Edição do dia 15/08/2017

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Sub-15 do Cestinha é campeão Sul-Brasileiro de Clubes de 2017
ESPORTES - Projeto do Sesi e da Unisc conquistou título em Caxias do Sul
POE prende foragidos da justiça em Santa Cruz
POLÍCIA - Brigada Militar realizou duas prisões na tarde desta quarta, de pessoas que estavam procuradas
Avenida renova com treinador do Acesso
ESPORTES - Fabiano Daitx vai comandar o Periquito também na Série A
Santa Cruz do Sul recebe a 4ª etapa do Brasileiro de Endurance
ESPORTES - Prova de longa duração acontecerá neste sábado, dia 19 de agosto
Começam nesta quarta-feira as semifinais da Copa do Brasil
ESPORTES - Olhares gaúchos estão voltados para Grêmio x Cruzeiro, na Arena
Detran recicla 395 toneladas de sucata em Osório e Candelária
GERAL - Material de quase 800 veículos será reciclado
Brigada Militar apreende máquinas caça-níqueis
POLÍCIA - Bar em Venâncio Aires disponibilizava três dispositivos de jogos de azar aos seus usuários
Acesso Grasel receberá mais um trecho para acostamento
GERAL - Prefeitura de Santa Cruz realiza a obra na lateral da principal via de acesso à cidade
TCE-RS determina redução na cobrança da tarifa de ônibus intermunicipal
ECONOMIA - Agência reguladora identificou cobrança ilegal de taxa de embarque para quem não pega o ônibus na rodoviária
Centro de Triagem de presos começa a operar em Porto Alegre
POLÍCIA - Estado anunciou prazo para construção de mais duas unidades prisionais

O fim da política?

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 28/07/2017

O quadro complexo no campo da política que o país atravessa faz com que muitas sugestões criativas sejam levadas a público para discussão, desde a implantação do parlamentarismo, eleições gerais com cláusula de barreira para alguns nomes da política nacional e renúncia do presidente Temer.

A vazão a tanta criatividade em momentos de crise tem como pano de fundo a total fragilidade do sistema político que o país criou, seja com a enorme quantidade de partidos políticos que temos, onde menos de 10% da população tem filiação e um número muito menor participa da vida partidária. Quanto ao campo ideológico, uma certa névoa parda atinge grande parte do partidos, sendo tais características talvez o efeito colateral da pouca participação da sociedade e dos cidadãos na vida política e partidária.

Mas a pergunta que certamente o leitor está fazendo, qual é a responsabilidade Partido do Trabalhadores neste cenário? O PT, que tem em seu estatuto e programa as mais belas intenções, quando chegou ao governo acabou repetindo velhas e agora bem conhecidas práticas de exercício de poder,  desde alianças partidárias muito questionáveis, apadrinhamentos políticos e envolvimento nos mais variados escândalos de corrupção.   

Neste sentido não há uma resposta que consiga responder tão sério questionamento, mas creio que o Partido do Trabalhadores foi forjado neste amálgama político onde a sobrevivência política e dos políticos é algo que ultrapassa o mundo das boas intenções. Ela encontra talvez alguma explicação antropológica de que poder não é algo que tenha um controle pleno pelas instituições e pela própria razão humana, sendo que para tanto, o PT não é uma instituição partidária que esteja acima do bem e do mal, o que certamente muitos simpatizantes imaginavam.  Por consequência, sua grande maioria neste momento está com dificuldade de compreender todos os fatos ocorridos no último período. 

Mas, por outro lado, se o PT em razão de seus pecados está sendo apedrejado inclusive por aliados de ontem, devo também concordar com o ex-governador Tarso Genro, que declarou ainda no Governo Dilma que “não foi o PT que inventou a corrupção, e que todas as investigações até agora feitas nunca tiveram qualquer interferência do governo federal”.

O cenário acima exposto, demonstra a total complexidade que estamos vivendo, e não há solução para todos os conflitos ora vivenciados  fora da política, mas é importante dizer que não devemos romantizar a política no campo de dever ser, mas sim no que ela é na vida real, sendo que discursos demagógicos e fórmulas absolutistas estão fora de questão. E novamente cito o ex-governador Tarso quando diz que é necessário e de forma urgente que atores da política assumam um papel de articuladores de consensos, o que denomina como “concertação”, para que seja possível um diálogo desarmado sobre a crise política que o país atravessa, pois o fim da política é algo não possível no mundo dos homens.