Edição do dia 22/01/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Avenida empata pela segunda vez no Gauchão
ESPORTES - Periquito cedeu igualdade para o Brasil de Pelotas. Próximo jogo é domingo contra o Caxias, fora
Unisc divulga listão dos aprovados no curso de Medicina
GERAL
Secretaria de Esporte promove 1º Santa Cruz Kangoo Fest
ESPORTES
Seminário Internacional com inscrições abertas
EDUCAÇÃO
Centro de Cultura será revitalizado
VARIEDADES
Estão abertas as inscrições de produções audiovisuais de todo o RS para o 6º CineSerra
VARIEDADES
RS pede a suspensão de reajuste de juízes, promotores e defensores
POLÍTICA - Governador faz reunião de emergência e detalha crise financeira
Desenvolvimento Regional
GERAL - Unisc e Unitau promovem Doutorado Interinstitucional
Processos de cassação do direito de dirigir cresceram em 2018 no RS
GERAL
Denúncias aumentam entre dezembro e março
GERAL - Fiscalização já emitiu mais de 100 notificações sobre terrenos baldios em janeiro
As tensões na agenda
OPINIÃO
A educomunicação, o jornal e a sala de aula
OPINIÃO
Produção e difusão do conhecimento: estratégia propulsora para inovação
OPINIÃO
Dia do Aposentado: Passo a passo, a evolução da Previdência
ESPECIAIS
Apopesc investe para atrair novos associados
ESPECIAIS
Santa Cruz já pode ter cemitérios privados para animais
GERAL - A partir de agora cabe a empresas interessadas abraçar a causa
Gauchão 2019: Avenida recebe o Brasil de Pelotas
ESPORTES - Periquito, que vem de empate na primeira rodada em Veranópolis, enfrenta Xavante hoje à noite, nos Eucaliptos
Crítica à perpetuação no poder
EDITORIAL - O caso da Venezuela evidencia as consequências da ditadura

O que fazer para sair do atoleiro?

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 07/07/2017

Uma parcela importante da sociedade brasileira que se preocupa com os destinos do nosso País, talvez compartilhe o sentido de que não há alternativa para sair do atoleiro político institucional em que estamos metidos. As alternativas vislumbradas no passado, que colocavam o Brasil como a nação mais importante da América do Sul, pouca relevância tem no contexto das discussões domésticas que estamos tratando. 

Tenho para mim que, mesmo diante da grave crise política que nos expõe para o mundo, as nossas virtudes ainda são muito maiores que nossos defeitos. Não compactuo com a lógica de que nossa trajetória histórica está fadada ao insucesso, acho que mesmo com tudo estamos tomando conhecimento, temos um cenário que talvez seja a oportunidade de rever nossa cultura política que teve sempre no patrimonialismo sua grande vertente, onde a mistura entre o privado e o público sempre foi a regra. Os fatos agora revelados, como nunca antes em nossa história, somente confirmam esta tradição de que o interesse privado sempre esteve e certamente ainda continuará por muito tempo imiscuído ao Estado, ou vice-versa.

O fator novo disto tudo, é de que os fatos revelam de que a vergonha alheia, que também é nossa, deixa inequívoco que uma democracia que não tem participação ativa do cidadão, corre os riscos de chegar ao ponto onde chegamos. Quando falamos em política com nossos amigos, é muito comum ouvir a frase, “não me meto em política, pois não gosto de sujeira”.

Tal frase revela somente duas faces de uma mesma moeda, primeiro: não adianta não gostar, pois as regras do jogo da democracia exigem a participação, ou seja, alguém vai decidir por você frente a sua apatia; segundo: não adianta negar, os políticos não vieram de Marte, são fruto da sociedade que conseguimos criar, são, em suma, a vida real, muito longe do mundo idealizado do campo teórico.

Por isto, o momento de catarse agora vivido, seja o início da saída para dias melhores, onde organismos vivos da sociedade, como universidades, escolas, sindicatos, igrejas, imprensa dentre outros, façam um debate mais profundo sobre o papel da política em nossa vida.