Edição do dia 18/10/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Os últimos dias da 35ª Oktoberfest
VARIEDADES - Confira o que aconteceu nesta semana e o que vai movimentar o fechamento da festa
1ª Semana Lixo Zero: Tudo pronto na programação
GERAL - Objetivo é incluir o município na lista de cidades com o título Lixo Zero, concedida pelo ILZ
Menos barulho nas comemorações de fim de ano
GERAL - Assembleia Legislativa aprovou dois projetos referentes ao uso de fogos de artifício
Evento apresenta o que há de melhor em arquitetura
GERAL - Os ambientes foram decorados por profissionais renomados
Equipe do Colégio Mauá se destaca no Nacional
GERAL
Novo Cabrais: Novas soberanas serão conhecidas nesta sexta
VARIEDADES
Novo Cabrais: Uma história que se constrói a cada dia
GERAL - Município comemora 23 anos de emancipação político-administrativa com desenvolvimento e progresso
Novo Cabrais: Saúde realiza atividade de prevenção
SAÚDE
Novo Cabrais: Feira de Saúde terá palestras sobre depressão e suicídio
SAÚDE - Evento tratará tema que vem em crescente demanda no município e na região e também oferecerá serviços gratuitos
Empregar RS disponibilizará 50 vagas
GERAL
Marcel Knak é o novo coordenador
GERAL - Ele será responsável por atender 23 municípios da região
Fios de Esperança: um ato de amor
GERAL - Projeto voluntário promove a autoestima e melhora a qualidade de vida de pacientes com câncer
Dia do médico: Celebre o profissional que cuida da sua saúde
ESPECIAIS
Dia do pintor: Eles dão mais cor ao nosso mundo
ESPECIAIS
Farsul em Campo: Seminário teve um dia repleto de atividades
GERAL - Evento contou com a participação de aproximadamente 150 pessoas
Pompéia de cara nova
EMPRESARIAL - A loja ampliou o espaço e o mix de produtos
Influencers Live Show: Gravações iniciam na próxima semana
GERAL - O programa vai ao ar a partir do dia 2 de novembro
Entrega de recursos ocorre na próxima terça-feira
GERAL

A moral contra o moralismo

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 08/08/2015

A moral é um assunto de importância vital em qualquer sociedade. Ela diz respeito àquilo que se considera certo e errado, correto e incorreto, bom e mau. Seu vínculo com a política é muito forte: o cidadão comum costuma utilizar noções morais para julgar os políticos, como “boa pessoa”, “ingrato”, “egoísta”. Se governo é visto como “bom”, sua aceitação social fica fortalecida. Do contrário, fica enfraquecida.
Em vários momentos da história brasileira, o discurso moral entrou na cena política com muita força: foi em momentos de implementação de reformas econômicas, sociais e políticas, com Getúlio Vargas e João Goulart, e vem sendo assim com Lula e Dilma. Nesses momentos, a moral foi transformada em “moralismo conservador”.
O moralismo conservador não está preocupado com mudanças em favor da justiça social, da inclusão social, do combate à pobreza, de preservação ambiental e outras questões fundamentais do ponto de vista moral. O moralismo foca em fatos e aspectos particulares das instituições políticas, suspeitas de corrupção. “Corrupção” é a palavra mágica para o moralismo. Toda a complexidade da política é reduzida à corrupção (dos adversários). 
O moralismo conservador é uma visão distorcida da moral, típica de elites e oligarquias ocupadas em manter tudo como está. O moralismo olha a parte e não olha o todo. Olha, por exemplo, certos problemas (dos outros) no presente e deixa de lado suas raízes históricas; faz escândalos sobre fatos reais ou supostos de corrupção (dos outros), mas não se constrange em justificar as desigualdades sociais, o fato dos pobres pagarem mais impostos que os ricos, o olho gordo das empresas internacionais de petróleo sobre o nosso pré-sal. É uma visão caolha, que não se espanta com o fato de que vários casos suspeitos escapam constantemente da mão dos investigadores.
A visão moralista constitui um perigo para a democracia, especialmente sob a combinação de forças políticas reacionárias, mídia concentrada em alguns grupos familiares e interesses de grandes corporações nacionais e internacionais. A mídia transforma as investigações e julgamentos em espetáculos diários. Os telejornais ditam o ritmo e até o conteúdo das investigações. Deslumbrados com os holofotes, certos agentes públicos assumem um ar salvacionista, como se estivesse a seu alcance mudar a política e a vida em sociedade. 
Contra o moralismo é preciso defender um senso moral equilibrado, lúcido e com visão histórica. Esse senso proporciona ao povo o discernimento necessário para apoiar a apuração e a punição dos mal-feitos, sem poupar alguns e condenar outros, protegendo as riquezas do país e exigindo a continuidade das reformas em curso em favor do combate à pobreza e em favor da inclusão social. A moral ajuda a defender as conquistas de inclusão social e combate às desigualdades. 
O moralismo hoje propõe o golpe. Para quem ainda não se deu conta dos seus riscos à luz da história brasileira, vale lembrar o exemplo da Itália: depois da “Operação Mãos Limpas”, quem ascendeu ao poder foi Silvio Berlusconi, empresário bilionário, neoliberal e condenado mais tarde por corrupção. Moral tacanha, política tacanha.