Edição do dia 11/10/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Nota sobre as medidas de Leite - CPERS/Sindicato
GERAL - CPERS AVALIA MEDIDAS DE LEITE COMO PREJUDICIAIS
Exposição de Quadros das Soberanas fica aberta até dia 20 na Casa das Artes
VARIEDADES
Seguro? Só com corretor registrado
ESPECIAIS
Rotaract sedia olimpíada germânica
ECONOMIA - Competição visa promover integração entre os clubes do distrito rotário
Eduardo Leite discute pacote de reformas do funcionalismo
POLÍTICA
TecnoUnisc oferece oportunidades de inovação às empresas
EMPRESARIAL
Evento reúne grandes profissionais da arquitetura
VARIEDADES - 3ª Mostra de Arquitetura de Interiores acontece desde o dia 08 para convidados
Assembleia aprova a proibição de taxa em boletos
POLÍTICA - Maioria dos deputados estaduais votaram pelo fim da tarifa de emissão de boletos
Acordo define votação da Reforma da Previdência para dia 22
POLÍTICA
Programe-se para o feriado
GERAL
Dicas de presente especiais
ESPECIAIS - Neste Dia das Crianças proporcione aos pequenos cultura e educação
A realização do sonho
VARIEDADES - Samanta Heinen conquistou também vaga para concurso nacional
CremoLatto abre mais uma sorveteria
GERAL
Fim de semana tem o início da segunda fase
ESPORTES
Avenida empata em casa e se complica na Copinha
ESPORTES - Time fez uma grande partida, mas não matou o jogo
Torneio Internacional vai movimentar Oktober
ESPORTES - Competições iniciam nesta sexta e seguem até domingo, 13, no Centro Cultural 25 de Julho
Santa Cruz goleia dentro de casa e assume liderança
ESPORTES
1º Fórum acontece neste sábado
SAÚDE - Evento vai esclarecer fatores relativos à doença, tratamentos, bem-estar e direito dos pacientes

Políticas anticíclicas

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 01/08/2015

Vivemos um período de retração econômica no Brasil. A previsão para 2015 é de Produto Interno Bruto negativo (crescimento negativo), ou seja, encolhimento econômico: o total das nossas riquezas será valorado a menor em relação a 2014. Esse quadro econômico é agravado pela menor arrecadação de tributos, inflação em alta e elevação de juros (taxa Selic) para combater a inflação, formando uma espécie de círculo vicioso. A taxa Selic impacta na dívida pública: cada vez que a taxa sobe, devemos alguns bilhões de reais/dólares a mais. Entre as consequências sociais da retração econômica estão o menor poder aquisitivo dos salários e o desemprego. A sensação decorrente desse quadro é o sentimento de menor bem estar.
A ameaça de que aconteceria algo assim estava posta em 2008, por conta da crise financeira internacional. Naquele momento, o governo Lula optou por uma medida hetorodoxa (não convencional): chamou o povo para continuar comprando e consumindo e ao invés do governo gastar menos, reduzindo os investimentos no social (a tal política de “austeridade”), resolveu gastar mais, aumentando os investimentos. Isso foi feito para diminuir o impacto da crise internacional e acelerar a recuperação econômica do país. 
Essas medidas (já utilizadas em outros países) são conhecidas como “anticíclicas” porque operam em sentido contrário ao movimento cíclico da economia, que naquele momento estava em sentido decrescente. Se o governo economizasse recursos, a crise econômica tendia a se aprofundar. Como o governo investiu mais, esses recursos ajudaram a reduzir o impacto da crise. Como disse Lula na época, a crise internacional aqui não passou de uma “marolinha”.
O que deu certo no governo Lula continuou sendo utilizado no primeiro governo Dilma. O viés “anticíclico” continuou presidindo a política econômica do governo, orientado pelo enfoque desenvolvimentista. Foram mantidos investimentos fortes em ciência e tecnologia, educação, saúde, bolsa família e outros direitos sociais, além de reduzir impostos em diversos setores. O resultado social dessas medidas foi bem significativo: a redução da pobreza extrema, a inclusão de 40 milhões de pobres na chamada Classe C, o desemprego mais baixo da história recente, milhões de novas moradias e a melhoria de diversos indicadores sociais. O país mudou para melhor econômica e socialmente. 
Mas, a continuidade da crise internacional e os problemas internos (econômicos e políticos) levaram à exaustão o modelo econômico vigente e mostraram os limites das políticas anticíclicas. Estamos num momento de impasse: a concepção desenvolvimentista utilizada pelo governo está exaurida e as ferramentas ortodoxas (“austeridade” e juros altos) utilizadas pelo ministro da fazenda Joaquim Levy estão provocando os problemas de sempre para os pobres (desemprego e ameaças a direitos sociais) sem mexer com os privilégios dos mais ricos.
Ainda não está claro se o governo federal conseguirá delinear no curto prazo outro modelo econômico, que assegure crescimento econômico e desenvolvimento social. Seria preciso mexer com o “andar de cima”, taxando os que lucram com a crise do país, mas várias forças conservadoras continuam insistindo no impeachment. Essa ameaça retarda a retomada do crescimento e do desenvolvimento.