Edição do dia 12/11/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Mudanças são anunciadas nas secretarias
GERAL
Dia de visitações, experiências e expectativas no Viva Unisc 2019
GERAL
Solenidade marca aniversário do General Gomes Carneiro
GERAL - Na ocasião também foi comemorada a chegada do III Batalhão ao município
Pequenas atitudes
OPINIÃO
Verrugas Estelares
OPINIÃO
Em defesa da vida
OPINIÃO
CDL aponta 800 vagas temporárias
ECONOMIA - Expectativa é de boas oportunidades de emprego para o período
ACI: Eleição ocorre hoje
GERAL
Vigilância Colaborativa: Lançamento do Programa acontece hoje
GERAL
GREVE: Polícia Civil paralisa nesta quarta-feira
POLÍCIA
Campeonato Municipal inicia no próximo dia 22
ESPORTES
AMO/Unimed VTRP: Atletas brilham pelo estado
ESPORTES
Dois times largam com vitória na estreia da Copa Lisaruth
ESPORTES
Estadual sub 19: Santa Cruz vence fora e fica perto da final
ESPORTES
Regional: São José larga na frente nas semifinais
ESPORTES
Universidade aguarda mais de cinco mil estudantes
GERAL
Bate papo: Doações por incentivos fiscais
ECONOMIA
Comdica realiza 4ª Noite Cultural na Unisc
VARIEDADES - O evento que tem entrada franca visa enaltecer projetos sociais realizados por diversas entidades

Focando no Esporte

Focando no Esporte - Júlio Mello - 12/05/2017

Silvio BarbosaSilvio Barbosa Crédito: Julio Mello

A ideia foi muito boa, mas o público não

Realmente fazer esporte em Santa Cruz é complicado. Primeiro que a falta de apoio é uma realidade, e a segunda é o público. Os eventos esportivos têm tido pouca adesão nos últimos tempos. Vejam o Jogo pela Vida da semana passada nos Plátanos. Pouco mais de 100 pagantes foram até o estádio para ver as estrelas do futebol. E olha que estavam o ex-zagueiro do Inter, o Bolívar, e o ex-goleiro do Grêmio, Danrlei, entre outros. O que pode ter acontecido? Sinceramente faz tempo que venho acompanhando este tipo de fenômeno. Em alguns casos não tem explicação. Para outros casos, as programações não agradam algumas pessoas, e em demais ocasiões, os ingressos não são compatíveis com o evento em si. Em todo caso, este evento nos Plátanos merecia uma maior adesão. Será que foi feito em uma data não propícia? Concorreu diretamente com o jogo do Avenida? Será que fizeram certo em marcar no mesmo dia do jogo do Avenida? Vejam bem: não estou julgando, estou apenas fazendo algumas perguntas para que num futuro possamos, quem sabe, ter um público maior nos eventos.
 
No começo do projeto

O tricolor de Santa Cruz, a Assaf, perdeu fora de casa no meio da semana. Começou com vitória em casa diante do Passo Fundo. Não será uma tarefa fácil para a direção da equipe, pois optou por jogadores feitos em Santa Cruz e não vai contratar ninguém de fora. A Série Prata é dura e terá confrontos de grandes dificuldades. Prova disso foi o jogo de quarta-feira, diante do Salto do Jacuí. Time que tem o Paulinho Cambalhota e o esquerdinha Marcos Adriano. E ainda com um probleminha caminhando junto com as dificuldades, o “apito amigo”. Infelizmente as arbitragens não estão à altura das equipes. A FGFS tem o dever de colocar os melhores para apitar, e não achando que colocar qualquer um para trabalhar é normal. Tanto não é normal que os clubes gastam demais para a montagem e suas equipes.

Os clubes ainda continuam pagando arbitragens e infelizmente não ganham um retorno de qualidade. O correto seria a própria Federação bancar estes custos. Seria apropriado, já que eles não são avaliados da forma correta. Nem punidos são. Erram, continuam errando e fica tudo na mesma. Daqui a pouco estão os mesmos apitando o teu jogo de novo.
 
O “apito amigo” é complicado

No jogo de quarta-feira, em Salto do Jacuí, a arbitragem teve uma importância além do normal. Aliás, em alguns jogos os homens do apito interferem de maneira crucial. E foi justamente o que aconteceu. O jogo estava 3x3 e bem disputado. Quando entrou o “apito amigo” em jogo. O ala Marcionei foi expulso ao fazer falta em Marcos Adriano e, em seguida, um jogador adversário fez a mesma falta e também já tinha cartão amarelo. O que aconteceu? Nada, nada e nada. No final do jogo, o delegado Sérgio Lermen afirmou para este jornalista, que iria relatar para a direção da Agafusa. Não posso duvidar da palavra deste senhor, já que o conheço de longa data. Agora é necessário que haja mais atitude de algumas arbitragens principalmente quando a Assaf joga fora. Pois nestes locais as arbitragens recebem muita pressão.

Um dos mais firmes que já conheci

Não tenho procuração para defender o Silvio Barbosa aqui da Asca de Santa Cruz, mas é um dos mais firmes que já conheci no apito. Ele até pode errar, mas não com medo de A ou B. Eu o conheço e já tem alguns anos. Trata-se de um cara que começou no futebol amador e sempre foi correto em tudo que lidou no meio esportivo. Tem jogador e dirigente de clube que o querem em seus jogos. Porque com ele em campo não tem afago, ou joga ou vai embora tomar banho mais cedo. Infelizmente o corporativismo dos que apitam jogos é uma realidade. No futsal são quatro membros, e no campo são cinco com o delegado do local onde o jogo é realizado. Na verdade, todos eles deveriam se ajudar, mas ocorre o contrário. Quando um deles erra, o outro, em vez de corrigir, segue com o erro. Portanto, vou sempre elogiar quem tem postura e criticar os erros graves destes homens que podem mudar o rumo de uma partida.

 


 

Tchelé está fora do jogoTchelé está fora do jogo Crédito: Julio Mello

Chegou a hora da verdade

No próximo domingo, o Avenida encara o Esportivo lá em Bento Gonçalves na Montanha dos Vinhedos. Estaremos lá para ver mais esta grande partida pelas quartas-de-final da Divisão de Acesso. Depois de ficar em primeiro lugar na fase de classificação, o Periquito pega o quarto lugar da chave B, ou seja, o Esportivo, que tirou o Brasil de Farroupilha. O time deles tem jogadores experientes e com bastante rodagem pelos campos do nosso interior. Sem dúvida que teremos um jogão de bola neste domingo. O primeiro jogo lá, e depois o segundo aqui nos Eucaliptos.

Sem o atacante Tchelé, mas...

O Avenida vai encarar o Esportivo sem o atacante Tchelé, que se lesionou na partida contra o Pelotas. Este entrou bem na equipe. Tem força e uma velocidade fora do normal. Contudo, ele está fora, mas o técnico Fabiano Daitx terá Paulinho Simionato e Willian Ribeiro, totalmente recuperado da lesão na coxa. O grupo é forte e tem totais condições de passar para a semifinal da competição. Paulinho é atacante de força e de boa técnica na hora da finalização, um grande goleador. Já Willian Ribeiro é um inferno para o marcador. Corre como se fosse uma lebre e aí, para pegar, só atirando. Que o digam os seus adversários até o momento. Duas boas alternativas para o treinador.
 


 

Fejão do BocaFejão do Boca Crédito: Julio Mello

E o Inter?

A direção do Inter vai mesmo bancar o treinador Zago neste começo de Série B. O pensamento dos mandatários é de que, se o treinador não for bem nos primeiros jogos, eles mudam. Caso contrário, segue o trabalho deste senhor à frente do Inter. Entendo que este não é o treinador para o colorado subir de divisão.

Bom atacante

Chegou ao Beira-Rio um dos bons atacantes no atual momento do futebol brasileiro. O nome dele é William Pottker, e já chegou fazendo gol no treino de ontem. Com todo respeito aos demais atacantes, mas esse aí é de verdade. Que bom se o Inter pudesse contratar mais um zagueiro, um volante, um meia e mais um para ajudar este que se apresentou.
 
Jogos quentes na Copa Cidade

O final de semana vai ser de arrepiar pela Copa Cidade. Teremos grandes confrontos e clássicos neste final de semana. Até acho que alguns enfrentamentos poderiam ser, na verdade, uma final. Mas campeonato é isso: quando menos se espera, os favoritos se enfrentam antes. Bom Jesus x Boca Juniors é jogão de bola. Me disseram que o Boca tem uma seleção de jogadores. Do outro lado tem um time feito de ótimos jogadores. No lado do Boca tem Fejão e Romarinho, e no Bom Jesus os irmãos Redondo e Marrom. Baita confronto. Quem vence? Eu não sei. Vou assistir de camarote.

 

Redondo do Bom JesusRedondo do Bom Jesus Crédito: Julio Mello