Edição do dia 20/08/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Lançamento da 32ª edição acontece hoje à noite
VARIEDADES - Com o tema Literatura em Rede, a Feira do Livro ocorre entre os dias 4 a 10 de setembro na Praça Getúlio Vargas
Aula inaugural marca início da primeira turma da Escola de Gestão
GERAL
Missão em Israel é tema de aula inaugural na Unisc
ECONOMIA
1º Seminário Desafios do Empreendedor ocorre em Santa Cruz do Sul
GERAL - O evento será realizado dia 29 de agosto, no Hotel Charrua
Santa Cruz receberá desafio de carros superesportivos
GERAL - Encontro ocorre no feriado, de 7 de setembro, no Aeroporto Luiz Beck da Silva, em Linha Santa Cruz. Provas reunião carros superesportivos de alto desempenho
Professor da Unisc lança documentário sobre cicloviagem na Carretera Austral
GERAL
Entenda a guerra contra o cigarro no Brasil
GERAL - Tentativas frustradas de favorecer o setor e impasses judiciais têm causado preocupação
Hidroginástica: Sesc oferece aulas em parceria com a Raia 7 Centro Aquático
GERAL
Copa HB20: Sena Jr. vence e Roncen chega em 7º
ESPORTES
MB Challenge: Correndo em casa, Fernando Jr. conquista pódio
ESPORTES
Lifasc: Semifinalistas definidos
ESPORTES
Assaf sofre derrota em Venâncio Aires
ESPORTES
Avenida chega na semana de estreia na Copinha
ESPORTES
Cras Integrar do Bairro Bom Jesus realizou formatura de inglês
EDUCAÇÃO
Abertas inscrições para Reunião sobre Plantas Bioativas
GERAL
Palavra puxa Palavra é tema de evento
GERAL
Mais de 900 mil reais serão investidos
GERAL - Valor será aplicado em livros e praça de brinquedos
Rodada aborda a Lei de Proteção de Dados
GERAL

O trabalhador no capitalismo do século XXI

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 01/05/2015

A situação dos trabalhadores no capitalismo mundial dos dias atuais é a reflexão fundamental a ser feita no Dia do Trabalhador. 
A leitura do livro de Thomas Piketty, O Capitalismo no Século XXI, é esclarecedora em aspectos centrais acerca da condição do trabalhador no capitalismo dos últimos séculos. (Sempre é bom lembrar que o capitalismo não tem mais de trezentos anos e que a vida humana, desde o homo sapiens, tem em torno de 80 a 100 mil anos.) A constatação fundamental é: a riqueza se manteve mal distribuída ao longo de todo o período capitalista, com um breve período de redução da desigualdade (entre os anos 1940 e 1970) nos países ricos, quando os Estados nacionais utilizaram o mecanismo de elevados impostos sobre o capital para reinvestir esses tributos em serviços públicos de interesse coletivo. Desde a década de 1980, com os governos neoliberais, a desigualdade voltou a crescer em âmbito mundial, excetuados países como o Brasil, que implantaram programas de redistribuição de renda.
Didaticamente, Piketty explica que a difícil situação de grande parte dos trabalhadores não tem nada a ver com uma suposta redução da riqueza produzida pela humanidade. Pelo contrário, a riqueza das nações é hoje maior do que em qualquer outro período histórico, mas ela é basicamente riqueza privada, ou seja, em mãos de proprietários privados. A riqueza pública é baixa em grande parte dos países, por conta da dívida pública. 
Outra forma de mensurar a distribuição da riqueza é a divisão entre renda do capital e renda do trabalho. Grande parte dos economistas têm dado credibilidade à tese de que há uma estabilidade nessa distribuição: a renda do capital equivaleria sempre a 30% da renda nacional e a do trabalho a 70%. Piketty anota que a participação do capital já foi maior e que pode voltar a sê-lo, e que o processo histórico mostra diferenças de um país a outro. Ele também alerta para o otimismo ingênuo dos que acreditam que a tecnologia é por si um fator que valoriza necessariamente o trabalho frente ao capital e que estamos numa era em que o capital humano e o mérito individual substituem o capital mobiliário e financeiro. A lógica do processo econômico é política, diz. Ou seja: a maior organização dos trabalhadores num ambiente democrático é o que pode assegurar o avanço do trabalho frente ao capital.
A desigualdade das riquezas expressa-se nas diferenças entre países e continentes. Em 2012, para uma população mundial de 7 bilhões de pessoas, o produto interno bruto per capita equivalia a uma renda anual de R$ 30 mil por pessoa, ou seja, uma renda mensal em torno de R$ 2,5 mil. Nos Estados Unidos/Canadá, a média da renda mensal por pessoa era de mais de R$ 9 mil, enquanto na África Subsaariana não passava de R$ 450.
No fundamental (a qualidade de vida das maiorias), o capitalismo mostra-se tão desigual quanto na sua origem. Por isso, a luta continua.