Edição do dia 12/11/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Mudanças são anunciadas nas secretarias
GERAL
Dia de visitações, experiências e expectativas no Viva Unisc 2019
GERAL
Solenidade marca aniversário do General Gomes Carneiro
GERAL - Na ocasião também foi comemorada a chegada do III Batalhão ao município
Pequenas atitudes
OPINIÃO
Verrugas Estelares
OPINIÃO
Em defesa da vida
OPINIÃO
CDL aponta 800 vagas temporárias
ECONOMIA - Expectativa é de boas oportunidades de emprego para o período
ACI: Eleição ocorre hoje
GERAL
Vigilância Colaborativa: Lançamento do Programa acontece hoje
GERAL
GREVE: Polícia Civil paralisa nesta quarta-feira
POLÍCIA
Campeonato Municipal inicia no próximo dia 22
ESPORTES
AMO/Unimed VTRP: Atletas brilham pelo estado
ESPORTES
Dois times largam com vitória na estreia da Copa Lisaruth
ESPORTES
Estadual sub 19: Santa Cruz vence fora e fica perto da final
ESPORTES
Regional: São José larga na frente nas semifinais
ESPORTES
Universidade aguarda mais de cinco mil estudantes
GERAL
Bate papo: Doações por incentivos fiscais
ECONOMIA
Comdica realiza 4ª Noite Cultural na Unisc
VARIEDADES - O evento que tem entrada franca visa enaltecer projetos sociais realizados por diversas entidades

Quem ganha fortunas com o golpe

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 05/05/2017

O governo Temer é um desastre para o país, mas há quem esteja ganhando fortunas. É impossível dimensionar os ganhos dos grupos empresariais que patrocinaram o golpe, mas há alguns fatos documentados e há estimativas sérias sobre quem são, até agora, os beneficiados pelo golpe. Apresento cinco casos de conhecimento público, que não foram tratados como escândalo pela mídia apesar de sua gravidade. 

Um: 25 bilhões de reais para o Banco Itaú, que foi dispensado há poucos dias pelo CARF (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais) de pagar impostos relativos à fusão com o Unibanco (Jornal GGN, 12/04/2017).

Dois: 100 bilhões de reais para a OI e empresas de telefonia, com a aprovação da nova lei de Telecomunicações no Congresso (suspensa pelo STF, mas o governo já fez a sua parte para presentear as teles) (Estadão, 21/12/2016).

Três: 50 bilhões de reais para a petroleira norueguesa Stateoil, que adquiriu o campo de petróleo Carcará por 8,5 bilhões de dólares, o qual vale no mínimo U$ 22 bilhões (blog Tijolaço, 29/07/2016). 

Quatro: 100 bilhões de reais para a petroleira francesa Total, que adquiriu dois campos da Bacia de Santos por 2 bilhões de dólares, que valem entre 33 e 100 bilhões de dólares. (Federação Única dos Petroleiros, 03/04/2017)

Cinco: R$ 2,7 bilhões para a Ultragaz, que adquiriu a Liquigás, pertencente à Petrobras, pelo valor de R$ 2,8 bilhões, considerado irrisório (blog Brasil 247, 11/02/2017).

A soma de apenas estas cinco decisões alcança R$ 277,7 bilhões. Isso mesmo: quase 300 bilhões! Tudo para grandes grupos nacionais ou internacionais.

O olho grande das petroleiras internacionais continua, pois o pré-sal no seu conjunto está avaliado em pelo menos U$ 600 bilhões. Há muitos outros beneficiados. As verbas publicitárias para a Globo, Veja e os jornalões, por exemplo, cresceram notoriamente. Os grandes devedores da Previdência não estão sendo cobrados, e por aí vai.

Aos desavisados a mídia diz que são grandes as cifras de recuperação de valores obtidos pela Lavajato: R$ 10 bilhões em três anos (EBC, 17/03/2017). História pra boi dormir. Apenas o escândalo do Itaú é duas vezes e meia esse valor. Na real, o fato é que agora as raposas cuidam do galinheiro.