Edição do dia 13/09/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Expoagro Afubra 20 anos define tema
GERAL
Solidariedade declara apoio a Telmo
POLÍTICA
Saiba como ter desconto especial no IPTU do ano que vem
GERAL
A Hipnose pode auxiliar no autodesenvolvimento de forma eficaz
EMPRESARIAL - Especialista desmistificou tema e apontou benefícios da técnica no Café Empresarial
Reforma Tributária é tema da apresentação de Rigotto em Santa Cruz
GERAL
Dada a largada para a Semana Farroupilha
GERAL - Abertura aconteceu no Parque de Eventos na manhã desta sexta-feira
Fórum atrai dois secretários de Estado a Santa Cruz do Sul
GERAL - Representantes de todas as 28 regiões estiveram na Unisc nessa quinta-feira
Lino e Laila serão tema do Novo Cemai
GERAL
Aulas de autoescola com ou sem simulador de direção?
GERAL
Sessão especial para o ensino médio
VARIEDADES
Estudante de Santa Cruz conquista certificado de excelência internacional
EDUCAÇÃO
RGE instala aquecedores solares nas residências de 150 famílias
GERAL
Embarques devem superar os US$ 2 bilhões
GERAL
Depressão deve ser tratada no início, afirma especialista
ESPECIAIS - Mulheres sofrem de depressão duas vezes mais do que os homens
Tributo a Herb Alpert é hoje
VARIEDADES - Teatro do Mauá recebe apresentação às 20h
Sociedade Ginástica: Jantar Baile marca comemoração dos 126 anos
EMPRESARIAL
Farmácia Municipal reabre na segunda no novo prédio
SAÚDE
Grupo Tholl traz Casinha de Chocolate
VARIEDADES

Os presos do andar de cima

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 30/06/2017

Há alguns dias, juiz de Taubaté, São Paulo, decidiu que o médico Roger Abdelmassih, condenado a 181 anos de prisão por estuprar pacientes em sua clínica de reprodução, poderia cumprir prisão domiciliar, por conta de tratamento médico. 

Andrea Neves, irmã do senador Aecio Neves, presa por ter pedido R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista, foi livrada do presídio e passou a cumprir pena domiciliar, com uso de tornozeleira eletrônica. 

Adriana Ancelmo, esposa do ex-governador Sergio Cabral, dona de um notável estoque de joias, acusada de lavar dinheiro obtido de forma ilegal pelo marido, conseguiu em março o mesmo benefício (depois desfeito), sob alegação da condição de mãe de crianças menores de 12 anos. 

Com Claudia Cruz, esposa de Eduardo Cunha, o caso foi ainda mais chamativo: embora respondesse por gastos não justificados com cartão de crédito no exterior, em montante superior a 1 milhão de dólares, foi absolvida pelo juiz Sergio Moro, pela cândida alegação de “falta de prova suficiente de que agiu com dolo”. Pode?

Com relação a esses presos do “andar de cima” (elites) não ouvi ninguém pedir pena de morte, nem dizer que “bandido bom é bandido morto”.

A justiça continua sendo seletiva. Para pobres, pretos, prostitutas e, ultimamente, petistas, vale o rigor da lei. Gente rica, famosa e com amigos influentes é que vem sendo contemplada com penas brandas ou absolvição. Essa seletividade da justiça precisa ser lembrada porque foi criada uma falsa versão desde a Operação Lavajato: a de que agora o rico é tratado com o mesmo rigor que o cidadão comum. Um historinha mal contada. 

Os ricos que a Lavajato pôs na cadeia são empresários envolvidos em negócios escusos com o poder público, mas a finalidade principal foi golpear o governo Dilma Roussef e a esquerda. A prisão vem sendo um meio de constrangê-los a delatar (supostos ou reais) deslizes cometidos em parceria com lideranças ligadas ao PT e os governos liderados pelo PT. Assim que delatam, os empresários são soltos ou sua pena é grandemente reduzida. Deste modo, podem aproveitar o dinheiro das maracutaias. 

Para os presos do andar de cima, o crime muitas vezes continua compensando. Os cerca de 700 mil presos do andar de baixo – pobres e com baixa escolaridade na sua maioria – continuam em celas superlotadas e diante de um futuro incerto.