Edição do dia 15/02/2020

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Inscrições para processo seletivo encerram na quarta
GERAL
Sicredi Vale do Rio Pardo investirá em usina fotovoltaica própria
EMPRESARIAL
Educadores e estudantes debatem sobre ensino
EDUCAÇÃO
Unisc recebe prêmio Conciliar é Legal
GERAL
Valentine's Day celebra o amor
GERAL
Seminário marca o início do ano letivo no Colégio Mauá
EDUCAÇÃO
Regional de secretários de educação tem nova coordenação
EDUCAÇÃO
Solled recebe mais uma premiação
EMPRESARIAL
Stifa e Souza Cruz realizam assembleia
GERAL
Não é Não! Santa Cruz do Sul abraça campanha contra o assédio
GERAL
Cemas distribuirá preservativos para foliões
SAÚDE
O drama financeiro do setor público
EDITORIAL
O Imposto do pecado (parte 1)
OPINIÃO
Escolas retomam atividades na segunda-feira
EDUCAÇÃO - Serão 11,1 mil crianças que voltam às aulas no próximo dia, 17
Professores e funcionários recebem capacitação
EDUCAÇÃO - Evento aconteceu no Auditório Central da Unisc e Câmara dos Vereadores
Escola Moranguinho: um lugar acolhedor
EDUCAÇÃO
Ano letivo inicia com mudanças
EDUCAÇÃO - Após aprovado o novo pacote de medidas do Governo Estadual, Cpers não descarta novas greves
Decisão de Desbessell desagrada políticos
POLÍTICA - Vereadores dizem que não foram ouvidos sobre CPP contra Crestani e Schneiders

A vida como ela é...

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 17/06/2017

Os acontecimentos da cena política e jurídica dos últimos tempos me lembraram do famoso cronista Nelson Rodrigues, que na década de 50 fez sucesso ao trazer à luz crônicas que abalavam a moral e bons costumes que há época eram evocados pelas “pessoas do bem” deste País.

Nunca como antes em nosso País a sociedade teve acesso ao volume de negociatas, acordos fraudulentos entre corruptores e corrompidos, como tem ocorrido nos últimos três anos. No triênio em que já dura a Operação Lava Jato, é estarrecedor o volume das cifras e de envolvidos que tal processo já revelou aos cidadãos deste País.

Nas conversas do dia a dia, é muito comum ouvir um certo desalento das pessoas com toda a fratura exposta da fauna política nacional, pois ao que parece, as pessoas eram mais felizes quando não sabiam de nada ou quase nada, sendo que na pior hipótese somente suspeitavam da corrupção que cerca nossa Pátria desde seu nascedouro.

Em certa oportunidade já disse neste espaço de que a análise em praça pública que o País vem fazendo, poderia criar problemas internacionais, e inclusive na época citei os exemplos da Volkswagen da Alemanha, que teve problemas com os catalizadores, e o escândalo da WikiLeaks dos americanos.  Ainda continuo com a tal forma de percepção e parece que aquilo que disse a menos de um ano atrás se confirma, pois o mundo está atribuindo ao Brasil o título de mais corrupto do planeta.

E nesta verga, como se diz no interior, considero que o outro lado da moeda também deve ser visto, pois enxergar a vida como é nos faz mais centrados no mundo real, afastados das ficções e em especial da fantasia de que a democracia poderá resolver todos os nossos problemas. O regime democrático também tem limites, o que aliás o filósofo Norberto Bobbio já alertava na década de 80, quando escreveu sobre os efeitos colaterais da democracia italiana. 

Mas não há como negar que nunca a sociedade teve possibilidade de saber tanto sobre suas instituições democráticas, e questioná-las e ou discuti-las, e neste caso me parece também ser inaugural o debate sobre o Supremo Tribunal Federal e seus membros, o que nunca havia ocorrido. Somente nesta semana, dois ministros do Supremo, Gilmar Mendes e Edson Fachin, estão sendo questionados por denúncias veiculadas na imprensa sobre sua relação com a empresa JBS. O primeiro está sendo questionado sobre os 2 milhões de reais que a referida empresa repassou para um Instituto que o mesmo é sócio. Já o outro, foi acusado pela Revista Veja de usar o jatinho da empresa quando ainda era candidato a vaga de ministro do Supremo.

Como vemos, a devassa atinge a todos, e os resultados disto tudo cada vez mais imprevisíveis, o que gera um justificado motivo da insegurança que atinge a todos, pois a sensação deste desnudamento institucional faz com que caiam verdades que talvez nunca existiram.