Edição do dia 20/08/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Lançamento da 32ª edição acontece hoje à noite
VARIEDADES - Com o tema Literatura em Rede, a Feira do Livro ocorre entre os dias 4 a 10 de setembro na Praça Getúlio Vargas
Aula inaugural marca início da primeira turma da Escola de Gestão
GERAL
Missão em Israel é tema de aula inaugural na Unisc
ECONOMIA
1º Seminário Desafios do Empreendedor ocorre em Santa Cruz do Sul
GERAL - O evento será realizado dia 29 de agosto, no Hotel Charrua
Santa Cruz receberá desafio de carros superesportivos
GERAL - Encontro ocorre no feriado, de 7 de setembro, no Aeroporto Luiz Beck da Silva, em Linha Santa Cruz. Provas reunião carros superesportivos de alto desempenho
Professor da Unisc lança documentário sobre cicloviagem na Carretera Austral
GERAL
Entenda a guerra contra o cigarro no Brasil
GERAL - Tentativas frustradas de favorecer o setor e impasses judiciais têm causado preocupação
Hidroginástica: Sesc oferece aulas em parceria com a Raia 7 Centro Aquático
GERAL
Copa HB20: Sena Jr. vence e Roncen chega em 7º
ESPORTES
MB Challenge: Correndo em casa, Fernando Jr. conquista pódio
ESPORTES
Lifasc: Semifinalistas definidos
ESPORTES
Assaf sofre derrota em Venâncio Aires
ESPORTES
Avenida chega na semana de estreia na Copinha
ESPORTES
Cras Integrar do Bairro Bom Jesus realizou formatura de inglês
EDUCAÇÃO
Abertas inscrições para Reunião sobre Plantas Bioativas
GERAL
Palavra puxa Palavra é tema de evento
GERAL
Mais de 900 mil reais serão investidos
GERAL - Valor será aplicado em livros e praça de brinquedos
Rodada aborda a Lei de Proteção de Dados
GERAL

O engodo do dólar

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 26/09/2015

A mídia tem direito a ter preferências. Um canal de TV ou um jornal pode manifestar sua predileção por uma força política em detrimento de outra. Ser de situação ou de oposição ao governo faz parte da livre expressão democrática.
Outra coisa é a falsificação de notícias ou a cobertura enganosa dos acontecimentos. Para evitar falsidades e enganos, é preciso que o jornalista ou articulista conheça a área, seja política, economia, cultura ou outra. 
Chamam a atenção os vícios na cobertura jornalística de temas políticos e econômicos. O jornalista Luiz Nassif escreveu, a propósito, que um dos vícios mais recorrentes da imprensa é a síndrome do "maior desastre". Esse vício consiste em comparar um indicador ruim com o pior indicador anterior. Tipo: foi o pior desempenho desde o mês tal ou o ano tal, não levando em conta se isso é tecnicamente apropriado. 
É mau jornalismo fazer comparações indevidas. Informar que “temos a taxa mais alta de inflação desde o mês tal” ou “é o maior aumento da gasolina desde o ano tal” muitas vezes além de não indicar nada de importante pode falsear a compreensão do fenômeno numa escala de tempo maior.
Uma situação atual é ilustrativa: a cotação do dólar. As manchetes cometem brutais impropriedades, segundo Nassif, quando comparam o valor do dólar atual ao de períodos anteriores sem deflacionar. Manchetes tipo "o dólar atinge a maior cotação da era do real" são tão absurdas quanto dizer que os automóveis de hoje têm preços muito mais altos do que há 20 anos. É claro que os carros têm preço nominal maior, por conta da inflação. 
Ao comparar a cotação do dólar hoje com o valor do dólar em anos anteriores é preciso adotar o mesmo cuidado que se deve ter quando se compara os preços de qualquer produto, seja geladeira, feijão, aluguel ou gás de cozinha.
Para obter a cotação efetiva (real) do dólar, informa Nassif, o indexador utilizado é o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Ampliado). Corrige-se o real pelo IPCA, corrige-se o dólar pela inflação dos EUA e faz-se a conversão, chegando-se assim ao câmbio efetivo. É matemática, não tem segredo para os jornalistas experimentados em economia.
Essa matemática nos leva a resultados surpreendentes: o valor efetivo do dólar de setembro de 2015 a R$ 4,00 é o mesmo valor real do dólar de R$ 0,85 em setembro de 1994, isto é, após a apreciação de 15% imposta pelo Plano Real. E o mais surpreendente: em outubro de 2002, após a vitória de Lula, o valor efetivo do dólar equivalia a um dólar atual na casa dos R$ 8,76. Isso mesmo: R$ 8,76! Antes, após a maxidesvalorização de janeiro de 1999 o dólar estava a R$ 4,37 em valores de agora. De janeiro de 1999 a setembro de 2005 não houve nenhum mês em que o dólar médio tenha sido inferior a R$ 4,00. 
Síndrome do “maior desastre”: um vício a ser evitado pelo jornalismo responsável.