Edição do dia 15/11/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

CTG Tiarayu é o grande campeão do Enart
VARIEDADES - Candeeiro da Amizade, de Vera Cruz, venceu a força B
CTG Lanceiros evidencia os direitos da Mulher
VARIEDADES
Inicia mais um Enart
GERAL - A 34ª edição do evento reúne em Santa Cruz do Sul os apaixonados pela cultura gaúcha
ACI: Gabriel Borba é aclamado presidente
GERAL - Ele estará à frente da entidade junto com o vice, César Cechinato, para o biênio 2020-2021
Copa Lisaruth 20 anos tem segunda rodada
ESPORTES
Cestinha Sesi/Unisc disputa o 2º turno das semifinais
ESPORTES
O Avenida ainda não confirmou a sua participação na Divisão de Acesso
ESPORTES
Dia de confirmar classificação
ESPORTES
Regional 2019: Fim de semana tem clássico em Vale do Sol
ESPORTES
Solled Energia ganha o principal prêmio brasileiro do setor
EMPRESARIAL
Secult abre novo prazo para cadastro de entes culturais
VARIEDADES
Marista São Luís é destaque e traz prêmios a Santa Cruz Do Sul
ESPORTES - Somente no Maristão, realizado em Porto Alegre, Colégio conquistou sete premiações
Excelsior: Casa do Cliente foi inaugurada
EMPRESARIAL
Por mês, operação do Rapidinho gera 94 mil advertências
GERAL - Valores ficam pendentes no sistema e precisam ser regularizados pelos usuários
Disputa das finais inicia neste sábado
ESPORTES - Campeões serão conhecidos após jogos de ida e volta nas categorias veterano, feminino e livre
Saúde recebe R$ 150 mil da Câmara
SAÚDE
Mostra do Cerest tem trabalho desenvolvido em Novo Cabrais
GERAL
Palestra debate o Direito sucessório do cônjuge e da união estável
GERAL

O que fazer para sair do atoleiro?

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 07/07/2017

Uma parcela importante da sociedade brasileira que se preocupa com os destinos do nosso País, talvez compartilhe o sentido de que não há alternativa para sair do atoleiro político institucional em que estamos metidos. As alternativas vislumbradas no passado, que colocavam o Brasil como a nação mais importante da América do Sul, pouca relevância tem no contexto das discussões domésticas que estamos tratando. 

Tenho para mim que, mesmo diante da grave crise política que nos expõe para o mundo, as nossas virtudes ainda são muito maiores que nossos defeitos. Não compactuo com a lógica de que nossa trajetória histórica está fadada ao insucesso, acho que mesmo com tudo estamos tomando conhecimento, temos um cenário que talvez seja a oportunidade de rever nossa cultura política que teve sempre no patrimonialismo sua grande vertente, onde a mistura entre o privado e o público sempre foi a regra. Os fatos agora revelados, como nunca antes em nossa história, somente confirmam esta tradição de que o interesse privado sempre esteve e certamente ainda continuará por muito tempo imiscuído ao Estado, ou vice-versa.

O fator novo disto tudo, é de que os fatos revelam de que a vergonha alheia, que também é nossa, deixa inequívoco que uma democracia que não tem participação ativa do cidadão, corre os riscos de chegar ao ponto onde chegamos. Quando falamos em política com nossos amigos, é muito comum ouvir a frase, “não me meto em política, pois não gosto de sujeira”.

Tal frase revela somente duas faces de uma mesma moeda, primeiro: não adianta não gostar, pois as regras do jogo da democracia exigem a participação, ou seja, alguém vai decidir por você frente a sua apatia; segundo: não adianta negar, os políticos não vieram de Marte, são fruto da sociedade que conseguimos criar, são, em suma, a vida real, muito longe do mundo idealizado do campo teórico.

Por isto, o momento de catarse agora vivido, seja o início da saída para dias melhores, onde organismos vivos da sociedade, como universidades, escolas, sindicatos, igrejas, imprensa dentre outros, façam um debate mais profundo sobre o papel da política em nossa vida.