Edição do dia 20/08/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Lançamento da 32ª edição acontece hoje à noite
VARIEDADES - Com o tema Literatura em Rede, a Feira do Livro ocorre entre os dias 4 a 10 de setembro na Praça Getúlio Vargas
Aula inaugural marca início da primeira turma da Escola de Gestão
GERAL
Missão em Israel é tema de aula inaugural na Unisc
ECONOMIA
1º Seminário Desafios do Empreendedor ocorre em Santa Cruz do Sul
GERAL - O evento será realizado dia 29 de agosto, no Hotel Charrua
Santa Cruz receberá desafio de carros superesportivos
GERAL - Encontro ocorre no feriado, de 7 de setembro, no Aeroporto Luiz Beck da Silva, em Linha Santa Cruz. Provas reunião carros superesportivos de alto desempenho
Professor da Unisc lança documentário sobre cicloviagem na Carretera Austral
GERAL
Entenda a guerra contra o cigarro no Brasil
GERAL - Tentativas frustradas de favorecer o setor e impasses judiciais têm causado preocupação
Hidroginástica: Sesc oferece aulas em parceria com a Raia 7 Centro Aquático
GERAL
Copa HB20: Sena Jr. vence e Roncen chega em 7º
ESPORTES
MB Challenge: Correndo em casa, Fernando Jr. conquista pódio
ESPORTES
Lifasc: Semifinalistas definidos
ESPORTES
Assaf sofre derrota em Venâncio Aires
ESPORTES
Avenida chega na semana de estreia na Copinha
ESPORTES
Cras Integrar do Bairro Bom Jesus realizou formatura de inglês
EDUCAÇÃO
Abertas inscrições para Reunião sobre Plantas Bioativas
GERAL
Palavra puxa Palavra é tema de evento
GERAL
Mais de 900 mil reais serão investidos
GERAL - Valor será aplicado em livros e praça de brinquedos
Rodada aborda a Lei de Proteção de Dados
GERAL

Guerras e imposto sobre grandes fortunas

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 22/08/2015

A constatação é do economista Thomas Piketty (em “O Capital no Século XXI”): os impostos sobre grandes fortunas e heranças nos países desenvolvidos foram viabilizados não pela democracia em tempos normais e sim pelo contexto do caos da 1ª e 2ª Guerra Mundial e da ameaça comunista. 
Até a 1ª Guerra, as taxas mais altas do imposto de renda não passavam de 10%. Vieram as guerras, veio a Revolução Russa e o ambiente se modificou completamente. Na Alemanha, a taxa mais elevada do imposto de renda saltou de 4% para inacreditáveis 90% ao final da 2ª Guerra, estabilizando-se acima de 50%. Nos Estados Unidos o pico foi maior, chegando a 93% ao final da 2ª Guerra. No Reino Unido, o teto chegou ao seu recorde: 98%, ainda em fins dos anos 1970. Na França, o limite superior alcançou 70%.
Em todos esses países, os impostos sobre as grandes fortunas permaneceram em patamares muito altos até a década de 1970, contribuindo para reduzir as desigualdades sociais. O caso dos Estados Unidos é ilustrativo: no meio século entre os anos 1930 e 1980, a taxa superior do imposto federal sobre a renda foi, em média, 81%. Coisa de comunista, não parece? Só que isso não foi na União Soviética, foi nos Estados Unidos, país que nossas elites econômicas costumam apontar como modelo a ser seguido.
Com os impostos sobre herança, a tendência foi no mesmo sentido. Até o início do século XX, a taxa superior de imposto sobre herança nos países ricos era inferior a 10%. No ambiente das guerras e dos regimes comunistas, as taxas se elevaram para aproximadamente 80% nos Estados Unidos e no Reino Unido, e para 40% na Alemanha e na França.
Para Piketty, é importante entender que o sentido principal desses impostos impressionantemente altos não é aumentar as receitas fiscais: é acabar com esse tipo de renda ou patrimônio excessivo, que é estéril para a economia. O imposto progressivo é um método liberal para reduzir as desigualdades, pois respeita a livre concorrência e a propriedade, mas modifica os incentivos privados segundo regras fixadas de maneira democrática no contexto do Estado de direito. Não se trata tanto de arrecadar mais impostos como de construir uma orientação econômica para o conjunto da sociedade, que consiste na ideia de que a liberdade individual tem seus limites estabelecidos pelo senso de justiça social. Ninguém pode ter excessos injustificáveis às custas do bem estar do conjunto da sociedade.
Esse senso de justiça se perdeu a partir da década de 1980, o período do neoliberalismo galopante. As taxas superiores do imposto de renda caíram em todos os países ricos para a faixa de 40% a 50% (ainda bem superior à nossa faixa superior de 27,5%) e para as heranças entre 30% e 45%. E as desigualdades não param de aumentar, chegando hoje a níveis inéditos na história do capitalismo.
Preocupante, não? É o caos e a ameaça revolucionária o ambiente indispensável para mudanças de justiça social na democracia?