Edição do dia 06/12/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Operação Papai Noel começa na próxima Terça-feira
GERAL - A novidade é a implantação da uma base móvel, equipada com câmeras, computadores e outros dispositivos de segurança
Multi Espaço VIA 9: cultura, educação e um bom café
GERAL - O local conta com loja de artesanatos e realiza diversos eventos e atividades
Neste sábado tem Prefeitura nos Bairros
GERAL
Feira do Livro de 2020 será em maio
GERAL - Patrona, Homenageado e Personalidade Incentivadora da Leitura foram divulgados nesta sexta-feira
Secretaria de Cultura registra 172 entes e agentes culturais
POLÍTICA - Cadastro havia sido fechado em agosto, mas foi reaberto no mês passado
Força-Tarefa fiscaliza supermercado no centro
GERAL - Ação realizou a segunda operação do grupo em Santa Cruz nesta semana
Campanha realiza exames preventivos gratuitos de câncer de pele neste sábado
SAÚDE - Os atendimentos acontecem das 9h às 15h, no Ambulatório do COI do Hospital Ana Nery
Greve do Magistério atinge mais de 1,5 mil escolas
EDUCAÇÃO - Com 80% de participação da categoria, a greve é considerada histórica
Economista dá dicas para utilizar o 13ºsalário
ECONOMIA - O pagamento é uma oportunidade para colocar as finanças em dia, afirma Silvio Cezar Arend
Cartório ainda aguarda mais de 30 mil para recadastramento biométrico
GERAL
Inscrições abertas para o Educar-se nas Férias 2020
EDUCAÇÃO
Alta no preço da carne resulta no aumento da Cesta Básica
ECONOMIA
Saiba os dias de abertura do comércio neste Natal
GERAL
Novo Cabrais: Bryan é mais um ganhador da promoção
GERAL
Novo Cabrais: Escolinha ACF é campeã geral da Uef Cup
ESPORTES
Abertura da Christkindfest acontece hoje
VARIEDADES - Programação se estende até o dia 22 de dezembro, com atividades artísticas e culturais e Casa do Papai Noel
Storch Contabilidade conta com novas e modernas instalações
GERAL
Novo Cabrais: Proerd forma 34 alunos
GERAL

Empresas não votam, cidadãos votam

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 30/05/2015

O Presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, está mostrando no dia a dia uma impressionante vocação ao atraso e ao retrocesso. Após ser derrotado há poucos dias na sua pretensão de mudar as regras eleitorais com o chamado “distritão”, conseguiu êxito inicial em aprovar uma emenda à Constituição permitindo doações de empresas para partidos políticos. Se a emenda for referendada em novas votações no Congresso, os empresários ficam autorizados a utilizar dinheiro das empresas para apoiar partidos, que os repassarão, por decisão interna, aos candidatos a cargos eletivos.
As doações de empresas a partidos e candidatos são sabidamente uma das fontes de corrupção. O importante neste momento é que os cidadãos dialoguem com os deputados que elegeram e solicitem o posicionamento contrário à medida obscura do financiamento empresarial de campanha. Como eleitores, somos co-responsáveis pelas posições de quem elegemos.
O professor Bernardo Sorj, da Universidade de São Paulo, escreveu um belo texto sobre o assunto, intitulado “Empresas não votam”. Transcrevo alguns trechos por serem de insuperável clareza e boa argumentação.
“Não há razão para que empresas doem a partidos, candidatos ou campanhas. Empresas não são cidadãos nem possuem título eleitoral. 
Se empresas podem fazer doações, então, por que não podem simpatizar com mais de um partido, como ocorre com muitos eleitores? O que fazer quando a empresa tem dois ou mais proprietários que têm diferentes orientações partidárias?
As empresas cotadas na Bolsa devem levar em consideração as opções de todos acionistas ou devem decidir em assembleia a quem doar?
Do ponto de vista prático, a proposta igualmente não faz sentido: concentrar as doações em um só partido não significa que as empresas não venham a usar seus aportes para, posteriormente, influenciar parlamentares ou membros do Executivo. Aliás, se for para doar para um partido só, o mais obvio é que o façam para o PMDB, que estará na base de qualquer governo.
Não há nenhuma razão para que empresas façam doações para candidatos, partidos e campanhas eleitorais. Empresas não são cidadãos nem possuem título eleitoral. Seus objetivos são econômicos: produzir lucro para os proprietários, gerar emprego e crescimento.
A definição do projeto de lei do novo Código Comercial diz: "A empresa cumpre sua função econômica e social ao gerar empregos, tributos e riqueza, ao contribuir para o desenvolvimento econômico da comunidade em que atua".
Quando doa para uma campanha uma empresa destrói o princípio da representação, pois o candidato eleito, no lugar de responder ao conjunto de seu eleitorado, é capturado e privatizado pelos seus financiadores. Por isso doações de empresas foram banidas na maioria dos países democráticos.
O empresário, enquanto cidadão, tem direito a fazer doações, mas não deveria haver a possibilidade de dedução do Imposto de Renda, já que parte dos recursos doados estariam sendo financiados pelo resto da população. E, é claro, essas doações teriam um teto, que não permitisse a transferência da desigualdade econômica para a política.”
Em síntese: doação eleitoral é coisa de quem vota, o cidadão.