Edição do dia 14/06/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Jaqueline na maior liga do atletismo mundial
ESPORTES - Atleta da AMO participou da Diamond League em Rabat, Marrocos
Maurício Scota conquista 4 ouros nos JUGS
ESPORTES - Nadador está classificado para os Jogos Universitários Brasileiros
Mauá traz três primeiros lugares da primeira etapa do Estadual de Ginástica Rítmica
ESPORTES - Alice Silva, Júlia Furtado e Rafaela Cavalheiro conquistaram títulos nas suas categorias
Câmara aprova criação de comissão processante e escolhe membros
GERAL
Computação na Educação lança material didático nesta terça-feira na Unisc
EDUCAÇÃO
OAB promove palestra: Vamos conversar sobre o racismo?
GERAL
Unidos da Villa e Esmeralda fazem o jogo dos líderes do grupo B
ESPORTES - No domingo, Copa Cidade Miller Supermercados teve vitórias do San Lorenzo e Margarida
Lifasc Sub-18: João Alves se isola ainda mais na liderança
ESPORTES - Equipe derrotou o Aliança por 2x0 neste domingo e mantém-se invicto
DESENVOLVIMENTO REGIONAL: Corede/VRP faz renovação da Assembleia
GERAL - Encontro para a definição dos novos integrantes ocorre no dia 25 de junho, na sala 101 da Unisc
Cursos de Gastronomia e Nutrição da Unisc promovem prática culinária com alunos do Uniama
GERAL
APAE promove Feijoada
GERAL
Educar-se promove novo encontro para famílias
EDUCAÇÃO
Mais de 1,1 mil candidatos realizam o Vestibular de Inverno da Unisc
GERAL
Com dois jogadores a menos, Avenida arranca empate em Caxias
ESPORTES - Periquito decidirá mata-mata dentro dos Eucaliptos
Santa Cruz empata e está fora da Segundona
ESPORTES - Galo ficou no 0 a 0 com o Guarany, em Bagé
Endurance Brasil: Xandy e Xandinho Negrão continuam líderes
ESPORTES - Pai e filho fecham a terceira etapa de Santa Cruz do Sul com pódio e mantêm a liderança na geral e na categoria GT3
Pinheiral leva o bicampeonato no Futebol Sete Master da Lifasc
ESPORTES - Equipe derrotou o Linha Santa Cruz na decisão, por 4x3 de virada, em partida eletrizante
De camisa branca, o Brasil vence na estreia
ESPORTES - Seleção fez 3 a 0 sobre a Bolívia pela Copa América

O maior dos escândalos

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 21/04/2017

O maior dos escândalos não é a corrupção. Não que ela seja de menor importância, ao contrário, deve ser combatida tanto por sua magnitude como pelas nefastas consequências que acarreta. Não apenas no mundo da política, mas também no das relações econômicas e sociais privadas, a corrupção equivale à busca do benefício próprio a qualquer custo, sem respeitar os limites do bem comum.

O maior dos escândalos é ao mesmo tempo mais gritante e mais sutil, porque está “normalizado”: ele tem a ver em boa parte com o que é considerado “normal”. Trata-se da abissal desigualdade econômico-social que caracteriza o mundo. Não só o Brasil; é um fato do planeta no seu todo, uma característica do conjunto do capitalismo mundial.

Quem gasta o seu tempo todo falando apenas da corrupção pode estar ajudando a retardar o inadiável debate público sobre a desigualdade. Esta é uma das funções ideológicas da mídia: ajudar a mascarar as raízes das contradições econômicas, que se manifestam no contraste entre a opulência de uma parte da humanidade que adoece em face do consumo excessivo e a miséria de outra parte, que morre por conta da carência do mais básico para a sobrevivência.

A justa atenção dada à corrupção não pode ser dissociada daquela dada à desigualdade. Não no momento em que a distância entre ricos e pobres é a maior de todos os tempos. A humanidade já foi muito, muito mais pobre, mas nunca tão desigual no acesso a bens e serviços. O que você diria de uma situação em que entre cem pessoas uma tivesse tanta renda quanto as outras 99 somadas? Pois é exatamente essa a situação mundial. A organização inglesa Oxfam divulgou no ano passado o documento intitulado “A Economia para o 1%”, no qual se mostra que o 1% mais rico da população mundial detém mais riquezas do que todo o restante, que poderes e privilégios são usados para garantir o benefício de poucos e que uma rede global de paraísos fiscais permite aos mais ricos esconder 7,6 trilhões de dólares das autoridades fiscais.

Que sirva de alerta: além de prestar atenção ao uso ilícito de cargos públicos para fins corruptivos, devemos estar ligados nas formas menos visíveis, tidas como lícitas e normais, para enriquecer às custas do trabalho coletivo.