Edição do dia 15/11/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

CTG Tiarayu é o grande campeão do Enart
VARIEDADES - Candeeiro da Amizade, de Vera Cruz, venceu a força B
CTG Lanceiros evidencia os direitos da Mulher
VARIEDADES
Inicia mais um Enart
GERAL - A 34ª edição do evento reúne em Santa Cruz do Sul os apaixonados pela cultura gaúcha
ACI: Gabriel Borba é aclamado presidente
GERAL - Ele estará à frente da entidade junto com o vice, César Cechinato, para o biênio 2020-2021
Copa Lisaruth 20 anos tem segunda rodada
ESPORTES
Cestinha Sesi/Unisc disputa o 2º turno das semifinais
ESPORTES
O Avenida ainda não confirmou a sua participação na Divisão de Acesso
ESPORTES
Dia de confirmar classificação
ESPORTES
Regional 2019: Fim de semana tem clássico em Vale do Sol
ESPORTES
Solled Energia ganha o principal prêmio brasileiro do setor
EMPRESARIAL
Secult abre novo prazo para cadastro de entes culturais
VARIEDADES
Marista São Luís é destaque e traz prêmios a Santa Cruz Do Sul
ESPORTES - Somente no Maristão, realizado em Porto Alegre, Colégio conquistou sete premiações
Excelsior: Casa do Cliente foi inaugurada
EMPRESARIAL
Por mês, operação do Rapidinho gera 94 mil advertências
GERAL - Valores ficam pendentes no sistema e precisam ser regularizados pelos usuários
Disputa das finais inicia neste sábado
ESPORTES - Campeões serão conhecidos após jogos de ida e volta nas categorias veterano, feminino e livre
Saúde recebe R$ 150 mil da Câmara
SAÚDE
Mostra do Cerest tem trabalho desenvolvido em Novo Cabrais
GERAL
Palestra debate o Direito sucessório do cônjuge e da união estável
GERAL

A reforma trabalhista

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 23/06/2017

A grande promessa que o Governo Federal tem feito para justificar a reforma trabalhista que atualmente tramita no Senado Federal, é que com as medidas propostas, irá ocorrer um processo natural de formalização de contratos de trabalho, reduzindo por consequência o desemprego que atinge a um enorme contingente de cidadãos brasileiros.

O argumento é sedutor, mas infelizmente não verdadeiro, pois as conquistas dos trabalhadores desde a Consolidação das Leis do Trabalho, de 1943, durante o Governo Getúlio Vargas e suas alterações nos mais de 70 anos que encontra-se em vigor, formaram um plexo normativo respeitável, e que foram capazes de reduzir diferenças sociais e econômicas da teia social brasileira. É bem verdade, longe da desejada, mas a possível para o contexto histórico de um País em desenvolvimento.

Não há dúvida que o momento histórico que o mundo atravessa no campo tecnológico, impõe uma permanente discussão sobre a relação entre o capital e o trabalho. É evidente que as condições de temperatura e pressão alteraram muitos nos últimos 30 anos, sendo que houve atividades profissionais que perderam sua função e/ou foram substituídas por máquinas e computadores, isto aconteceu no mundo, e por consequência no Brasil, que não é uma ilha no cenário econômico financeiro do mundo do trabalho.

E sob este prisma deverá qualquer nova legislação ser pensada de forma  permanente, e não açodada e atropelada como vem ocorrendo. Os fatores que geraram o alto índice de desemprego no mundo e no Brasil não foram somente a crise econômica ou a legislação, mas sim um conjunto de transformações que o mundo globalizado impôs sem perguntar a ninguém. Tanto é verdade que grande parte dos produtos industrializados que consumimos foram fabricados por mãos e máquinas chinesas, em condições de trabalho que sequer temos interesse em saber, pois foi assim que o neoliberal rompeu a fronteiras.

E nesta linha, percebe-se que o verdadeiro exército de reserva de mão de obra, do qual Karl Marx já falava em seu tempo, em nossa era tem nova versão, pois a exclusão atual é de trabalhadores que foram expulsos de seus postos de trabalho pelo mundo tecnológico, e o pior, totalmente despreparados para enfrentar esse novo momento histórico. Assim, uma reforma trabalhista no Brasil não pode ser simplista no sentido de reduzir garantias conquistadas, mas sim, pensar o que fazer para enfrentar esta nova realidade excludente que atinge profissionais de todos os segmentos do mundo do trabalho.