Edição do dia 12/11/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Mudanças são anunciadas nas secretarias
GERAL
Dia de visitações, experiências e expectativas no Viva Unisc 2019
GERAL
Solenidade marca aniversário do General Gomes Carneiro
GERAL - Na ocasião também foi comemorada a chegada do III Batalhão ao município
Pequenas atitudes
OPINIÃO
Verrugas Estelares
OPINIÃO
Em defesa da vida
OPINIÃO
CDL aponta 800 vagas temporárias
ECONOMIA - Expectativa é de boas oportunidades de emprego para o período
ACI: Eleição ocorre hoje
GERAL
Vigilância Colaborativa: Lançamento do Programa acontece hoje
GERAL
GREVE: Polícia Civil paralisa nesta quarta-feira
POLÍCIA
Campeonato Municipal inicia no próximo dia 22
ESPORTES
AMO/Unimed VTRP: Atletas brilham pelo estado
ESPORTES
Dois times largam com vitória na estreia da Copa Lisaruth
ESPORTES
Estadual sub 19: Santa Cruz vence fora e fica perto da final
ESPORTES
Regional: São José larga na frente nas semifinais
ESPORTES
Universidade aguarda mais de cinco mil estudantes
GERAL
Bate papo: Doações por incentivos fiscais
ECONOMIA
Comdica realiza 4ª Noite Cultural na Unisc
VARIEDADES - O evento que tem entrada franca visa enaltecer projetos sociais realizados por diversas entidades

Guerras e imposto sobre grandes fortunas

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 22/08/2015

A constatação é do economista Thomas Piketty (em “O Capital no Século XXI”): os impostos sobre grandes fortunas e heranças nos países desenvolvidos foram viabilizados não pela democracia em tempos normais e sim pelo contexto do caos da 1ª e 2ª Guerra Mundial e da ameaça comunista. 
Até a 1ª Guerra, as taxas mais altas do imposto de renda não passavam de 10%. Vieram as guerras, veio a Revolução Russa e o ambiente se modificou completamente. Na Alemanha, a taxa mais elevada do imposto de renda saltou de 4% para inacreditáveis 90% ao final da 2ª Guerra, estabilizando-se acima de 50%. Nos Estados Unidos o pico foi maior, chegando a 93% ao final da 2ª Guerra. No Reino Unido, o teto chegou ao seu recorde: 98%, ainda em fins dos anos 1970. Na França, o limite superior alcançou 70%.
Em todos esses países, os impostos sobre as grandes fortunas permaneceram em patamares muito altos até a década de 1970, contribuindo para reduzir as desigualdades sociais. O caso dos Estados Unidos é ilustrativo: no meio século entre os anos 1930 e 1980, a taxa superior do imposto federal sobre a renda foi, em média, 81%. Coisa de comunista, não parece? Só que isso não foi na União Soviética, foi nos Estados Unidos, país que nossas elites econômicas costumam apontar como modelo a ser seguido.
Com os impostos sobre herança, a tendência foi no mesmo sentido. Até o início do século XX, a taxa superior de imposto sobre herança nos países ricos era inferior a 10%. No ambiente das guerras e dos regimes comunistas, as taxas se elevaram para aproximadamente 80% nos Estados Unidos e no Reino Unido, e para 40% na Alemanha e na França.
Para Piketty, é importante entender que o sentido principal desses impostos impressionantemente altos não é aumentar as receitas fiscais: é acabar com esse tipo de renda ou patrimônio excessivo, que é estéril para a economia. O imposto progressivo é um método liberal para reduzir as desigualdades, pois respeita a livre concorrência e a propriedade, mas modifica os incentivos privados segundo regras fixadas de maneira democrática no contexto do Estado de direito. Não se trata tanto de arrecadar mais impostos como de construir uma orientação econômica para o conjunto da sociedade, que consiste na ideia de que a liberdade individual tem seus limites estabelecidos pelo senso de justiça social. Ninguém pode ter excessos injustificáveis às custas do bem estar do conjunto da sociedade.
Esse senso de justiça se perdeu a partir da década de 1980, o período do neoliberalismo galopante. As taxas superiores do imposto de renda caíram em todos os países ricos para a faixa de 40% a 50% (ainda bem superior à nossa faixa superior de 27,5%) e para as heranças entre 30% e 45%. E as desigualdades não param de aumentar, chegando hoje a níveis inéditos na história do capitalismo.
Preocupante, não? É o caos e a ameaça revolucionária o ambiente indispensável para mudanças de justiça social na democracia?