Edição do dia 24/01/2020

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Brigada Militar prende suspeito com animal abatido
POLÍCIA
Saboreares: opção de qualidade o ano inteiro
EMPRESARIAL
Mecânica do Fernando: há nove anos prestando serviços de qualidade
EMPRESARIAL
Sabores deliciosos é na CremoLatto Sorvetes
EMPRESARIAL
O que você precisa saber sobre vagas para idosos e deficientes
GERAL
Cepru Unisc: Inscrições para Instrutor de Trânsito estão abertas
GERAL
Vegetação na Av. do Imigrante obstrui visão de motoristas
GERAL - Apesar de todo embelezamento, cidadãos reclamam que plantas prejudicam o trânsito
Mais seis escolas da rede municipal estão sendo revitalizadas
EDUCAÇÃO - Pintura interna e externa, aquisição de mobiliário, reforma nas quadras esportivas, instalação de playground, entre outros serviços estão sendo realizados
Vestibular solidário da Uninter ajuda escolas carentes
GERAL
Exposição fotográfica do Capsia está sendo realizada no Shopping Santa Cruz
VARIEDADES
O que o Novo Cemai terá de diferente?
SAÚDE
Campanha visa arrecadar material escolar
GERAL - Criada por um grupo de torcedores do Inter, ação se estende até o dia 15 de fevereiro
Brinqmania realiza festa beneficente para Juju
GERAL
Segunda edição do Bailinho da Borges está confirmada
VARIEDADES - O evento será realizado dia 15 de fevereiro, na Rua Borges do Medeiros
Literatura Brasileira dos Catarinenses
OPINIÃO
MP denuncia mais um vereador por 'rachadinha'
POLÍTICA - Alceu Crestani (PSDB) também teria mantido um funcionário fantasma em Monte Alverne
Aproveite seu verão no Park Nativo
GERAL
Novo valor da passagem gera controvérsia
ECONOMIA - Promotor de Defesa Comunitária vê espaço para cálculo com tarifa menor

A empatia e o legado dos imigrantes

Sábado

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 25/07/2015

As comemorações do Dia do Colono ensejam renovadas reflexões sobre o legado comunitário dos imigrantes. Como entender o extraordinário senso de comunidade e de cooperação demonstrado pelos imigrantes em contraste com o individualismo e os conflitos comuns nos dias atuais? Afinal, o que é “natural” aos seres humanos: o egoísmo ou a cooperação?
Diversas pesquisas da biologia, da psicologia, da antropologia, da sociologia e da neurociência dos últimos anos comprovam que cooperação, altruísmo e solidariedade são tão naturais em nós como a tendência do “eu primeiro”, ou seja, o egoísmo. 
 “A Era da Empatia” (Companhia das Letras, 2010), do biólogo holandês Frans de Waal, é um livro extraordinário pelas fortes evidências de que a evolução dotou a espécie humana e os mamíferos em geral tanto da capacidade de cooperar como de competir. A empatia é a evidência de que não somos egoístas incorrigíveis; somos seres naturalmente propensos à vida comunitária e à ação cooperativa. O autor apresenta uma interpretação oposta às tradicionais teorias pré-darwinianas, que costumam associar a natureza humana a aspectos negativos da humanidade.
As evidências do livro decorrem de pesquisas de muitos anos com grandes primatas (chimpanzés, bonobos), macacos, elefantes, golfinhos e outros animais. Os estudos mostram inúmeros casos de “empatia” em animais, ou seja, a sensibilidade às emoções, à situação e às necessidades dos outros. Essa capacidade é encontrada em todos os mamíferos. Para o autor, o motivo para a maioria das pessoas ter mamíferos em casa, como gatos e cachorros, é justamente porque gostamos que eles reajam às nossas emoções, enquanto reagimos às deles. 
A empatia nos vincula aos outros, uma conexão instintiva que nos liga permanentemente aos demais. Ela fortaleceu-se no processo de evolução dos mamíferos ao longo de milhões de anos por ter sido essencial à sobrevivência e continuidade das espécies. Não é algo racional, cognitivo. É algo instintivo, que sequer depende da nossa decisão. Os corpos “leem” os outros corpos e entram em conexão com eles. Franzimos o cenho em resposta a expressões faciais zangadas; somos levados a rir pelo riso dos outros, a bocejar quando outros bocejam, a chorar quando percebemos o sofrimento alheio. O primeiro nível da empatia é o “contágio emocional”, um fenômeno anterior à racionalização. 
Nos humanos, a empatia têm características diferentes dos outros animais em função da sua relação com a imaginação e a cognição. Somos capazes até de inibir e conter empatia em certas circunstâncias. Ela é mais comum nas mulheres que nos homens e flui mais naturalmente entre pessoas próximas e com características sociais, culturais semelhantes.
A lição fundamental de estudos científicos como esse é que a natureza nos preparou para cooperar, que só sobrevivemos e avançamos porque o egoísmo foi contido pela solidariedade. A notável saga dos imigrantes e seus descendentes é compreensível à luz dessa força impressionante que é a empatia, o cimento biológico da vida comunitária e da cooperação. Uma lição de alto valor em tempos de forte agressividade e de culto ao individualismo.