de dois profissionais que estão na linha de frente do programa ARISE, iniciativa que muda a realidade de crianças e adolescentes
Praça da Cultura levará o nome de José Paulo Rauber Filho
GERAL - Inauguração do local ocorreu no sábado, 12 e contou com a presença da família do homenageado
Terça-feira será de ponto facultativo nas escolas
GERAL - Além das escolas municipais e estaduais, algumas particulares também não terão aula neste dia
Dia do Eletricista é nesta quinta-feira
GERAL - Data marca a importância do profissional habilitado
Inscrições abertas para a Escola de Educação Infantil
GERAL - Há vagas gratuitas e pagas para crianças de 4 e 5 anos
Rodrigo Solda é o novo presidente
GERAL - Além dele, outros prefeitos foram empossados para a diretoria e conselho fiscal do biênio 2020/2021
Evento discute problemas do contrabando e a pirataria
GERAL - Palestra apresentou dados sobre as ameaças do mercado ilegal para a economia
Sicredi Vale do Rio Pardo enaltece o cooperativismo durante o desfile da 35ª Oktoberfest
GERAL
Quase 17 milhões já foram emprestados pelo município
GERAL
Primeiros dias de Oktoberfest superam 54,6 mil pessoas pagantes
GERAL - Semana segue repleta de atrações
Fala, professor!
EDUCAÇÃO - Especial Dia do Professor
Histórico da data
EDUCAÇÃO - Especial Dia do Professor
O profissional que dedica a sua vida a ensinar
EDUCAÇÃO - Especial Dia do Professor
O big bang é o Operacional Divino
OPINIÃO
Permitir não é obrigar
OPINIÃO
Caspary conta a sua história (parte II)
OPINIÃO
Terminou a primeira rodada da segunda fase
ESPORTES - Bom Jesus, São José e Formosa saíram na frente

O fim de uma fantasia

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 19/12/2014

Os que acreditam em democracia e torcem pelo seu êxito nos diversos continentes têm um motivo a mais para comemoração neste final de ano. O anúncio do reatamento das relações entre Estados Unidos e Cuba é um alento neste nosso mundo repleto de conflitos.
Por ora, não há motivos para otimismo excessivo com relação à reaproximação. O embargo econômico a Cuba não pode ser derrubado por ato administrativo do governo Obama: depende de maioria no Congresso, no qual os republicanos, adversários da aproximação, são majoritários. Mas, as reações favoráveis, interna e externamente, indicam o apoio ao reatamento das relações, rompidas em 1961 no contexto da Guerra Fria.
O fim das hostilidades entre Estados Unidos e Cuba tem um significado histórico: é uma espécie de “queda do muro de Berlim” na América Latina. Representa o fim de uma visão obscurantista difundida especialmente pelo lado mais forte, o norte-americano, acerca da suposta ameaça comunista que os cubanos continuariam a representar.
No Brasil, como se viu ao longo da campanha presidencial, setores da extrema direita conseguiram muitos adeptos para a teoria estapafúrdia de que o governo Dilma mantinha relações suspeitas com o regime cubano por razões ideológicas, representando uma ameaça comunista para o país. Os investimentos do governo brasileiro no porto cubano de Mariel, através do BNDES, seriam a principal “prova do crime”.
A nossa mídia graúda fez eco a essa versão primitiva. O “bolivarianismo” seria a versão comunista dos dias atuais: além de Cuba, a estratégia esquerdista contaria com o protagonismo dos governos da Venezuela e da Bolívia. A vinda dos médicos cubanos ao Brasil esteve cercada por esse ambiente de suspeição e hostilidade. Tal visão tende agora a se tornar alvo de chacota. Afinal, alguém tem coragem de considerar o governo Obama um simpatizante do regime cubano ou uma extensão bolivarianista?
A decisão de Obama põe uma pá de cal na fantasia anti-comunista. E mostra que a linha política e econômica do governo Dilma é correta em relação a Cuba. Desde Lula, a política externa do país vem sendo guiada pelo princípio da ampliação das relações com países dos diversos continentes, desvencilhando-se da extrema dependência em relação aos Estados Unidos e à União Europeia. Comportando-se como a maior potência da América do Sul, disposta a assumir papel de liderança junto aos vizinhos, o Brasil vem mantendo sua autonomia em relação à influência norte-americana. Os resultados econômicos e políticos mostram o acerto dessa linha de atuação.
Os investimentos no Porto de Mariel são um “golaço”, conforme a reportagem do jornal Folha de São Paulo. Trarão mais retorno econômico ao país no curto prazo do que se previa, pois Mariel é o entreposto mais próximo do imenso mercado norte-americano, de grande importância para o Brasil e para todos os países latino-americanos. Não se trata de ideologia. São negócios. Negócios bons para os vários lados. Quem fantasiou que isso era comunismo já sabe: é hora de reciclar os conceitos.