Edição do dia 19/07/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Domingo tem Brique da Praça
GERAL
Unisc forma 16ª turma de Medicina
GERAL
Stock: Nelsinho Piquet corre pela primeira vez em Santa Cruz do Sul
ESPORTES - Piloto da equipe Texaco Full Time Sports terá experiência inédita neste fim de semana na pista gaúcha
Edição de inverno do curso Escola de formação de professores tem início na Unisc
EDUCAÇÃO
Audiência pública debate alterações no Plano Diretor
GERAL
Quatro cidades gaúchas
VARIEDADES - Quarta temporada de 'O professor pelado' tem reestreia repaginada
Domingo tem etapa da 5ª Olimpíada Rural
GERAL - Esse será o primeiro compromisso oficial das 14 candidatas a soberanas da 35ª Oktoberfest
Copa Seu Verardi
ESPORTES - Uma semana de treinos no Avenida
Rodada desta sexta vai apontar os semifinalistas
ESPORTES
Em jogo duas vagas no mata-mata da Copa CFC Celso
ESPORTES
Assaf joga nesta sexta-feira em Santa Maria
ESPORTES - Jogo foi alterado em virtude do Grenal neste sábado
Stock Car: Quinta etapa é neste final de semana
ESPORTES - Serão dois dias de atividades sem a companhia da Stock Light
Renomada professora do Serviço Social estará em Santa Cruz
GERAL
Novo Cabrais: Escola lança livro de receitas saudáveis
EDUCAÇÃO
Novo Cabrais: Pimenta visita obras e reafirma apoio ao município
GERAL - Deputado federal participou de almoço e conferiu de perto a pavimentação da Avenida Rodolfo Buss
Ascor e Prefeitura planejam nova exposição
GERAL
Colégio Mauá assume gestão da Escola Criança & Cia
EDUCAÇÃO
Prefeitura anuncia restauração do prédio
GERAL - Marcando a decisão, muda de árvore também foi plantada por alunos da rede de ensino municipal

Duas faces do Natal

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 26/12/2014

O Natal é hoje em dia mais a festa do Papai Noel do que a do aniversário de Jesus. O Papai Noel é aquele bom velhinho que nos leva a associar a felicidade de crianças, familiares, amigos e necessitados com os presentes que lhes proporcionamos. Essa concepção não é inteiramente ruim, pois dar presentes faz bem para quem dá e para quem recebe, mas é um evidente convite ao consumismo. E o principal: nada tem a ver com o aniversário de Jesus.
O aniversariante menino Jesus foi um menino pobre, nascido em uma cidade sem importância econômica e política (Belém), numa manjedoura (cocho), sem o mínimo conforto. Seus pais, Maria e José, não tinham estudos nem posses, e nas atuais estratificações sociais seriam provavelmente classificados na classe D.
Esse menino, segundo o relato dos Evangelhos, era filho de Deus. Sua chegada havia sido anunciada previamente por anjos a sua mãe e por eles confirmada a pastores no dia do nascimento. Jesus seria o Messias, o Salvador aguardado pelos judeus.
Cá pra nós: uma história difícil de acreditar, que só faz sentido à luz da fé. Então Deus teria submetido seu Filho a duras intempéries desde o nascimento? Com todo seu poder, não teria providenciado ao menos uma família de classe média para recepcioná-lo, com uma casa confortável, uma parteira experiente e condições de higiene condizentes com a época? E nascer numa manjedoura, símbolo de abandono?
Segundo a fé cristã, a vida de Jesus começou difícil e terminou pior, pregado numa cruz. Uma história de sofrimentos. Somos herdeiros de uma fé cujo centro é a vida e mensagem de um Salvador que não foi um super-herói, não castigou os maus nem premiou os bons com um simples olhar, não resolveu os problemas humanos mais complicados num passe de mágica. Jesus contrariou as expectativas de potência, força e glória que cercavam a expectativa do Messias entre os judeus, cuja maioria o rejeitou.
Afora alguns milagres, o que deu notoriedade a Jesus foi a sua mensagem de amor, de igualdade e de inclusão, dirigida em primeiro lugar aos pobres e aos fracos, com críticas duras aos ricos e poderosos, mas com abrangência universal: todos somos filhos do mesmo Deus, todos somos irmãos. As primeiras comunidades cristãs viveram essa mensagem na sua radicalidade: dividiam os bens entre todos, as mulheres eram tratadas com dignidade e não havia senhores nem escravos.
Essa mensagem foi revolucionária. Seu caráter universal possibilitou que o cristianismo se expandisse mundo afora, ultrapassando os limites de classes, de países e de culturas. Nessa expansão, a mensagem cristã foi sendo relida e reinterpretada. Muitas reinterpretações feriram o núcleo da mensagem original de Jesus. É o caso do Natal do Papai Noel. Esse tipo de comemoração nada tem nada a ver com a concepção cristã original.
Seria melhor se tivéssemos duas festas: a Festa dos Presentes, cujo símbolo seria o Papai Noel, e a Festa do Natal, comemorando o aniversário de Jesus.