Edição do dia 06/12/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Operação Papai Noel começa na próxima Terça-feira
GERAL - A novidade é a implantação da uma base móvel, equipada com câmeras, computadores e outros dispositivos de segurança
Multi Espaço VIA 9: cultura, educação e um bom café
GERAL - O local conta com loja de artesanatos e realiza diversos eventos e atividades
Neste sábado tem Prefeitura nos Bairros
GERAL
Feira do Livro de 2020 será em maio
GERAL - Patrona, Homenageado e Personalidade Incentivadora da Leitura foram divulgados nesta sexta-feira
Secretaria de Cultura registra 172 entes e agentes culturais
POLÍTICA - Cadastro havia sido fechado em agosto, mas foi reaberto no mês passado
Força-Tarefa fiscaliza supermercado no centro
GERAL - Ação realizou a segunda operação do grupo em Santa Cruz nesta semana
Campanha realiza exames preventivos gratuitos de câncer de pele neste sábado
SAÚDE - Os atendimentos acontecem das 9h às 15h, no Ambulatório do COI do Hospital Ana Nery
Greve do Magistério atinge mais de 1,5 mil escolas
EDUCAÇÃO - Com 80% de participação da categoria, a greve é considerada histórica
Economista dá dicas para utilizar o 13ºsalário
ECONOMIA - O pagamento é uma oportunidade para colocar as finanças em dia, afirma Silvio Cezar Arend
Cartório ainda aguarda mais de 30 mil para recadastramento biométrico
GERAL
Inscrições abertas para o Educar-se nas Férias 2020
EDUCAÇÃO
Alta no preço da carne resulta no aumento da Cesta Básica
ECONOMIA
Saiba os dias de abertura do comércio neste Natal
GERAL
Novo Cabrais: Bryan é mais um ganhador da promoção
GERAL
Novo Cabrais: Escolinha ACF é campeã geral da Uef Cup
ESPORTES
Abertura da Christkindfest acontece hoje
VARIEDADES - Programação se estende até o dia 22 de dezembro, com atividades artísticas e culturais e Casa do Papai Noel
Storch Contabilidade conta com novas e modernas instalações
GERAL
Novo Cabrais: Proerd forma 34 alunos
GERAL

Imposto sobre lucros e dividendos

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 19/09/2015

Que o Brasil vem sendo historicamente um dos países com maior desigualdade econômica e social do mundo, isso boa parte do povo brasileiro sabe. Que as desigualdades diminuíram um pouquinho nos últimos anos, a partir das políticas sociais e da ascensão de cerca de 40 milhões de pessoas à chamada Classe C (baixa classe média), muita gente sabe. O que pouca gente consegue é entender os mecanismos que asseguram os privilégios dos ricos e super-ricos.
Um desses mecanismos é o formato dos impostos que pagamos. No Brasil, os impostos sobre o consumo, que todos pagam, pesam muito mais na arrecadação dos governos do que os impostos sobre lucro, propriedade e renda. Por isso, os pobres (que consomem, mas têm pouca renda, pouca propriedade e nenhum lucro) pagam proporcionalmente muito mais imposto que a classe média, que por sua vez paga muito mais imposto que os ricos e super-ricos.
Pesquisadores do IPEA têm alertado para o significado de uma das leis mais injustas, que só existe aqui e na Estonia: a Lei 9.249/1995, criada no primeiro governo Fernando Henrique Cardoso, que isenta de tributação lucros e dividendos de acionistas de empresas. Até 1995 havia tributação. A justificativa para a isenção, à época, foi evitar que o lucro já tributado na empresa, que paga Imposto de Renda da Pessoa Jurídica, fosse novamente taxado quando se convertesse em renda pessoal, com a distribuição de dividendos. Essa isenção faz com que grande parte do que ganham os ricos não seja tributada, explicaram os pesquisadores em audiência no Senado há poucos dias.
Os dados colhidos pelos pesquisadores mostram que os 71.440 brasileiros que ganham mais de R$ 1,3 milhão por ano pagaram apenas 6,7% sobre toda a sua renda. Para fins de comparação, pessoas de classe média com renda entre R$ 162,7 mil e R$ 325,4 mil pagaram em média 11,8%.
O mais impressionante é que todo o déficit do orçamento de 2016, na ordem de R$ 32 bilhões, seria coberto com o fim dessa lei esdrúxula. Mediante a cobrança de imposto de 15% sobre lucros e dividendos, o governo teria uma arrecadação adicional de R$ 43 bilhões ao ano, calculam os economistas do IPEA. Não precisaríamos de cortes de despesas sociais nem de outros impostos.
Trata-se de uma pauta política fundamental para o desenvolvimento do país. A injustiça tributária é indiscutível, a nossa matriz tributária é regressiva: quem tem mais paga menos, quem tem menos paga mais – o oposto do senso de justiça social. 
O que se vê nas ruas é um grande desconhecimento, para a alegria de milionários que querem um país de primeiro mundo pagando quase nada. Muitos pequenos empresários e trabalhadores fazem coro com mega-empresários quando deveriam apoiar projetos de lei que já tramitam no Congresso prevendo a tributação dos dividendos, excetuando empresas que participam do Simples Nacional.
Em lugar de um “impostômetro” precisamos de um “injustômetro”. Ao invés de criticar genericamente a nossa alta carga tributária, precisamos medir as injustiças e superá-las.