Edição do dia 13/09/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Solidariedade declara apoio a Telmo
POLÍTICA
Saiba como ter desconto especial no IPTU do ano que vem
GERAL
A Hipnose pode auxiliar no autodesenvolvimento de forma eficaz
EMPRESARIAL - Especialista desmistificou tema e apontou benefícios da técnica no Café Empresarial
Reforma Tributária é tema da apresentação de Rigotto em Santa Cruz
GERAL
Dada a largada para a Semana Farroupilha
GERAL - Abertura aconteceu no Parque de Eventos na manhã desta sexta-feira
Fórum atrai dois secretários de Estado a Santa Cruz do Sul
GERAL - Representantes de todas as 28 regiões estiveram na Unisc nessa quinta-feira
Lino e Laila serão tema do Novo Cemai
GERAL
Aulas de autoescola com ou sem simulador de direção?
GERAL
Sessão especial para o ensino médio
VARIEDADES
Estudante de Santa Cruz conquista certificado de excelência internacional
EDUCAÇÃO
RGE instala aquecedores solares nas residências de 150 famílias
GERAL
Embarques devem superar os US$ 2 bilhões
GERAL
Depressão deve ser tratada no início, afirma especialista
ESPECIAIS - Mulheres sofrem de depressão duas vezes mais do que os homens
Tributo a Herb Alpert é hoje
VARIEDADES - Teatro do Mauá recebe apresentação às 20h
Sociedade Ginástica: Jantar Baile marca comemoração dos 126 anos
EMPRESARIAL
Farmácia Municipal reabre na segunda no novo prédio
SAÚDE
Grupo Tholl traz Casinha de Chocolate
VARIEDADES
18,2 mil exemplares foram vendidos
VARIEDADES - Além do sucesso em vendas, o público também compareceu e lotou a Praça Getúlio Vargas

O fim da política?

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 28/07/2017

O quadro complexo no campo da política que o país atravessa faz com que muitas sugestões criativas sejam levadas a público para discussão, desde a implantação do parlamentarismo, eleições gerais com cláusula de barreira para alguns nomes da política nacional e renúncia do presidente Temer.

A vazão a tanta criatividade em momentos de crise tem como pano de fundo a total fragilidade do sistema político que o país criou, seja com a enorme quantidade de partidos políticos que temos, onde menos de 10% da população tem filiação e um número muito menor participa da vida partidária. Quanto ao campo ideológico, uma certa névoa parda atinge grande parte do partidos, sendo tais características talvez o efeito colateral da pouca participação da sociedade e dos cidadãos na vida política e partidária.

Mas a pergunta que certamente o leitor está fazendo, qual é a responsabilidade Partido do Trabalhadores neste cenário? O PT, que tem em seu estatuto e programa as mais belas intenções, quando chegou ao governo acabou repetindo velhas e agora bem conhecidas práticas de exercício de poder,  desde alianças partidárias muito questionáveis, apadrinhamentos políticos e envolvimento nos mais variados escândalos de corrupção.   

Neste sentido não há uma resposta que consiga responder tão sério questionamento, mas creio que o Partido do Trabalhadores foi forjado neste amálgama político onde a sobrevivência política e dos políticos é algo que ultrapassa o mundo das boas intenções. Ela encontra talvez alguma explicação antropológica de que poder não é algo que tenha um controle pleno pelas instituições e pela própria razão humana, sendo que para tanto, o PT não é uma instituição partidária que esteja acima do bem e do mal, o que certamente muitos simpatizantes imaginavam.  Por consequência, sua grande maioria neste momento está com dificuldade de compreender todos os fatos ocorridos no último período. 

Mas, por outro lado, se o PT em razão de seus pecados está sendo apedrejado inclusive por aliados de ontem, devo também concordar com o ex-governador Tarso Genro, que declarou ainda no Governo Dilma que “não foi o PT que inventou a corrupção, e que todas as investigações até agora feitas nunca tiveram qualquer interferência do governo federal”.

O cenário acima exposto, demonstra a total complexidade que estamos vivendo, e não há solução para todos os conflitos ora vivenciados  fora da política, mas é importante dizer que não devemos romantizar a política no campo de dever ser, mas sim no que ela é na vida real, sendo que discursos demagógicos e fórmulas absolutistas estão fora de questão. E novamente cito o ex-governador Tarso quando diz que é necessário e de forma urgente que atores da política assumam um papel de articuladores de consensos, o que denomina como “concertação”, para que seja possível um diálogo desarmado sobre a crise política que o país atravessa, pois o fim da política é algo não possível no mundo dos homens.