Edição do dia 22/01/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Avenida empata pela segunda vez no Gauchão
ESPORTES - Periquito cedeu igualdade para o Brasil de Pelotas. Próximo jogo é domingo contra o Caxias, fora
Unisc divulga listão dos aprovados no curso de Medicina
GERAL
Secretaria de Esporte promove 1º Santa Cruz Kangoo Fest
ESPORTES
Seminário Internacional com inscrições abertas
EDUCAÇÃO
Centro de Cultura será revitalizado
VARIEDADES
Estão abertas as inscrições de produções audiovisuais de todo o RS para o 6º CineSerra
VARIEDADES
RS pede a suspensão de reajuste de juízes, promotores e defensores
POLÍTICA - Governador faz reunião de emergência e detalha crise financeira
Desenvolvimento Regional
GERAL - Unisc e Unitau promovem Doutorado Interinstitucional
Processos de cassação do direito de dirigir cresceram em 2018 no RS
GERAL
Denúncias aumentam entre dezembro e março
GERAL - Fiscalização já emitiu mais de 100 notificações sobre terrenos baldios em janeiro
As tensões na agenda
OPINIÃO
A educomunicação, o jornal e a sala de aula
OPINIÃO
Produção e difusão do conhecimento: estratégia propulsora para inovação
OPINIÃO
Dia do Aposentado: Passo a passo, a evolução da Previdência
ESPECIAIS
Apopesc investe para atrair novos associados
ESPECIAIS
Santa Cruz já pode ter cemitérios privados para animais
GERAL - A partir de agora cabe a empresas interessadas abraçar a causa
Gauchão 2019: Avenida recebe o Brasil de Pelotas
ESPORTES - Periquito, que vem de empate na primeira rodada em Veranópolis, enfrenta Xavante hoje à noite, nos Eucaliptos
Crítica à perpetuação no poder
EDITORIAL - O caso da Venezuela evidencia as consequências da ditadura

O fim da política?

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 28/07/2017

O quadro complexo no campo da política que o país atravessa faz com que muitas sugestões criativas sejam levadas a público para discussão, desde a implantação do parlamentarismo, eleições gerais com cláusula de barreira para alguns nomes da política nacional e renúncia do presidente Temer.

A vazão a tanta criatividade em momentos de crise tem como pano de fundo a total fragilidade do sistema político que o país criou, seja com a enorme quantidade de partidos políticos que temos, onde menos de 10% da população tem filiação e um número muito menor participa da vida partidária. Quanto ao campo ideológico, uma certa névoa parda atinge grande parte do partidos, sendo tais características talvez o efeito colateral da pouca participação da sociedade e dos cidadãos na vida política e partidária.

Mas a pergunta que certamente o leitor está fazendo, qual é a responsabilidade Partido do Trabalhadores neste cenário? O PT, que tem em seu estatuto e programa as mais belas intenções, quando chegou ao governo acabou repetindo velhas e agora bem conhecidas práticas de exercício de poder,  desde alianças partidárias muito questionáveis, apadrinhamentos políticos e envolvimento nos mais variados escândalos de corrupção.   

Neste sentido não há uma resposta que consiga responder tão sério questionamento, mas creio que o Partido do Trabalhadores foi forjado neste amálgama político onde a sobrevivência política e dos políticos é algo que ultrapassa o mundo das boas intenções. Ela encontra talvez alguma explicação antropológica de que poder não é algo que tenha um controle pleno pelas instituições e pela própria razão humana, sendo que para tanto, o PT não é uma instituição partidária que esteja acima do bem e do mal, o que certamente muitos simpatizantes imaginavam.  Por consequência, sua grande maioria neste momento está com dificuldade de compreender todos os fatos ocorridos no último período. 

Mas, por outro lado, se o PT em razão de seus pecados está sendo apedrejado inclusive por aliados de ontem, devo também concordar com o ex-governador Tarso Genro, que declarou ainda no Governo Dilma que “não foi o PT que inventou a corrupção, e que todas as investigações até agora feitas nunca tiveram qualquer interferência do governo federal”.

O cenário acima exposto, demonstra a total complexidade que estamos vivendo, e não há solução para todos os conflitos ora vivenciados  fora da política, mas é importante dizer que não devemos romantizar a política no campo de dever ser, mas sim no que ela é na vida real, sendo que discursos demagógicos e fórmulas absolutistas estão fora de questão. E novamente cito o ex-governador Tarso quando diz que é necessário e de forma urgente que atores da política assumam um papel de articuladores de consensos, o que denomina como “concertação”, para que seja possível um diálogo desarmado sobre a crise política que o país atravessa, pois o fim da política é algo não possível no mundo dos homens.