Edição do dia 20/08/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Lançamento da 32ª edição acontece hoje à noite
VARIEDADES - Com o tema Literatura em Rede, a Feira do Livro ocorre entre os dias 4 a 10 de setembro na Praça Getúlio Vargas
Aula inaugural marca início da primeira turma da Escola de Gestão
GERAL
Missão em Israel é tema de aula inaugural na Unisc
ECONOMIA
1º Seminário Desafios do Empreendedor ocorre em Santa Cruz do Sul
GERAL - O evento será realizado dia 29 de agosto, no Hotel Charrua
Santa Cruz receberá desafio de carros superesportivos
GERAL - Encontro ocorre no feriado, de 7 de setembro, no Aeroporto Luiz Beck da Silva, em Linha Santa Cruz. Provas reunião carros superesportivos de alto desempenho
Professor da Unisc lança documentário sobre cicloviagem na Carretera Austral
GERAL
Entenda a guerra contra o cigarro no Brasil
GERAL - Tentativas frustradas de favorecer o setor e impasses judiciais têm causado preocupação
Hidroginástica: Sesc oferece aulas em parceria com a Raia 7 Centro Aquático
GERAL
Copa HB20: Sena Jr. vence e Roncen chega em 7º
ESPORTES
MB Challenge: Correndo em casa, Fernando Jr. conquista pódio
ESPORTES
Lifasc: Semifinalistas definidos
ESPORTES
Assaf sofre derrota em Venâncio Aires
ESPORTES
Avenida chega na semana de estreia na Copinha
ESPORTES
Cras Integrar do Bairro Bom Jesus realizou formatura de inglês
EDUCAÇÃO
Abertas inscrições para Reunião sobre Plantas Bioativas
GERAL
Palavra puxa Palavra é tema de evento
GERAL
Mais de 900 mil reais serão investidos
GERAL - Valor será aplicado em livros e praça de brinquedos
Rodada aborda a Lei de Proteção de Dados
GERAL

O fim de uma fantasia

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 19/12/2014

Os que acreditam em democracia e torcem pelo seu êxito nos diversos continentes têm um motivo a mais para comemoração neste final de ano. O anúncio do reatamento das relações entre Estados Unidos e Cuba é um alento neste nosso mundo repleto de conflitos.
Por ora, não há motivos para otimismo excessivo com relação à reaproximação. O embargo econômico a Cuba não pode ser derrubado por ato administrativo do governo Obama: depende de maioria no Congresso, no qual os republicanos, adversários da aproximação, são majoritários. Mas, as reações favoráveis, interna e externamente, indicam o apoio ao reatamento das relações, rompidas em 1961 no contexto da Guerra Fria.
O fim das hostilidades entre Estados Unidos e Cuba tem um significado histórico: é uma espécie de “queda do muro de Berlim” na América Latina. Representa o fim de uma visão obscurantista difundida especialmente pelo lado mais forte, o norte-americano, acerca da suposta ameaça comunista que os cubanos continuariam a representar.
No Brasil, como se viu ao longo da campanha presidencial, setores da extrema direita conseguiram muitos adeptos para a teoria estapafúrdia de que o governo Dilma mantinha relações suspeitas com o regime cubano por razões ideológicas, representando uma ameaça comunista para o país. Os investimentos do governo brasileiro no porto cubano de Mariel, através do BNDES, seriam a principal “prova do crime”.
A nossa mídia graúda fez eco a essa versão primitiva. O “bolivarianismo” seria a versão comunista dos dias atuais: além de Cuba, a estratégia esquerdista contaria com o protagonismo dos governos da Venezuela e da Bolívia. A vinda dos médicos cubanos ao Brasil esteve cercada por esse ambiente de suspeição e hostilidade. Tal visão tende agora a se tornar alvo de chacota. Afinal, alguém tem coragem de considerar o governo Obama um simpatizante do regime cubano ou uma extensão bolivarianista?
A decisão de Obama põe uma pá de cal na fantasia anti-comunista. E mostra que a linha política e econômica do governo Dilma é correta em relação a Cuba. Desde Lula, a política externa do país vem sendo guiada pelo princípio da ampliação das relações com países dos diversos continentes, desvencilhando-se da extrema dependência em relação aos Estados Unidos e à União Europeia. Comportando-se como a maior potência da América do Sul, disposta a assumir papel de liderança junto aos vizinhos, o Brasil vem mantendo sua autonomia em relação à influência norte-americana. Os resultados econômicos e políticos mostram o acerto dessa linha de atuação.
Os investimentos no Porto de Mariel são um “golaço”, conforme a reportagem do jornal Folha de São Paulo. Trarão mais retorno econômico ao país no curto prazo do que se previa, pois Mariel é o entreposto mais próximo do imenso mercado norte-americano, de grande importância para o Brasil e para todos os países latino-americanos. Não se trata de ideologia. São negócios. Negócios bons para os vários lados. Quem fantasiou que isso era comunismo já sabe: é hora de reciclar os conceitos.