Edição do dia 19/06/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Copa CFC Celso tem rodada em Alto Linha Santa Cruz, no domingo
ESPORTES - Líder João Alves encara o Rio Pardinho na primeira partida da tarde
Mundial Unisc de futsal feminino ocorre neste final de semana
ESPORTES
Copa Cidade: Esmeralda vence o Unidos da Villa
ESPORTES - Jogo aconteceu no estádio da Timbaúva, no Arroio Grande
Portaria amplia setores com trabalho permanente no domingo e feriado
GERAL - A portaria está publicada no Diário Oficial desta quarta-feira
Brasil empata com a Venezuela pela Copa América: 0 a 0
ESPORTES - Líder do Grupo A, Canarinho volta a campo sábado (22), contra o Peru
'Joga Pouco, Ajuda Muito' acontece nesta quinta
ESPORTES
Segundona Gaúcha: Presidente do Galo lamenta desclassificação
ESPORTES
Série D do Brasileiro: Avenida segue forte
ESPORTES - Direção espera estádio lotado para decidir vaga no segundo jogo, em casa, contra o Caxias
Computação Desplugada é realidade em escolas públicas de Santa Cruz do Sul
EDUCAÇÃO - Material didático do projeto Computação na Educação foi lançado na tarde desta terça-feira, 18, na Unisc
Ensino das escolas é discutido em todo o país
EDUCAÇÃO
Thiago Porto: enaltecendo a cultura santa-cruzense
VARIEDADES - Com mais de um milhão de visualizações no YouTube músico se prepara para mais um lançamento
Restaurante Mafalda: há 18 anos servindo gastronomia de qualidade
GERAL - O estabelecimento conta com buffet tradicional e buffet para viandas
Oficina de Apoio às Famílias será na próxima terça-feira
GERAL - O Riovale Jornal entrevistou a advogada Dra. Andjanete L. Mess Hashimoto, que explica o procedimento das atividades
Câmara aprova projeto de segurança
GERAL
Mercur chega aos 95 anos com livro publicado
EMPRESARIAL - Curso para inspirar um mundo mais colaborativo também foi disponibilizado
Corpus Christi: Fé e arte para celebrar a data
RELIGIÃO - Celebração inicia às 9 horas com missa na Catedral São João Batista e após procissão segue pelas principais ruas
Quem é contra a reforma da Previdência Social não é contra o Brasil
OPINIÃO
Um novo INSS
OPINIÃO

Sindicato das instituições comunitárias

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 12/09/2015

Tem importante significado a iniciativa das universidades comunitárias do Rio Grande do Sul em criar um sindicato patronal próprio, separando-se das instituições privadas. Pode ser o prenúncio de um movimento mais amplo: o da organização das entidades do terceiro setor em fóruns de representação específicos, distintos dos fóruns das empresas privadas. 
A iniciativa de criar um sindicato patronal de Mantenedoras de Instituições Comunitárias de Ensino Superior está legitimada pela Lei das Instituições Comunitárias de Educação Superior - Lei 12.881/2013, que dispõe sobre a definição, qualificação, prerrogativas e condições de cooperação dessas instituições com o poder público. É uma lei inovadora, conquistada após anos de luta, que rompe no âmbito da educação superior com um traço tacanho da nossa cultura política e jurídica: o de considerar “privadas” as organizações criadas pela sociedade para atender finalidades públicas, coletivas. Essas organizações devem ser vistas como “terceiro setor”, diferentes do “primeiro setor” (setor público estatal) e do “segundo setor” (setor privado).
Pela Lei 12.881/2013, as universidades comunitárias não são privadas. Elas constituem um segmento social e econômico específico. Por isso, é coerente que as comunitárias tenham seu sindicato patronal próprio, separado do SINEPE/RS – Sindicato do Ensino Privado, instituição filiada à FENEP - Federação Nacional das Escolas Particulares.
A mistura entre entidades privadas e entidades comunitárias prejudica a compreensão do povo acerca do que é próprio de umas e de outras. A mistura favorece a confusão e dificulta um discurso próprio de cada qual. Aliás, falando de modo genérico, tem muito dirigente de entidade sem fins lucrativos que usa a mesma retórica das entidades privadas lucrativas.
A distinção é nítida. As entidades privadas (particulares) são aquelas que têm proprietário(s) particular(es), que visam lucro, a ser apropriado pelo(s) proprietário(s). As entidades comunitárias são associações ou fundações que pertencem à sociedade civil e visam finalidades coletivas (educação, saúde, cultura e outras), com reinvestimento do resultado econômico na própria organização. 
A separação de comunitárias e privadas em fóruns representativos próprios não se apoia em nenhum julgamento moral do tipo umas são “boas” e outras são “más”. O terceiro setor não é “melhor” que o setor privado. Eles se diferenciam por suas características e razões de ser.
A criação do Sindicato das Comunitárias, portanto, deve ser vista como inovação de um setor que busca uma identidade pública própria, que não quer mais ser confundido com o setor privado. Se o novo sindicato vai tratar os empregados (professores) das universidades comunitárias de um modo “melhor” que o Sinepe, isso é algo que o tempo mostrará. 
Há uma polêmica envolvendo a criação do novo sindicato, que não prejudica o argumento apresentado até aqui. A polêmica envolve a inclusão na nova entidade sindical das mantenedoras de instituições “sem fins lucrativos”. Esse termo (sem fins lucrativos) é mais amplo e abrange as escolas, que não estão regradas pela Lei 12.881/2013. O aspecto legal dessa junção é discutível, mas conceitualmente ela se justifica: as comunitárias e as organizações sem fins lucrativos fazem parte do terceiro setor.