Edição do dia 20/08/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Lançamento da 32ª edição acontece hoje à noite
VARIEDADES - Com o tema Literatura em Rede, a Feira do Livro ocorre entre os dias 4 a 10 de setembro na Praça Getúlio Vargas
Aula inaugural marca início da primeira turma da Escola de Gestão
GERAL
Missão em Israel é tema de aula inaugural na Unisc
ECONOMIA
1º Seminário Desafios do Empreendedor ocorre em Santa Cruz do Sul
GERAL - O evento será realizado dia 29 de agosto, no Hotel Charrua
Santa Cruz receberá desafio de carros superesportivos
GERAL - Encontro ocorre no feriado, de 7 de setembro, no Aeroporto Luiz Beck da Silva, em Linha Santa Cruz. Provas reunião carros superesportivos de alto desempenho
Professor da Unisc lança documentário sobre cicloviagem na Carretera Austral
GERAL
Entenda a guerra contra o cigarro no Brasil
GERAL - Tentativas frustradas de favorecer o setor e impasses judiciais têm causado preocupação
Hidroginástica: Sesc oferece aulas em parceria com a Raia 7 Centro Aquático
GERAL
Copa HB20: Sena Jr. vence e Roncen chega em 7º
ESPORTES
MB Challenge: Correndo em casa, Fernando Jr. conquista pódio
ESPORTES
Lifasc: Semifinalistas definidos
ESPORTES
Assaf sofre derrota em Venâncio Aires
ESPORTES
Avenida chega na semana de estreia na Copinha
ESPORTES
Cras Integrar do Bairro Bom Jesus realizou formatura de inglês
EDUCAÇÃO
Abertas inscrições para Reunião sobre Plantas Bioativas
GERAL
Palavra puxa Palavra é tema de evento
GERAL
Mais de 900 mil reais serão investidos
GERAL - Valor será aplicado em livros e praça de brinquedos
Rodada aborda a Lei de Proteção de Dados
GERAL

Terceirização e precarização

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 18/04/2015

A proposta de terceirização indiscriminada que está em discussão na Câmara Federal, a partir da retirada da gaveta do esquecimento do PL 4.330/2004 por parte de seu Presidente, Eduardo Cunha,é um desses temas que deixa claro que o “capitalismo selvagem” é uma ameaça permanente.
Um exemplo de terceirização que acompanhei pessoalmente: em 2007, no contexto de uma difícil situação financeira, a Unisc aprovou uma série de medidas para contenção de despesas e geração de receitas. Uma das mudanças aprovadas foi o fim da terceirização dos serviços de limpeza, com a contratação direta dos trabalhadores, com a finalidade de... economizar recursos. Isso mesmo! A área administrativa apresentou dados que indicavam que os trabalhadores terceirizados recebiam salários menores, trabalhavam em condições desvantajosas, estavam descontentes e, por isso tudo, os serviços eram de pior qualidade. Tudo considerado, o que era para ser mais barato (a terceirização) custava mais caro. Foi decidida a re-contratação direta dos funcionários da limpeza, com salários melhores, serviços melhores e custo igual ou menor, situação que permanece hoje. O exemplo mostra que a terceirização pode ser ruim tanto para o terceirizado quanto para o contratante.
Hoje no Brasil é permitida a terceirização do trabalho em atividades “complementares e acessórias”. Por exemplo, limpeza e manutenção. O Projeto de Lei 4.330, se aprovado, vai ampliar a terceirização para as atividades-fim, as atividades “inerentes” a uma organização. No caso de uma universidade, a atividade-fim é a educação. Ou seja: os professores podem vir a ser terceirizados.
Segundo levantamento do DIEESE, atualmente 73% dos trabalhadores brasileiros são contratados diretamente e 27% são terceirizados. Os terceirizados trabalham em média três horas a mais por semana e ganham 24% menos. As condições de trabalho são piores, é maior a informalidade (sem carteira assinada) e a rotatividade. Nas empresas de serviços em que foi introduzida a terceirização, os cargos terceirizados passaram a engolir empregos permantentes.
No Brasil e no mundo, terceirização significa precarização. Favorece o lucro e desfavorece os direitos historicamente conquistados pelos trabalhadores. Não se trata de suposições: trata-se de fatos fartamente pesquisados pelo DIEESE e outros institutos.
A aprovação do PL 4.330 será uma grande derrota para a classe trabalhadora e uma profunda ferida na CLT, completando o que o governo Fernando Henrique Cardoso não conseguiu fazer: em 1998, o PL 4.302, versando sobre o mesmo tema, foi retirado por conta da resistência das organizações dos trabalhadores.
A proposta tem o patrocínio ativo das confederações empresariais. Na primeira votação, na Câmara, o texto-base do PL 4.330 foi aprovado. Somente PT, PSOL e PCdoB votaram maciçamente contra. Como o projeto ainda deve passar pelo Senado, há tempo para a frear essa causa anti-popular. 
As mobilizações dos trabalhadores nos últimos dias mostraram que as centrais sindicais têm bala na agulha. Associações de juízes e de promotores do trabalho, de organizações sociais e lideranças, como o ex-Presidente Lula, estão do lado dos trabalhadores. Em meio a muitos retrocessos, esse não há de passar.