Edição do dia 19/06/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Copa CFC Celso tem rodada em Alto Linha Santa Cruz, no domingo
ESPORTES - Líder João Alves encara o Rio Pardinho na primeira partida da tarde
Mundial Unisc de futsal feminino ocorre neste final de semana
ESPORTES
Copa Cidade: Esmeralda vence o Unidos da Villa
ESPORTES - Jogo aconteceu no estádio da Timbaúva, no Arroio Grande
Portaria amplia setores com trabalho permanente no domingo e feriado
GERAL - A portaria está publicada no Diário Oficial desta quarta-feira
Brasil empata com a Venezuela pela Copa América: 0 a 0
ESPORTES - Líder do Grupo A, Canarinho volta a campo sábado (22), contra o Peru
'Joga Pouco, Ajuda Muito' acontece nesta quinta
ESPORTES
Segundona Gaúcha: Presidente do Galo lamenta desclassificação
ESPORTES
Série D do Brasileiro: Avenida segue forte
ESPORTES - Direção espera estádio lotado para decidir vaga no segundo jogo, em casa, contra o Caxias
Computação Desplugada é realidade em escolas públicas de Santa Cruz do Sul
EDUCAÇÃO - Material didático do projeto Computação na Educação foi lançado na tarde desta terça-feira, 18, na Unisc
Ensino das escolas é discutido em todo o país
EDUCAÇÃO
Thiago Porto: enaltecendo a cultura santa-cruzense
VARIEDADES - Com mais de um milhão de visualizações no YouTube músico se prepara para mais um lançamento
Restaurante Mafalda: há 18 anos servindo gastronomia de qualidade
GERAL - O estabelecimento conta com buffet tradicional e buffet para viandas
Oficina de Apoio às Famílias será na próxima terça-feira
GERAL - O Riovale Jornal entrevistou a advogada Dra. Andjanete L. Mess Hashimoto, que explica o procedimento das atividades
Câmara aprova projeto de segurança
GERAL
Mercur chega aos 95 anos com livro publicado
EMPRESARIAL - Curso para inspirar um mundo mais colaborativo também foi disponibilizado
Corpus Christi: Fé e arte para celebrar a data
RELIGIÃO - Celebração inicia às 9 horas com missa na Catedral São João Batista e após procissão segue pelas principais ruas
Quem é contra a reforma da Previdência Social não é contra o Brasil
OPINIÃO
Um novo INSS
OPINIÃO

Os pobres pagam mais impostos

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 14/02/2015

Há vários encargos desagradáveis que a vida em sociedade nos coloca. Entre elas, os impostos, que são a contrapartida dos nossos direitos e dos serviços públicos prestados pelo Estado.
Sendo algo forçoso, que os impostos sejam justos. Sinteticamente, justiça tributária significa que quem tem mais deve pagar mais, quem tem menos deve pagar menos.
Estamos longe da justiça tributária. A injustiça maior não está no tamanho da nossa carga tributária. A carga tributária brasileira está em torno de 36% do PIB, um índice médio-alto no cenário internacional, mas inferior ao da maioria dos países cujo Estado de Bem Estar procuramos alcançar, como os europeus, onde os índices oscilam entre 40% e 50% do PIB, com a relevante observação de que muitos de seus serviços públicos são bem melhores.
A maior injustiça tributária no Brasil está mesmo no fato de que os pobres pagam proporcionalmente bem mais impostos que a classe média e muito mais que os ricos. É o que se chama de “sistema regressivo”. Aqui, quem ganha mais paga proporcionalmente menos impostos, e quem ganha menos paga mais.
Dados do IPEA mostram que os 10% mais pobres da população brasileira gastam 32% de sua renda com impostos, ao passo que os 10% mais ricos gastam 21%. Com metodologia distinta, pesquisa da FIPE indicou que quem ganhava até dois salários mínimos gastava 48,8% de seus rendimentos pagando tributos e quem recebia mais de trinta salários gastava 26,3%. Estudos recentes indicam que, apesar da redução do quadro de desigualdades, a situação tributária não mudou em nada.
Esses dados desfazem o mito de que pobre não paga imposto no Brasil, e que ele se beneficia de programas sociais e de serviços públicos bancados pelos impostos pagos pela classe média e pelos ricos. O que os dados mostram é que os pobres pagam muito, a classe média paga bastante e os ricos pagam muito pouco imposto.
A causa maior da regressividade é o grande peso dos impostos indiretos, que incidem sobre a produção e a comercialização de produtos e serviços, como ICMS, IPI, PIS-Cofins, repassados ao consumidor. Eles representam quase 50% da carga tributária brasileira.
Em países desenvolvidos, os impostos sobre a renda, o lucro e o patrimônio têm mais peso. É por aí que caminha a justiça tributária. No caso brasileiro, isso significa rever os índices e alíquotas de tributos como o IPTU, o IPVA, o Imposto de Renda e criar o imposto sobre grandes fortunas (previsto na Constituição e nunca regulamentado). Os grandes terrenos para especulação nas cidades devem ter alíquotas maiores (IPTU progressivo). Os carros de luxo, os iates e os jatinhos devem pagar IPVA maior que os veículos simples. O imposto de renda dos ricos deve ser muito maior que a alíquota de 27,5% que a classe média paga.
Mexer nos tributos é mexer num vespeiro. Precisa ter vontade política e apoio popular. Estamos ainda longe da reforma tributária, mas já é hora de acabar com os mitos e as enganações.