Edição do dia 13/09/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Expoagro Afubra 20 anos define tema
GERAL
Solidariedade declara apoio a Telmo
POLÍTICA
Saiba como ter desconto especial no IPTU do ano que vem
GERAL
A Hipnose pode auxiliar no autodesenvolvimento de forma eficaz
EMPRESARIAL - Especialista desmistificou tema e apontou benefícios da técnica no Café Empresarial
Reforma Tributária é tema da apresentação de Rigotto em Santa Cruz
GERAL
Dada a largada para a Semana Farroupilha
GERAL - Abertura aconteceu no Parque de Eventos na manhã desta sexta-feira
Fórum atrai dois secretários de Estado a Santa Cruz do Sul
GERAL - Representantes de todas as 28 regiões estiveram na Unisc nessa quinta-feira
Lino e Laila serão tema do Novo Cemai
GERAL
Aulas de autoescola com ou sem simulador de direção?
GERAL
Sessão especial para o ensino médio
VARIEDADES
Estudante de Santa Cruz conquista certificado de excelência internacional
EDUCAÇÃO
RGE instala aquecedores solares nas residências de 150 famílias
GERAL
Embarques devem superar os US$ 2 bilhões
GERAL
Depressão deve ser tratada no início, afirma especialista
ESPECIAIS - Mulheres sofrem de depressão duas vezes mais do que os homens
Tributo a Herb Alpert é hoje
VARIEDADES - Teatro do Mauá recebe apresentação às 20h
Sociedade Ginástica: Jantar Baile marca comemoração dos 126 anos
EMPRESARIAL
Farmácia Municipal reabre na segunda no novo prédio
SAÚDE
Grupo Tholl traz Casinha de Chocolate
VARIEDADES

A maioria silenciosa - 2

Osvino Toillier - 02/06/2017

Por maior que seja a tragédia de um país, sempre sobrevivem testemunhas oculares da história. Da desgraça alemã, existem muitas publicações, depoimentos de pessoas que viveram o horror nazista. E foram muito poucos os que se opuseram efetivamente ao avanço do horror da ideologia da raça pura, e parece que todo mundo era engajado nos ideais da supremacia alemã.

A realidade, porém, não era assim, conforme o psiquiatra Dr. Emanuel Tanya, que nos dá conta de que poucas pessoas eram nazistas verdadeiros, “mas muitos apreciavam o retorno do orgulho alemão e muitos mais estavam ocupados demais para se importar. Eu era um daqueles que só pensava que os nazistas eram um bando de tolos. Assim, a maioria apenas se sentou e deixou que tudo acontecesse. Então, antes que soubéssemos, pertencíamos a eles, tínhamos perdido o controle, e o fim do mundo havia chegado!  A minha família perdeu tudo. Eu terminei num campo de concentração, e os aliados destruíram as minhas fábricas”.

Estamos sempre diante de perigo de nos tornarmos vítimas de fanáticos, que continuam fazendo suas vítimas em diferentes lugares do mundo, e parece que não aprendemos definitivamente a lição de horror que os conflitos nos mostram.

Como explicar que jovens de famílias bem estruturadas se alistem ao lado de extremistas em outros países, para lutar numa guerra suja, com princípios discutíveis, inspirados em ideologias radicais que não dialogam com nossas crenças.

Portanto, vigilância sobre a mais perigosa das armas: ideologia extremista para encantar nossos amados filhos. Temos o grande desafio cuidar da formação das nossas crianças e jovens, para que não sejam doutrinados por extremistas, disfarçados em nossas escolas por aí.