Edição do dia 20/08/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Lançamento da 32ª edição acontece hoje à noite
VARIEDADES - Com o tema Literatura em Rede, a Feira do Livro ocorre entre os dias 4 a 10 de setembro na Praça Getúlio Vargas
Aula inaugural marca início da primeira turma da Escola de Gestão
GERAL
Missão em Israel é tema de aula inaugural na Unisc
ECONOMIA
1º Seminário Desafios do Empreendedor ocorre em Santa Cruz do Sul
GERAL - O evento será realizado dia 29 de agosto, no Hotel Charrua
Santa Cruz receberá desafio de carros superesportivos
GERAL - Encontro ocorre no feriado, de 7 de setembro, no Aeroporto Luiz Beck da Silva, em Linha Santa Cruz. Provas reunião carros superesportivos de alto desempenho
Professor da Unisc lança documentário sobre cicloviagem na Carretera Austral
GERAL
Entenda a guerra contra o cigarro no Brasil
GERAL - Tentativas frustradas de favorecer o setor e impasses judiciais têm causado preocupação
Hidroginástica: Sesc oferece aulas em parceria com a Raia 7 Centro Aquático
GERAL
Copa HB20: Sena Jr. vence e Roncen chega em 7º
ESPORTES
MB Challenge: Correndo em casa, Fernando Jr. conquista pódio
ESPORTES
Lifasc: Semifinalistas definidos
ESPORTES
Assaf sofre derrota em Venâncio Aires
ESPORTES
Avenida chega na semana de estreia na Copinha
ESPORTES
Cras Integrar do Bairro Bom Jesus realizou formatura de inglês
EDUCAÇÃO
Abertas inscrições para Reunião sobre Plantas Bioativas
GERAL
Palavra puxa Palavra é tema de evento
GERAL
Mais de 900 mil reais serão investidos
GERAL - Valor será aplicado em livros e praça de brinquedos
Rodada aborda a Lei de Proteção de Dados
GERAL

A empatia e o legado dos imigrantes

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 25/07/2015

As comemorações do Dia do Colono ensejam renovadas reflexões sobre o legado comunitário dos imigrantes. Como entender o extraordinário senso de comunidade e de cooperação demonstrado pelos imigrantes em contraste com o individualismo e os conflitos comuns nos dias atuais? Afinal, o que é “natural” aos seres humanos: o egoísmo ou a cooperação?
Diversas pesquisas da biologia, da psicologia, da antropologia, da sociologia e da neurociência dos últimos anos comprovam que cooperação, altruísmo e solidariedade são tão naturais em nós como a tendência do “eu primeiro”, ou seja, o egoísmo. 
 “A Era da Empatia” (Companhia das Letras, 2010), do biólogo holandês Frans de Waal, é um livro extraordinário pelas fortes evidências de que a evolução dotou a espécie humana e os mamíferos em geral tanto da capacidade de cooperar como de competir. A empatia é a evidência de que não somos egoístas incorrigíveis; somos seres naturalmente propensos à vida comunitária e à ação cooperativa. O autor apresenta uma interpretação oposta às tradicionais teorias pré-darwinianas, que costumam associar a natureza humana a aspectos negativos da humanidade.
As evidências do livro decorrem de pesquisas de muitos anos com grandes primatas (chimpanzés, bonobos), macacos, elefantes, golfinhos e outros animais. Os estudos mostram inúmeros casos de “empatia” em animais, ou seja, a sensibilidade às emoções, à situação e às necessidades dos outros. Essa capacidade é encontrada em todos os mamíferos. Para o autor, o motivo para a maioria das pessoas ter mamíferos em casa, como gatos e cachorros, é justamente porque gostamos que eles reajam às nossas emoções, enquanto reagimos às deles. 
A empatia nos vincula aos outros, uma conexão instintiva que nos liga permanentemente aos demais. Ela fortaleceu-se no processo de evolução dos mamíferos ao longo de milhões de anos por ter sido essencial à sobrevivência e continuidade das espécies. Não é algo racional, cognitivo. É algo instintivo, que sequer depende da nossa decisão. Os corpos “leem” os outros corpos e entram em conexão com eles. Franzimos o cenho em resposta a expressões faciais zangadas; somos levados a rir pelo riso dos outros, a bocejar quando outros bocejam, a chorar quando percebemos o sofrimento alheio. O primeiro nível da empatia é o “contágio emocional”, um fenômeno anterior à racionalização. 
Nos humanos, a empatia têm características diferentes dos outros animais em função da sua relação com a imaginação e a cognição. Somos capazes até de inibir e conter empatia em certas circunstâncias. Ela é mais comum nas mulheres que nos homens e flui mais naturalmente entre pessoas próximas e com características sociais, culturais semelhantes.
A lição fundamental de estudos científicos como esse é que a natureza nos preparou para cooperar, que só sobrevivemos e avançamos porque o egoísmo foi contido pela solidariedade. A notável saga dos imigrantes e seus descendentes é compreensível à luz dessa força impressionante que é a empatia, o cimento biológico da vida comunitária e da cooperação. Uma lição de alto valor em tempos de forte agressividade e de culto ao individualismo.