Edição do dia 22/01/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Avenida empata pela segunda vez no Gauchão
ESPORTES - Periquito cedeu igualdade para o Brasil de Pelotas. Próximo jogo é domingo contra o Caxias, fora
Unisc divulga listão dos aprovados no curso de Medicina
GERAL
Secretaria de Esporte promove 1º Santa Cruz Kangoo Fest
ESPORTES
Seminário Internacional com inscrições abertas
EDUCAÇÃO
Centro de Cultura será revitalizado
VARIEDADES
Estão abertas as inscrições de produções audiovisuais de todo o RS para o 6º CineSerra
VARIEDADES
RS pede a suspensão de reajuste de juízes, promotores e defensores
POLÍTICA - Governador faz reunião de emergência e detalha crise financeira
Desenvolvimento Regional
GERAL - Unisc e Unitau promovem Doutorado Interinstitucional
Processos de cassação do direito de dirigir cresceram em 2018 no RS
GERAL
Denúncias aumentam entre dezembro e março
GERAL - Fiscalização já emitiu mais de 100 notificações sobre terrenos baldios em janeiro
As tensões na agenda
OPINIÃO
A educomunicação, o jornal e a sala de aula
OPINIÃO
Produção e difusão do conhecimento: estratégia propulsora para inovação
OPINIÃO
Dia do Aposentado: Passo a passo, a evolução da Previdência
ESPECIAIS
Apopesc investe para atrair novos associados
ESPECIAIS
Santa Cruz já pode ter cemitérios privados para animais
GERAL - A partir de agora cabe a empresas interessadas abraçar a causa
Gauchão 2019: Avenida recebe o Brasil de Pelotas
ESPORTES - Periquito, que vem de empate na primeira rodada em Veranópolis, enfrenta Xavante hoje à noite, nos Eucaliptos
Crítica à perpetuação no poder
EDITORIAL - O caso da Venezuela evidencia as consequências da ditadura

A violência da sociedade contemporânea

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 09/06/2017

Se atribui a Oscar Wilde a frase “a vida imita a arte mais do que a arte imita a vida”. Tal sentença nos faz pensar sobre um tema que atinge de forma muito grave o tecido social, que é a violência urbana em todas as suas formas. Seja no trânsito, no seio familiar ou no mundo do tráfico de drogas. 

Não haverá certamente uma resposta conclusiva, mas que no presente texto, pretende-se abordar alguns elementos indicativos que possam justificar o enorme grau de insensibilidade que as relações humanas atingiram no mundo contemporâneo.

Quero crer que em boa parte da cultura do descartável esteja muito ligada a futilidade como é tratada a vida nas produções do cinema e na televisão, em especial, o cinema americano, que tem uma fissura inexplicável em mostrar sangue frente às telas. 

A saga da violência também não encontra limites nas novelas nacionais, onde o poder e a transgressão estão ligados à capacidade do algoz em impor a suas vítimas tortura e a morte, sempre atrás do escudo hipotético de produções ingenuamente ficcionais.

Em um momento onde as produções audiovisuais de toda ordem, seja na tv, no cinema ou na internet tomaram definitivamente o lugar da leitura, do esporte individual e em equipe, do aprendizado musical, da vida em comunidade e em família, e da própria religiosidade, pode se indicar que a frieza humana atual sofre reflexos desta carga diária e permanente das produções mórbidas em todos os tipos de telas, e que, acredito, seja um elemento a ser considerado importante na produção de indivíduos cada dia mais distantes da dor e sofrimento alheio.

A suposta censura por limite de idade, é algo para inglês ver, pois não há possibilidade técnica para limitar o acesso ao banho de sangue para as crianças e pré-adolescente. Aliás, grande parte dos jogos de videogame tem como principal meta em matar o virtual “inimigo”, o que já foi um método de dessensibilização dos soldados do exército americano, na guerra do Vietnã.  

Assim, considero que a frase que deu início ao presente texto é algo que deve ser internalizado por todos os meios de comunicação de massa, em especial, os profissionais que militam no mundo da informação audiovisual, pois sua forma de enxergar o mundo é sem dúvida replicado, sendo sua responsabilidade social enorme, frente à substituição do método de transmissão da informação que vivemos em nossos dias, e os efeitos colaterais que todos estamos assistindo e sentindo literalmente na pele.