Edição do dia 11/10/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Nota sobre as medidas de Leite - CPERS/Sindicato
GERAL - CPERS AVALIA MEDIDAS DE LEITE COMO PREJUDICIAIS
Exposição de Quadros das Soberanas fica aberta até dia 20 na Casa das Artes
VARIEDADES
Seguro? Só com corretor registrado
ESPECIAIS
Rotaract sedia olimpíada germânica
ECONOMIA - Competição visa promover integração entre os clubes do distrito rotário
Eduardo Leite discute pacote de reformas do funcionalismo
POLÍTICA
TecnoUnisc oferece oportunidades de inovação às empresas
EMPRESARIAL
Evento reúne grandes profissionais da arquitetura
VARIEDADES - 3ª Mostra de Arquitetura de Interiores acontece desde o dia 08 para convidados
Assembleia aprova a proibição de taxa em boletos
POLÍTICA - Maioria dos deputados estaduais votaram pelo fim da tarifa de emissão de boletos
Acordo define votação da Reforma da Previdência para dia 22
POLÍTICA
Programe-se para o feriado
GERAL
Dicas de presente especiais
ESPECIAIS - Neste Dia das Crianças proporcione aos pequenos cultura e educação
A realização do sonho
VARIEDADES - Samanta Heinen conquistou também vaga para concurso nacional
CremoLatto abre mais uma sorveteria
GERAL
Fim de semana tem o início da segunda fase
ESPORTES
Avenida empata em casa e se complica na Copinha
ESPORTES - Time fez uma grande partida, mas não matou o jogo
Torneio Internacional vai movimentar Oktober
ESPORTES - Competições iniciam nesta sexta e seguem até domingo, 13, no Centro Cultural 25 de Julho
Santa Cruz goleia dentro de casa e assume liderança
ESPORTES
1º Fórum acontece neste sábado
SAÚDE - Evento vai esclarecer fatores relativos à doença, tratamentos, bem-estar e direito dos pacientes

Regulação da mídia na terra dos oligopólios

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 17/01/2015

Na terra dos oligopólios, o Brasil, em que a grande mídia está concentrada em mãos de poucas famílias, uma lei para regular os meios de comunicação é fundamental. Lei democrática, que assegure a comunicação como direito da sociedade e não como meio de lucro.
Há regulação da mídia em inúmeros países capitalistas. Nos Estados Unidos, os donos de empresas de jornais e revistas não podem controlar canais de rádio e TV. Na França, a lei proíbe que grupos de mídia controlem mais do que 30% da mídia impressa diária e há previsão legal de participação da sociedade civil na mídia. A Inglaterra decidiu criar um órgão regulador e outro ouvidor. Na Suécia, a publicidade dirigida a crianças é proibida.
No Brasil, a Constituição Federal tem vários dispositivos para o controle democrático da mídia, que nunca foram regulamentados. O artigo 220 proíbe monopólio ou oligopólio na comunicação, mas a Globo tem mais da metade do mercado de TV aberta. O artigo 221 define que a produção regional e independente devem ser estimuladas, mas 98% de toda produção de TV no país é feita no eixo Rio-São Paulo, pelas emissoras de radiodifusão. O artigo 223 estabelece a complementaridade entre os setores de comunicação pública, privada e estatal, mas a imensa maioria do espectro de radiodifusão é ocupada por canais privados com fins lucrativos. Os artigos 54 e 55 determinam que políticos não podem ser dirigentes de concessionárias de serviço público, mas 271 integrantes do Congresso Nacional tem participação em negócios da mídia.
A lei de regulamentação da mídia deve, finalmente, enfrentar os oligopólios. E incidir no conteúdo, limitando-o ao compatível com a democracia. Como defende a Unesco, a lei deve conter regras que assegurem a diversidade cultural, proibir incitação ao ódio, à discriminação e ao crime; deve impedir a propaganda enganosa, os conteúdos nocivos a crianças e adolescentes e proteger a cultura nacional. Essas orientações gerais estão longe daquilo que os oligopólios costumam caracterizar como “censura”. São orientações éticas a serem obedecidas.
A classificação indicativa dos programas, que informa a faixa etária apropriada para determinado tipo de conteúdo e em que horário ele deve ser exibido, é uma regulação fundamental do conteúdo. A vedação da publicidade direcionada a crianças, também.
Em matéria política, a lei deve assegurar plena liberdade de expressão. Todos devem ser livres para opinar. E responsáveis pela sua opinião. Quem acusar, ofender, divulgar inverdades e provocar danos deve arcar com as consequências. Reincidência deve levar ao fechamento do “negócio”, como fez a Inglaterra com um jornal do empresário Rupert Murdoch. Simples assim.
Comunicação é algo tão importante para a democracia que não pode ficar nas mãos do mercado, nem ser instrumento do governo, nem refém de algum setor particular da sociedade. Conselhos de Comunicação (nacionais, estaduais, municipais), integrados por diferentes segmentos sociais, serão mecanismo essencial para assegurar que a nova lei da imprensa se oriente pelo paradigma do equilíbrio entre Estado, comunidade e mercado.