Edição do dia 15/11/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

CTG Tiarayu é o grande campeão do Enart
VARIEDADES - Candeeiro da Amizade, de Vera Cruz, venceu a força B
CTG Lanceiros evidencia os direitos da Mulher
VARIEDADES
Inicia mais um Enart
GERAL - A 34ª edição do evento reúne em Santa Cruz do Sul os apaixonados pela cultura gaúcha
ACI: Gabriel Borba é aclamado presidente
GERAL - Ele estará à frente da entidade junto com o vice, César Cechinato, para o biênio 2020-2021
Copa Lisaruth 20 anos tem segunda rodada
ESPORTES
Cestinha Sesi/Unisc disputa o 2º turno das semifinais
ESPORTES
O Avenida ainda não confirmou a sua participação na Divisão de Acesso
ESPORTES
Dia de confirmar classificação
ESPORTES
Regional 2019: Fim de semana tem clássico em Vale do Sol
ESPORTES
Solled Energia ganha o principal prêmio brasileiro do setor
EMPRESARIAL
Secult abre novo prazo para cadastro de entes culturais
VARIEDADES
Marista São Luís é destaque e traz prêmios a Santa Cruz Do Sul
ESPORTES - Somente no Maristão, realizado em Porto Alegre, Colégio conquistou sete premiações
Excelsior: Casa do Cliente foi inaugurada
EMPRESARIAL
Por mês, operação do Rapidinho gera 94 mil advertências
GERAL - Valores ficam pendentes no sistema e precisam ser regularizados pelos usuários
Disputa das finais inicia neste sábado
ESPORTES - Campeões serão conhecidos após jogos de ida e volta nas categorias veterano, feminino e livre
Saúde recebe R$ 150 mil da Câmara
SAÚDE
Mostra do Cerest tem trabalho desenvolvido em Novo Cabrais
GERAL
Palestra debate o Direito sucessório do cônjuge e da união estável
GERAL

Não acredito em bruxas, "pero que las hay, las hay"

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 14/07/2017

O antigo adágio castelhano que dá origem ao presente texto, tenta traduzir um sentimento de certa desconfiança sobre alguns fatos que têm norteado o cenário político nacional, em especial no que diz respeito a algumas decisões judiciais que são proferidas de uma hora para outra, tendo estas em seus efeitos colaterais, não raro, alterar o rumo e o foco dos debates que estão na ordem do dia.

Somente para exemplificar, tomo liberdade de citar algumas decisões controversas dos últimos tempos. Primeira: o senador Aécio é afastado do Senado por ministro do Supremo, em razão da investigação que descobriu um pedido de propina para um dos donos da JBS, no valor de 2 milhões de reais, com dinheiro inclusive apreendido, prisão preventiva da irmã e do primo. Em menos de dois meses, por decisão do ministro Marco Aurélio Mello, Aécio é reconduzido ao Senado, sua irmã e primo têm concedida a prisão domiciliar. Segundo: o assessor e homem de confiança do presidente Temer, também preso nesta mesma operação, pois foi o homem identificado pela Polícia Federal por carregar uma mala de dinheiro, Rodrigo Rocha Loures, ficou preso por um curto espaço de tempo e também teve sua prisão preventiva convertida em prisão domiciliar. Terceira: o ex-ministro Geddel Vieira Lima, após 10 dias de prisão preventiva, teve deferida prisão domiciliar por desembargador de 1° TRF. Quarta: logo na semana mais crítica que o presidente Temer atravessa na Câmara Federal, foi publicada a sentença de condenação do ex-presidente Lula, que o condenou a nove e meio prisão.

Por mais crentes que sejamos no sistema de freios e contrapesos que deviam nortear a República, como ensinou Montesquieu, mas os exemplos acima, no mínimo deixam vazar em suas frestas, que algo cheira mal na República, parafraseando Shakespeare, pois a mudança de posicionamento das decisões sobre a prisão preventiva foi algo radical, mas não se deu em razão da correta interpretação do Código de Processo Penal, mas suspeito que muito mais em razão do pessoas envolvidas, e o risco das mesmas aderirem de forma “voluntária”, ao moderno e revolucionário instituto de delação premiada, tão festejado por alguns juristas com viés autoritário. Se é verdade que a prisão preventiva foi usada para coagir acusados a falar, também é verdade que prisão domiciliar agora tem sido usada para evitar tais ataques “repentinos de arrependimento”, como objetivo claro de obter vantagem pessoal.

Por outra trilha, a condenação do ex-presidente Lula, não creio que seja mera coincidência, pois o juiz Sérgio Moro não é nenhum ingênuo, ao contrário é jurista formado pelas melhores escolas americanas, conhecedor profundo da Operação Mãos Limpas. Ou seja, tais atributos lhe dão todas as condições de saber exatamente quais os efeitos colaterais que sua decisão teve e terá nos meios de comunicação e na própria política. Tanto é verdade, que a pauta de todos os meios de comunicação, que girava em torno do processo de Temer, num passe de mágica virou contra o ex-presidente Lula.   

Por isto tudo, “yo no creo en brujas, pero que las hay, las hay”.