Edição do dia 18/10/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Os últimos dias da 35ª Oktoberfest
VARIEDADES - Confira o que aconteceu nesta semana e o que vai movimentar o fechamento da festa
1ª Semana Lixo Zero: Tudo pronto na programação
GERAL - Objetivo é incluir o município na lista de cidades com o título Lixo Zero, concedida pelo ILZ
Menos barulho nas comemorações de fim de ano
GERAL - Assembleia Legislativa aprovou dois projetos referentes ao uso de fogos de artifício
Evento apresenta o que há de melhor em arquitetura
GERAL - Os ambientes foram decorados por profissionais renomados
Equipe do Colégio Mauá se destaca no Nacional
GERAL
Novo Cabrais: Novas soberanas serão conhecidas nesta sexta
VARIEDADES
Novo Cabrais: Uma história que se constrói a cada dia
GERAL - Município comemora 23 anos de emancipação político-administrativa com desenvolvimento e progresso
Novo Cabrais: Saúde realiza atividade de prevenção
SAÚDE
Novo Cabrais: Feira de Saúde terá palestras sobre depressão e suicídio
SAÚDE - Evento tratará tema que vem em crescente demanda no município e na região e também oferecerá serviços gratuitos
Empregar RS disponibilizará 50 vagas
GERAL
Marcel Knak é o novo coordenador
GERAL - Ele será responsável por atender 23 municípios da região
Fios de Esperança: um ato de amor
GERAL - Projeto voluntário promove a autoestima e melhora a qualidade de vida de pacientes com câncer
Dia do médico: Celebre o profissional que cuida da sua saúde
ESPECIAIS
Dia do pintor: Eles dão mais cor ao nosso mundo
ESPECIAIS
Farsul em Campo: Seminário teve um dia repleto de atividades
GERAL - Evento contou com a participação de aproximadamente 150 pessoas
Pompéia de cara nova
EMPRESARIAL - A loja ampliou o espaço e o mix de produtos
Influencers Live Show: Gravações iniciam na próxima semana
GERAL - O programa vai ao ar a partir do dia 2 de novembro
Entrega de recursos ocorre na próxima terça-feira
GERAL

Participar, estilo de vida

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 29/08/2015

A participação regular em atividades sociais e políticas pode ser considerada a partir da noção de estilo de vida.
Estilo de vida implica em incorporar hábitos, que são adquiridos mediante repetição, insistência, continuidade. Exercícios físicos, por exemplo, afiguram-se como um enorme sacrifício para os sedentários, acostumados a rotinas do tipo casa-trabalho-casa. Para eles, a simples menção a atividades físicas já provoca cansaço! Para outros, que mantiveram atividades físicas regulares desde os tempos das brincadeiras de criança ou os incorporaram enquanto adultos, fazer exercício é algo “natural” e prazeroso, algo que “o próprio corpo pede”. 
De forma similar, a alimentação saudável. Para quem está acostumado ao consumo cotidiano de muita carne vermelha, frituras, refrigerantes, comida “fast food”, a alimentação saudável só se torna opção em circunstâncias extremas, requerendo sacrifícios tremendos. Entretanto, as pessoas que conseguem superar as resistências iniciais da reeducação alimentar aos poucos readquirem o prazer de comer, apreciando saladas, alimentos integrais e produtos orgânicos.
A excelência não é um ato, é um hábito. A frase é do filósofo grego Aristóteles, ao abordar a ética e a política. Todas as virtudes são alcançadas não num repente, mas por continuidade e repetição. Essa lição tem sido pouco lembrada na análise da baixa participação social e política da população brasileira. 
Aprende-se a participar, participando. Via de regra, a participação começa em espaços próximos, cotidianos, como a escola, a igreja, a associação de moradores. Essa experiência inicial é muito importante, servindo para estimular ou inibir a inserção em outros espaços, como conselhos, entidades, partidos e espaços governamentais. Semelhante ao que ocorre com exercícios físicos e alimentação, a criação do hábito de participar requer esforço pessoal e estímulo de outros. Quando o desestímulo provém de muitos lados, torna-se difícil incutir no cidadão comum o gosto para marcar presença ativa em debates e deliberações. Os que incorporam o hábito de participar, por outro lado, ficam propensos a se inserir nos espaços públicos, aceitando o convite para diferentes reuniões, encontros e eventos.
À luz dessas considerações, fica realçada a importância do Poder Público manter ao longo do tempo as alternativas de participação. Temos no Rio Grande do Sul dois bons exemplos. Um é o Orçamento Participativo de Porto Alegre. Criado nos governos do PT, no final dos anos 1980, vem sendo mantido até hoje nas várias administrações subsequentes. Boa parte dos cidadãos de Porto Alegre já se acostumou com a ideia de que o governo municipal abre espaço todos os anos para que os cidadãos ajudem a decidir o destino do dinheiro público. E estão transmitindo isso aos filhos.
Exemplo semelhante vem do governo do estado. Na gestão de Olívio Dutra foi inaugurado o Orçamento Participativo Estadual, depois readequado para Consulta Popular, remodelado para Sistema Participativo e hoje novamente Consulta Popular. O melhor formato é discutível, mas o fundamental é a continuidade, ao logo de décadas, da possibilidade de co-dividir com os governantes as prioridades de aplicação dos recursos públicos. Isso favorece na população o hábito de participar.