Edição do dia 19/07/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Domingo tem Brique da Praça
GERAL
Unisc forma 16ª turma de Medicina
GERAL
Stock: Nelsinho Piquet corre pela primeira vez em Santa Cruz do Sul
ESPORTES - Piloto da equipe Texaco Full Time Sports terá experiência inédita neste fim de semana na pista gaúcha
Edição de inverno do curso Escola de formação de professores tem início na Unisc
EDUCAÇÃO
Audiência pública debate alterações no Plano Diretor
GERAL
Quatro cidades gaúchas
VARIEDADES - Quarta temporada de 'O professor pelado' tem reestreia repaginada
Domingo tem etapa da 5ª Olimpíada Rural
GERAL - Esse será o primeiro compromisso oficial das 14 candidatas a soberanas da 35ª Oktoberfest
Copa Seu Verardi
ESPORTES - Uma semana de treinos no Avenida
Rodada desta sexta vai apontar os semifinalistas
ESPORTES
Em jogo duas vagas no mata-mata da Copa CFC Celso
ESPORTES
Assaf joga nesta sexta-feira em Santa Maria
ESPORTES - Jogo foi alterado em virtude do Grenal neste sábado
Stock Car: Quinta etapa é neste final de semana
ESPORTES - Serão dois dias de atividades sem a companhia da Stock Light
Renomada professora do Serviço Social estará em Santa Cruz
GERAL
Novo Cabrais: Escola lança livro de receitas saudáveis
EDUCAÇÃO
Novo Cabrais: Pimenta visita obras e reafirma apoio ao município
GERAL - Deputado federal participou de almoço e conferiu de perto a pavimentação da Avenida Rodolfo Buss
Ascor e Prefeitura planejam nova exposição
GERAL
Colégio Mauá assume gestão da Escola Criança & Cia
EDUCAÇÃO
Prefeitura anuncia restauração do prédio
GERAL - Marcando a decisão, muda de árvore também foi plantada por alunos da rede de ensino municipal

Os presos do andar de cima

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 30/06/2017

Há alguns dias, juiz de Taubaté, São Paulo, decidiu que o médico Roger Abdelmassih, condenado a 181 anos de prisão por estuprar pacientes em sua clínica de reprodução, poderia cumprir prisão domiciliar, por conta de tratamento médico. 

Andrea Neves, irmã do senador Aecio Neves, presa por ter pedido R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista, foi livrada do presídio e passou a cumprir pena domiciliar, com uso de tornozeleira eletrônica. 

Adriana Ancelmo, esposa do ex-governador Sergio Cabral, dona de um notável estoque de joias, acusada de lavar dinheiro obtido de forma ilegal pelo marido, conseguiu em março o mesmo benefício (depois desfeito), sob alegação da condição de mãe de crianças menores de 12 anos. 

Com Claudia Cruz, esposa de Eduardo Cunha, o caso foi ainda mais chamativo: embora respondesse por gastos não justificados com cartão de crédito no exterior, em montante superior a 1 milhão de dólares, foi absolvida pelo juiz Sergio Moro, pela cândida alegação de “falta de prova suficiente de que agiu com dolo”. Pode?

Com relação a esses presos do “andar de cima” (elites) não ouvi ninguém pedir pena de morte, nem dizer que “bandido bom é bandido morto”.

A justiça continua sendo seletiva. Para pobres, pretos, prostitutas e, ultimamente, petistas, vale o rigor da lei. Gente rica, famosa e com amigos influentes é que vem sendo contemplada com penas brandas ou absolvição. Essa seletividade da justiça precisa ser lembrada porque foi criada uma falsa versão desde a Operação Lavajato: a de que agora o rico é tratado com o mesmo rigor que o cidadão comum. Um historinha mal contada. 

Os ricos que a Lavajato pôs na cadeia são empresários envolvidos em negócios escusos com o poder público, mas a finalidade principal foi golpear o governo Dilma Roussef e a esquerda. A prisão vem sendo um meio de constrangê-los a delatar (supostos ou reais) deslizes cometidos em parceria com lideranças ligadas ao PT e os governos liderados pelo PT. Assim que delatam, os empresários são soltos ou sua pena é grandemente reduzida. Deste modo, podem aproveitar o dinheiro das maracutaias. 

Para os presos do andar de cima, o crime muitas vezes continua compensando. Os cerca de 700 mil presos do andar de baixo – pobres e com baixa escolaridade na sua maioria – continuam em celas superlotadas e diante de um futuro incerto.