Edição do dia 19/06/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Copa CFC Celso tem rodada em Alto Linha Santa Cruz, no domingo
ESPORTES - Líder João Alves encara o Rio Pardinho na primeira partida da tarde
Mundial Unisc de futsal feminino ocorre neste final de semana
ESPORTES
Copa Cidade: Esmeralda vence o Unidos da Villa
ESPORTES - Jogo aconteceu no estádio da Timbaúva, no Arroio Grande
Portaria amplia setores com trabalho permanente no domingo e feriado
GERAL - A portaria está publicada no Diário Oficial desta quarta-feira
Brasil empata com a Venezuela pela Copa América: 0 a 0
ESPORTES - Líder do Grupo A, Canarinho volta a campo sábado (22), contra o Peru
'Joga Pouco, Ajuda Muito' acontece nesta quinta
ESPORTES
Segundona Gaúcha: Presidente do Galo lamenta desclassificação
ESPORTES
Série D do Brasileiro: Avenida segue forte
ESPORTES - Direção espera estádio lotado para decidir vaga no segundo jogo, em casa, contra o Caxias
Computação Desplugada é realidade em escolas públicas de Santa Cruz do Sul
EDUCAÇÃO - Material didático do projeto Computação na Educação foi lançado na tarde desta terça-feira, 18, na Unisc
Ensino das escolas é discutido em todo o país
EDUCAÇÃO
Thiago Porto: enaltecendo a cultura santa-cruzense
VARIEDADES - Com mais de um milhão de visualizações no YouTube músico se prepara para mais um lançamento
Restaurante Mafalda: há 18 anos servindo gastronomia de qualidade
GERAL - O estabelecimento conta com buffet tradicional e buffet para viandas
Oficina de Apoio às Famílias será na próxima terça-feira
GERAL - O Riovale Jornal entrevistou a advogada Dra. Andjanete L. Mess Hashimoto, que explica o procedimento das atividades
Câmara aprova projeto de segurança
GERAL
Mercur chega aos 95 anos com livro publicado
EMPRESARIAL - Curso para inspirar um mundo mais colaborativo também foi disponibilizado
Corpus Christi: Fé e arte para celebrar a data
RELIGIÃO - Celebração inicia às 9 horas com missa na Catedral São João Batista e após procissão segue pelas principais ruas
Quem é contra a reforma da Previdência Social não é contra o Brasil
OPINIÃO
Um novo INSS
OPINIÃO

Políticas anticíclicas

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 01/08/2015

Vivemos um período de retração econômica no Brasil. A previsão para 2015 é de Produto Interno Bruto negativo (crescimento negativo), ou seja, encolhimento econômico: o total das nossas riquezas será valorado a menor em relação a 2014. Esse quadro econômico é agravado pela menor arrecadação de tributos, inflação em alta e elevação de juros (taxa Selic) para combater a inflação, formando uma espécie de círculo vicioso. A taxa Selic impacta na dívida pública: cada vez que a taxa sobe, devemos alguns bilhões de reais/dólares a mais. Entre as consequências sociais da retração econômica estão o menor poder aquisitivo dos salários e o desemprego. A sensação decorrente desse quadro é o sentimento de menor bem estar.
A ameaça de que aconteceria algo assim estava posta em 2008, por conta da crise financeira internacional. Naquele momento, o governo Lula optou por uma medida hetorodoxa (não convencional): chamou o povo para continuar comprando e consumindo e ao invés do governo gastar menos, reduzindo os investimentos no social (a tal política de “austeridade”), resolveu gastar mais, aumentando os investimentos. Isso foi feito para diminuir o impacto da crise internacional e acelerar a recuperação econômica do país. 
Essas medidas (já utilizadas em outros países) são conhecidas como “anticíclicas” porque operam em sentido contrário ao movimento cíclico da economia, que naquele momento estava em sentido decrescente. Se o governo economizasse recursos, a crise econômica tendia a se aprofundar. Como o governo investiu mais, esses recursos ajudaram a reduzir o impacto da crise. Como disse Lula na época, a crise internacional aqui não passou de uma “marolinha”.
O que deu certo no governo Lula continuou sendo utilizado no primeiro governo Dilma. O viés “anticíclico” continuou presidindo a política econômica do governo, orientado pelo enfoque desenvolvimentista. Foram mantidos investimentos fortes em ciência e tecnologia, educação, saúde, bolsa família e outros direitos sociais, além de reduzir impostos em diversos setores. O resultado social dessas medidas foi bem significativo: a redução da pobreza extrema, a inclusão de 40 milhões de pobres na chamada Classe C, o desemprego mais baixo da história recente, milhões de novas moradias e a melhoria de diversos indicadores sociais. O país mudou para melhor econômica e socialmente. 
Mas, a continuidade da crise internacional e os problemas internos (econômicos e políticos) levaram à exaustão o modelo econômico vigente e mostraram os limites das políticas anticíclicas. Estamos num momento de impasse: a concepção desenvolvimentista utilizada pelo governo está exaurida e as ferramentas ortodoxas (“austeridade” e juros altos) utilizadas pelo ministro da fazenda Joaquim Levy estão provocando os problemas de sempre para os pobres (desemprego e ameaças a direitos sociais) sem mexer com os privilégios dos mais ricos.
Ainda não está claro se o governo federal conseguirá delinear no curto prazo outro modelo econômico, que assegure crescimento econômico e desenvolvimento social. Seria preciso mexer com o “andar de cima”, taxando os que lucram com a crise do país, mas várias forças conservadoras continuam insistindo no impeachment. Essa ameaça retarda a retomada do crescimento e do desenvolvimento.