Edição do dia 20/08/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Lançamento da 32ª edição acontece hoje à noite
VARIEDADES - Com o tema Literatura em Rede, a Feira do Livro ocorre entre os dias 4 a 10 de setembro na Praça Getúlio Vargas
Aula inaugural marca início da primeira turma da Escola de Gestão
GERAL
Missão em Israel é tema de aula inaugural na Unisc
ECONOMIA
1º Seminário Desafios do Empreendedor ocorre em Santa Cruz do Sul
GERAL - O evento será realizado dia 29 de agosto, no Hotel Charrua
Santa Cruz receberá desafio de carros superesportivos
GERAL - Encontro ocorre no feriado, de 7 de setembro, no Aeroporto Luiz Beck da Silva, em Linha Santa Cruz. Provas reunião carros superesportivos de alto desempenho
Professor da Unisc lança documentário sobre cicloviagem na Carretera Austral
GERAL
Entenda a guerra contra o cigarro no Brasil
GERAL - Tentativas frustradas de favorecer o setor e impasses judiciais têm causado preocupação
Hidroginástica: Sesc oferece aulas em parceria com a Raia 7 Centro Aquático
GERAL
Copa HB20: Sena Jr. vence e Roncen chega em 7º
ESPORTES
MB Challenge: Correndo em casa, Fernando Jr. conquista pódio
ESPORTES
Lifasc: Semifinalistas definidos
ESPORTES
Assaf sofre derrota em Venâncio Aires
ESPORTES
Avenida chega na semana de estreia na Copinha
ESPORTES
Cras Integrar do Bairro Bom Jesus realizou formatura de inglês
EDUCAÇÃO
Abertas inscrições para Reunião sobre Plantas Bioativas
GERAL
Palavra puxa Palavra é tema de evento
GERAL
Mais de 900 mil reais serão investidos
GERAL - Valor será aplicado em livros e praça de brinquedos
Rodada aborda a Lei de Proteção de Dados
GERAL

A saída para o terrorismo é política, não militar

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 07/02/2015

O atentado ao jornal francês Charlie Hebdo não deve nos conduzir à ideia simplista de que há uma guerra entre Ocidente e Oriente, civilização cristã e muçulmana, ou outras simplificações. A análise do cientista político Benjamin Barber na obra “Jihad x McMundo” (Record, 2003) mostra que o embate de fundo é entre as forças do capitalismo globalizante e as forças contrárias a esse capitalismo excludente. E que a verdadeira solução para o terrível fenômeno do terrorismo é a relação democrática entre as nações e uma ordem econômica includente.
O que temos hoje é a polarização entre duas forças igualmente anti-democráticas. O lado das potências capitalistas, promotoras da globalização (McMundo) e o lado das forças do tribalismo e do fundamentalismo reacionário (Jihad). As forças tribalistas não estão apenas em países distantes: estão também dentro dos países avançados, abrigados em movimentos de defesa das comunidades locais, etnias, etc. Mas, é no islã e no fundamentalismo muçulmano que estão as expressões mais fortes da Jihad, onde há uma disposição férrea de enfrentar a cultura ocidental. Esse é o berço principal do terrorismo atual.
A relação das potências ocidentais com esse mundo complexo do islamismo tem sido desastrosa, para dizer o mínimo. As intervenções e guerras, em grande parte motivadas por interesses econômicos ligados ao petróleo, vêm colocando gasolina no fogo alto dos conflitos e atiçando o ódio contra os Estados Unidos e seus aliados.
Esses conflitos políticos e militares são parte da globalização contraditória em curso. Enquanto a globalização mantiver suas características excludentes, parte importante das populações pobres continuará odiando as potências capitalistas, especialmente os Estados Unidos, e aplaudirá os ataques terroristas, vendo nos terroristas agentes da vingança dos pobres contras os ricos, das vítimas contra os algozes. O terrorismo é legitimado por parcela dos oprimidos mundo afora.
A saída para o terrorismo é política. É pela construção da democracia que esse mal pode ser vencido. Mas, é possível globalizar a democracia no atual contexto da globalização econômica? É difícil, e é necessário. Está em jogo a disputa da alma dos jovens, divididos entre os apelos tecnológicos e as delícias vazias do capitalismo (McMundo) e a reação aos valores capitalistas e afirmação das identidades tradicionais (Jihad).
Superar essa polaridade não é tarefa simples, nem rápida. Quem pode impulsionar as mudanças em favor de uma democracia global? A globalização da democracia não virá dos mercados, pois os mercados por si não são próprios para gerar dinâmicas democráticas. Também não será impulsionada pelos Estados nacionais hoje existentes, pois o poder governamental está entrelaçado com os poderosos interesses econômicos que vêm dirigindo a globalização. A tarefa da globalização democrática depende fortemente de uma sociedade civil global.
A construção dessa sociedade civil global é tarefa para muitos anos. Há meios tecnológicos para viabilizá-la e há movimentos em seu favor. A tarefa lenta e difícil é construir uma cultura política democrática cosmopolita, que veja as diferenças como diferenças, não como razão para ódio e guerra.