Edição do dia 15/10/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Shows tradicionalistas são atração desta quarta-feira na 35ª Oktoberfest
GERAL - Festa da Alegria terá apresentações do Grupo Fandangaço, às 20h, e Os Serranos, às 22h30, no Lonão
Dia do Professor: educação para a erradicação do trabalho infantil
GERAL - Conheça a história de dois profissionais que estão na linha de frente do programa ARISE, iniciativa que muda a realidade de crianças e adolescentes
Praça da Cultura levará o nome de José Paulo Rauber Filho
GERAL - Inauguração do local ocorreu no sábado, 12 e contou com a presença da família do homenageado
Terça-feira será de ponto facultativo nas escolas
GERAL - Além das escolas municipais e estaduais, algumas particulares também não terão aula neste dia
Dia do Eletricista é nesta quinta-feira
GERAL - Data marca a importância do profissional habilitado
Inscrições abertas para a Escola de Educação Infantil
GERAL - Há vagas gratuitas e pagas para crianças de 4 e 5 anos
Rodrigo Solda é o novo presidente
GERAL - Além dele, outros prefeitos foram empossados para a diretoria e conselho fiscal do biênio 2020/2021
Evento discute problemas do contrabando e a pirataria
GERAL - Palestra apresentou dados sobre as ameaças do mercado ilegal para a economia
Sicredi Vale do Rio Pardo enaltece o cooperativismo durante o desfile da 35ª Oktoberfest
GERAL
Quase 17 milhões já foram emprestados pelo município
GERAL
Primeiros dias de Oktoberfest superam 54,6 mil pessoas pagantes
GERAL - Semana segue repleta de atrações
Fala, professor!
EDUCAÇÃO - Especial Dia do Professor
Histórico da data
EDUCAÇÃO - Especial Dia do Professor
O profissional que dedica a sua vida a ensinar
EDUCAÇÃO - Especial Dia do Professor
O big bang é o Operacional Divino
OPINIÃO
Permitir não é obrigar
OPINIÃO
Caspary conta a sua história (parte II)
OPINIÃO
Terminou a primeira rodada da segunda fase
ESPORTES - Bom Jesus, São José e Formosa saíram na frente

O engodo do dólar

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 26/09/2015

A mídia tem direito a ter preferências. Um canal de TV ou um jornal pode manifestar sua predileção por uma força política em detrimento de outra. Ser de situação ou de oposição ao governo faz parte da livre expressão democrática.
Outra coisa é a falsificação de notícias ou a cobertura enganosa dos acontecimentos. Para evitar falsidades e enganos, é preciso que o jornalista ou articulista conheça a área, seja política, economia, cultura ou outra. 
Chamam a atenção os vícios na cobertura jornalística de temas políticos e econômicos. O jornalista Luiz Nassif escreveu, a propósito, que um dos vícios mais recorrentes da imprensa é a síndrome do "maior desastre". Esse vício consiste em comparar um indicador ruim com o pior indicador anterior. Tipo: foi o pior desempenho desde o mês tal ou o ano tal, não levando em conta se isso é tecnicamente apropriado. 
É mau jornalismo fazer comparações indevidas. Informar que “temos a taxa mais alta de inflação desde o mês tal” ou “é o maior aumento da gasolina desde o ano tal” muitas vezes além de não indicar nada de importante pode falsear a compreensão do fenômeno numa escala de tempo maior.
Uma situação atual é ilustrativa: a cotação do dólar. As manchetes cometem brutais impropriedades, segundo Nassif, quando comparam o valor do dólar atual ao de períodos anteriores sem deflacionar. Manchetes tipo "o dólar atinge a maior cotação da era do real" são tão absurdas quanto dizer que os automóveis de hoje têm preços muito mais altos do que há 20 anos. É claro que os carros têm preço nominal maior, por conta da inflação. 
Ao comparar a cotação do dólar hoje com o valor do dólar em anos anteriores é preciso adotar o mesmo cuidado que se deve ter quando se compara os preços de qualquer produto, seja geladeira, feijão, aluguel ou gás de cozinha.
Para obter a cotação efetiva (real) do dólar, informa Nassif, o indexador utilizado é o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Ampliado). Corrige-se o real pelo IPCA, corrige-se o dólar pela inflação dos EUA e faz-se a conversão, chegando-se assim ao câmbio efetivo. É matemática, não tem segredo para os jornalistas experimentados em economia.
Essa matemática nos leva a resultados surpreendentes: o valor efetivo do dólar de setembro de 2015 a R$ 4,00 é o mesmo valor real do dólar de R$ 0,85 em setembro de 1994, isto é, após a apreciação de 15% imposta pelo Plano Real. E o mais surpreendente: em outubro de 2002, após a vitória de Lula, o valor efetivo do dólar equivalia a um dólar atual na casa dos R$ 8,76. Isso mesmo: R$ 8,76! Antes, após a maxidesvalorização de janeiro de 1999 o dólar estava a R$ 4,37 em valores de agora. De janeiro de 1999 a setembro de 2005 não houve nenhum mês em que o dólar médio tenha sido inferior a R$ 4,00. 
Síndrome do “maior desastre”: um vício a ser evitado pelo jornalismo responsável.