Edição do dia 20/08/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Lançamento da 32ª edição acontece hoje à noite
VARIEDADES - Com o tema Literatura em Rede, a Feira do Livro ocorre entre os dias 4 a 10 de setembro na Praça Getúlio Vargas
Aula inaugural marca início da primeira turma da Escola de Gestão
GERAL
Missão em Israel é tema de aula inaugural na Unisc
ECONOMIA
1º Seminário Desafios do Empreendedor ocorre em Santa Cruz do Sul
GERAL - O evento será realizado dia 29 de agosto, no Hotel Charrua
Santa Cruz receberá desafio de carros superesportivos
GERAL - Encontro ocorre no feriado, de 7 de setembro, no Aeroporto Luiz Beck da Silva, em Linha Santa Cruz. Provas reunião carros superesportivos de alto desempenho
Professor da Unisc lança documentário sobre cicloviagem na Carretera Austral
GERAL
Entenda a guerra contra o cigarro no Brasil
GERAL - Tentativas frustradas de favorecer o setor e impasses judiciais têm causado preocupação
Hidroginástica: Sesc oferece aulas em parceria com a Raia 7 Centro Aquático
GERAL
Copa HB20: Sena Jr. vence e Roncen chega em 7º
ESPORTES
MB Challenge: Correndo em casa, Fernando Jr. conquista pódio
ESPORTES
Lifasc: Semifinalistas definidos
ESPORTES
Assaf sofre derrota em Venâncio Aires
ESPORTES
Avenida chega na semana de estreia na Copinha
ESPORTES
Cras Integrar do Bairro Bom Jesus realizou formatura de inglês
EDUCAÇÃO
Abertas inscrições para Reunião sobre Plantas Bioativas
GERAL
Palavra puxa Palavra é tema de evento
GERAL
Mais de 900 mil reais serão investidos
GERAL - Valor será aplicado em livros e praça de brinquedos
Rodada aborda a Lei de Proteção de Dados
GERAL

O legado da carreira política

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 02/06/2017

A "aposentadoria eleitoral" é um fenômeno constante. Lideranças nascem, crescem e se aposentam (ou são aposentadas). Quando isso acontece costuma vir a pergunta sobre o seu legado. O que fica quando uma liderança sai de cena? O que deixa para o futuro? 

Uma forma de ver o legado da liderança política é olhar as obras que coordenou ou ajudou a realizar: edificações públicas, equipamentos de saúde ou esporte, alguma nova estrada ou ponte, asfaltamentos. Outra é observar se impulsionou ou contribuiu para a boa gestão: modernização de processos burocráticos, capacitação e boas condições de trabalho aos funcionários, zelo pela eficácia da administração, entre outros aspectos. 

Esse olhar usual é válido e relevante. A ação política precisa ser mensurada pelos resultados, mais do que pelos discursos e intenções. Mas, observar os resultados é insuficiente e pode ser enganoso. Sabemos que muitas obras inauguradas numa administração foram preparadas na administração anterior ou viabilizadas por condições financeiras criadas anteriormente. E parte deles se beneficia do que foi feito no passado sem preparar o terreno para os que vêm depois.

Mas há um elemento mais relevante: o legado de ideias, valores, princípios que devem nortear a política. Lideranças não deveriam bloquear boas iniciativas, nem apoiar retrocessos. Deveriam semear o futuro, inspirar os mais jovens, cultivar os sucessores e deixar-lhes uma herança moral-espiritual. 

Não é simples deixar uma herança moral-espiritual respeitável. Mais que de discursos depende de prática continuada e de instituir projetos voltados ao amanhã, sustentáveis, assentados na responsabilidade social. Esse legado deve incluir a noção de que o político eleito é um servidor do povo, que os assuntos públicos são de responsabilidade coletiva, o fortalecimento das comunidades, o empoderamento do cidadão comum, a opção preferencial pelos mais pobres e mais fracos, a justiça social.

Muitos políticos pouco têm a legar ao futuro. Seu horizonte é a eleição seguinte e depois a próxima. Seu personalismo fragiliza os partidos. Quando saem de cena, pouco resta. Não é por aí. Necessitamos de partidos sólidos, com linha programática clara, comprometidos com ideias duradouras mais do que com carreiras individuais. A vida de cada liderança é breve. O que fica são as instituições e elas são os veículos dos valores de que se alimenta a política.