Edição do dia 17/09/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Seminário Empretec acontece em Santa Cruz do Sul
GERAL - O evento, que está com inscrições abertas, é promovido pelo Sebrae RS e acontecerá de 30/09 a 05/10
Sem meio-campo, Inter agora soma 9 vices nacionais
ESPORTES - Time gaúcho perdeu a Copa do Brasil dentro de casa para o Athletico/PR, campeão inédito do torneio
9ª edição do Open Extreme Brasil enaltece a história das danças urbanas
VARIEDADES - Grandes nomes das danças urbanas do Brasil ministram aulas neste fim de semana
Saúde reforça para o cuidado contra sífilis
SAÚDE
Gravidez na adolescência: número de casos diminui, mas ainda preocupa
GERAL
Semana Municipal de Educação no Trânsito é aprovada pela Câmara
GERAL - Iniciativa é do vereador Alberto Heck (PT) que destaca a destinação de recursos para a realização de uma semana de conscientização por um trânsito mais seguro
Projeto de alunas do Senac Santa Cruz do Sul ajuda na diminuição do uso de sacolas plásticas
GERAL
Conselho lança o Polo dos Vales
GERAL
ENTRE QUATRO: Encenação acontece hoje e amanhã
VARIEDADES
RECEITA FEDERAL: Nova sede atenderá a partir de 8 de outubro
GERAL - Além da Delegacia da Receita Federal, a Procuradoria Geral da Fazenda também deve ocupar o espaço
Fentifumo inicia pauta de negociação
GERAL - Primeira reunião com a Federação e os Sindicatos ocorre na próxima quinta-feira
Otelio Drebes realiza palestra a professores
EDUCAÇÃO
Semana do Ministério Público começa hoje
GERAL - Promotores do caso Bernardo Boldrini estarão presentes
Reunião sobre Plantas Biotivas inicia hoje
GERAL
Prefeitura lança Alvará Digital
GERAL - A partir de agora, o documento pode ser feito em poucas horas, sem precisar sair de casa
Educar-se e Centro de Línguas promovem imersão bilíngue
EDUCAÇÃO
Sincotec-Varp realiza capacitação nesta quarta
GERAL
Projeto vai apresentar Santa Cruz e a 35ª Oktoberfest
VARIEDADES - Nos dois sábados da Festa da Alegria, ônibus sairão de Porto Alegre, Caxias do Sul e Santa Maria

Comunidade do presente e do futuro

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 11/04/2015

A necessidade de comunidade é inerente ao ser humano em todas as épocas. Compartilhar afeto e valores, ter um teto, sentir-se abrigado e seguro sob um teto comum, eis expectativas que nem o Estado nem o mercado conseguem suprir.
A rejeição ao passado e a decepção com a política e com o Estado levou certos entusiastas do mercado à ilusão de que o setor privado poderia suprir a necessidade de comunidade. Uma ilusão, reconhece Peter Drucker, um dos maiores expoentes da administração moderna. No livro “A Comunidade do Futuro” (Ed. Futura, 1998) ele diz que “eu realmente já acreditei que poderia e o faria” substituir a comunidade de vida por uma versão privada, a “comunidade fabril autogovernada”. Ledo engano.
Peter Drucker endossa aquilo que muitos filósofos, teólogos e pensadores políticos afirmaram ao longo da tradição ocidental e o comunitarismo veio a retomar com ênfase nas últimas três décadas: é o terceiro setor ou a sociedade civil (comunidades, organizações não governamentais e não empresariais, redes de cidadãos) que pode suprir as necessidades da vida comunitária. Hoje, cada vez mais, são indispensáveis comunidades para cidadãos urbanos e para trabalhadores do conhecimento altamente instruídos.
A linha de pensamento do grande teórico da administração não é nostálgica: é inviável reviver as comunidades tradicionais, agrárias; é preciso criar algo que não existiu outrora, comunidades condizentes com o modo de vida urbano, o ambiente no qual vive boa parte dos cidadãos de hoje. Tal é a perspectiva do comunitarismo democrático, que reflete sobre e incentiva formas comunitárias de vida adequadas ao nosso tempo.
Um desafio básico das comunidades atuais é equilibrar a liberdade pessoal com as exigências coletivas. Grande parte das comunidades históricas restringiu excessivamente a liberdade individual: onde todos se conhecem facilmente, todos se vigiam, dão palpites e interferem na privacidade alheia. Esse é o lado opressivo da comunidade. O lado positivo é a ajuda mútua, a solidariedade, a proteção às crianças e aos necessitados e outros aspectos derivados dos laços sociais fortes que cimentam a vida comunitária.
As comunidades de hoje não podem pretender combater o individualismo reinstaurando algum tipo de coletivismo. Vai contra a “natureza” (na verdade contra a “cultura” disseminada ao longo dos últimos séculos) de grande parte dos cidadãos modernos abrir mão da autonomia pessoal em favor da tutela da comunidade, mesmo que venha acompanhada de proteção e auxílio. O excesso de solicitações coletivas acaba por inviabilizar muitas tentativas de vida comunitária. Por outro lado, uma comunidade só sobrevive se for respeitado um núcleo de valores que dão sentido à vida em comum. Como encontrar o equilíbrio entre o respeito à privacidade e a autonomia e, de outro, a observância de valores e regras comuns?
Não há receita pronta nem universal. Trata-se, em cada caso, de uma construção a muitas mãos, orientada pela convicção de que compartilhar e cooperar é tão necessário quanto ter respeitados os próprios direitos, a individualidade e a privacidade. Vale para o presente e certamente para o futuro.