Edição do dia 18/10/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Os últimos dias da 35ª Oktoberfest
VARIEDADES - Confira o que aconteceu nesta semana e o que vai movimentar o fechamento da festa
1ª Semana Lixo Zero: Tudo pronto na programação
GERAL - Objetivo é incluir o município na lista de cidades com o título Lixo Zero, concedida pelo ILZ
Menos barulho nas comemorações de fim de ano
GERAL - Assembleia Legislativa aprovou dois projetos referentes ao uso de fogos de artifício
Evento apresenta o que há de melhor em arquitetura
GERAL - Os ambientes foram decorados por profissionais renomados
Equipe do Colégio Mauá se destaca no Nacional
GERAL
Novo Cabrais: Novas soberanas serão conhecidas nesta sexta
VARIEDADES
Novo Cabrais: Uma história que se constrói a cada dia
GERAL - Município comemora 23 anos de emancipação político-administrativa com desenvolvimento e progresso
Novo Cabrais: Saúde realiza atividade de prevenção
SAÚDE
Novo Cabrais: Feira de Saúde terá palestras sobre depressão e suicídio
SAÚDE - Evento tratará tema que vem em crescente demanda no município e na região e também oferecerá serviços gratuitos
Empregar RS disponibilizará 50 vagas
GERAL
Marcel Knak é o novo coordenador
GERAL - Ele será responsável por atender 23 municípios da região
Fios de Esperança: um ato de amor
GERAL - Projeto voluntário promove a autoestima e melhora a qualidade de vida de pacientes com câncer
Dia do médico: Celebre o profissional que cuida da sua saúde
ESPECIAIS
Dia do pintor: Eles dão mais cor ao nosso mundo
ESPECIAIS
Farsul em Campo: Seminário teve um dia repleto de atividades
GERAL - Evento contou com a participação de aproximadamente 150 pessoas
Pompéia de cara nova
EMPRESARIAL - A loja ampliou o espaço e o mix de produtos
Influencers Live Show: Gravações iniciam na próxima semana
GERAL - O programa vai ao ar a partir do dia 2 de novembro
Entrega de recursos ocorre na próxima terça-feira
GERAL

Terceirização e precarização

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 18/04/2015

A proposta de terceirização indiscriminada que está em discussão na Câmara Federal, a partir da retirada da gaveta do esquecimento do PL 4.330/2004 por parte de seu Presidente, Eduardo Cunha,é um desses temas que deixa claro que o “capitalismo selvagem” é uma ameaça permanente.
Um exemplo de terceirização que acompanhei pessoalmente: em 2007, no contexto de uma difícil situação financeira, a Unisc aprovou uma série de medidas para contenção de despesas e geração de receitas. Uma das mudanças aprovadas foi o fim da terceirização dos serviços de limpeza, com a contratação direta dos trabalhadores, com a finalidade de... economizar recursos. Isso mesmo! A área administrativa apresentou dados que indicavam que os trabalhadores terceirizados recebiam salários menores, trabalhavam em condições desvantajosas, estavam descontentes e, por isso tudo, os serviços eram de pior qualidade. Tudo considerado, o que era para ser mais barato (a terceirização) custava mais caro. Foi decidida a re-contratação direta dos funcionários da limpeza, com salários melhores, serviços melhores e custo igual ou menor, situação que permanece hoje. O exemplo mostra que a terceirização pode ser ruim tanto para o terceirizado quanto para o contratante.
Hoje no Brasil é permitida a terceirização do trabalho em atividades “complementares e acessórias”. Por exemplo, limpeza e manutenção. O Projeto de Lei 4.330, se aprovado, vai ampliar a terceirização para as atividades-fim, as atividades “inerentes” a uma organização. No caso de uma universidade, a atividade-fim é a educação. Ou seja: os professores podem vir a ser terceirizados.
Segundo levantamento do DIEESE, atualmente 73% dos trabalhadores brasileiros são contratados diretamente e 27% são terceirizados. Os terceirizados trabalham em média três horas a mais por semana e ganham 24% menos. As condições de trabalho são piores, é maior a informalidade (sem carteira assinada) e a rotatividade. Nas empresas de serviços em que foi introduzida a terceirização, os cargos terceirizados passaram a engolir empregos permantentes.
No Brasil e no mundo, terceirização significa precarização. Favorece o lucro e desfavorece os direitos historicamente conquistados pelos trabalhadores. Não se trata de suposições: trata-se de fatos fartamente pesquisados pelo DIEESE e outros institutos.
A aprovação do PL 4.330 será uma grande derrota para a classe trabalhadora e uma profunda ferida na CLT, completando o que o governo Fernando Henrique Cardoso não conseguiu fazer: em 1998, o PL 4.302, versando sobre o mesmo tema, foi retirado por conta da resistência das organizações dos trabalhadores.
A proposta tem o patrocínio ativo das confederações empresariais. Na primeira votação, na Câmara, o texto-base do PL 4.330 foi aprovado. Somente PT, PSOL e PCdoB votaram maciçamente contra. Como o projeto ainda deve passar pelo Senado, há tempo para a frear essa causa anti-popular. 
As mobilizações dos trabalhadores nos últimos dias mostraram que as centrais sindicais têm bala na agulha. Associações de juízes e de promotores do trabalho, de organizações sociais e lideranças, como o ex-Presidente Lula, estão do lado dos trabalhadores. Em meio a muitos retrocessos, esse não há de passar.