Edição do dia 18/10/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Os últimos dias da 35ª Oktoberfest
VARIEDADES - Confira o que aconteceu nesta semana e o que vai movimentar o fechamento da festa
1ª Semana Lixo Zero: Tudo pronto na programação
GERAL - Objetivo é incluir o município na lista de cidades com o título Lixo Zero, concedida pelo ILZ
Menos barulho nas comemorações de fim de ano
GERAL - Assembleia Legislativa aprovou dois projetos referentes ao uso de fogos de artifício
Evento apresenta o que há de melhor em arquitetura
GERAL - Os ambientes foram decorados por profissionais renomados
Equipe do Colégio Mauá se destaca no Nacional
GERAL
Novo Cabrais: Novas soberanas serão conhecidas nesta sexta
VARIEDADES
Novo Cabrais: Uma história que se constrói a cada dia
GERAL - Município comemora 23 anos de emancipação político-administrativa com desenvolvimento e progresso
Novo Cabrais: Saúde realiza atividade de prevenção
SAÚDE
Novo Cabrais: Feira de Saúde terá palestras sobre depressão e suicídio
SAÚDE - Evento tratará tema que vem em crescente demanda no município e na região e também oferecerá serviços gratuitos
Empregar RS disponibilizará 50 vagas
GERAL
Marcel Knak é o novo coordenador
GERAL - Ele será responsável por atender 23 municípios da região
Fios de Esperança: um ato de amor
GERAL - Projeto voluntário promove a autoestima e melhora a qualidade de vida de pacientes com câncer
Dia do médico: Celebre o profissional que cuida da sua saúde
ESPECIAIS
Dia do pintor: Eles dão mais cor ao nosso mundo
ESPECIAIS
Farsul em Campo: Seminário teve um dia repleto de atividades
GERAL - Evento contou com a participação de aproximadamente 150 pessoas
Pompéia de cara nova
EMPRESARIAL - A loja ampliou o espaço e o mix de produtos
Influencers Live Show: Gravações iniciam na próxima semana
GERAL - O programa vai ao ar a partir do dia 2 de novembro
Entrega de recursos ocorre na próxima terça-feira
GERAL

Os pobres pagam mais impostos

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 14/02/2015

Há vários encargos desagradáveis que a vida em sociedade nos coloca. Entre elas, os impostos, que são a contrapartida dos nossos direitos e dos serviços públicos prestados pelo Estado.
Sendo algo forçoso, que os impostos sejam justos. Sinteticamente, justiça tributária significa que quem tem mais deve pagar mais, quem tem menos deve pagar menos.
Estamos longe da justiça tributária. A injustiça maior não está no tamanho da nossa carga tributária. A carga tributária brasileira está em torno de 36% do PIB, um índice médio-alto no cenário internacional, mas inferior ao da maioria dos países cujo Estado de Bem Estar procuramos alcançar, como os europeus, onde os índices oscilam entre 40% e 50% do PIB, com a relevante observação de que muitos de seus serviços públicos são bem melhores.
A maior injustiça tributária no Brasil está mesmo no fato de que os pobres pagam proporcionalmente bem mais impostos que a classe média e muito mais que os ricos. É o que se chama de “sistema regressivo”. Aqui, quem ganha mais paga proporcionalmente menos impostos, e quem ganha menos paga mais.
Dados do IPEA mostram que os 10% mais pobres da população brasileira gastam 32% de sua renda com impostos, ao passo que os 10% mais ricos gastam 21%. Com metodologia distinta, pesquisa da FIPE indicou que quem ganhava até dois salários mínimos gastava 48,8% de seus rendimentos pagando tributos e quem recebia mais de trinta salários gastava 26,3%. Estudos recentes indicam que, apesar da redução do quadro de desigualdades, a situação tributária não mudou em nada.
Esses dados desfazem o mito de que pobre não paga imposto no Brasil, e que ele se beneficia de programas sociais e de serviços públicos bancados pelos impostos pagos pela classe média e pelos ricos. O que os dados mostram é que os pobres pagam muito, a classe média paga bastante e os ricos pagam muito pouco imposto.
A causa maior da regressividade é o grande peso dos impostos indiretos, que incidem sobre a produção e a comercialização de produtos e serviços, como ICMS, IPI, PIS-Cofins, repassados ao consumidor. Eles representam quase 50% da carga tributária brasileira.
Em países desenvolvidos, os impostos sobre a renda, o lucro e o patrimônio têm mais peso. É por aí que caminha a justiça tributária. No caso brasileiro, isso significa rever os índices e alíquotas de tributos como o IPTU, o IPVA, o Imposto de Renda e criar o imposto sobre grandes fortunas (previsto na Constituição e nunca regulamentado). Os grandes terrenos para especulação nas cidades devem ter alíquotas maiores (IPTU progressivo). Os carros de luxo, os iates e os jatinhos devem pagar IPVA maior que os veículos simples. O imposto de renda dos ricos deve ser muito maior que a alíquota de 27,5% que a classe média paga.
Mexer nos tributos é mexer num vespeiro. Precisa ter vontade política e apoio popular. Estamos ainda longe da reforma tributária, mas já é hora de acabar com os mitos e as enganações.