Edição do dia 22/01/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Avenida empata pela segunda vez no Gauchão
ESPORTES - Periquito cedeu igualdade para o Brasil de Pelotas. Próximo jogo é domingo contra o Caxias, fora
Unisc divulga listão dos aprovados no curso de Medicina
GERAL
Secretaria de Esporte promove 1º Santa Cruz Kangoo Fest
ESPORTES
Seminário Internacional com inscrições abertas
EDUCAÇÃO
Centro de Cultura será revitalizado
VARIEDADES
Estão abertas as inscrições de produções audiovisuais de todo o RS para o 6º CineSerra
VARIEDADES
RS pede a suspensão de reajuste de juízes, promotores e defensores
POLÍTICA - Governador faz reunião de emergência e detalha crise financeira
Desenvolvimento Regional
GERAL - Unisc e Unitau promovem Doutorado Interinstitucional
Processos de cassação do direito de dirigir cresceram em 2018 no RS
GERAL
Denúncias aumentam entre dezembro e março
GERAL - Fiscalização já emitiu mais de 100 notificações sobre terrenos baldios em janeiro
As tensões na agenda
OPINIÃO
A educomunicação, o jornal e a sala de aula
OPINIÃO
Produção e difusão do conhecimento: estratégia propulsora para inovação
OPINIÃO
Dia do Aposentado: Passo a passo, a evolução da Previdência
ESPECIAIS
Apopesc investe para atrair novos associados
ESPECIAIS
Santa Cruz já pode ter cemitérios privados para animais
GERAL - A partir de agora cabe a empresas interessadas abraçar a causa
Gauchão 2019: Avenida recebe o Brasil de Pelotas
ESPORTES - Periquito, que vem de empate na primeira rodada em Veranópolis, enfrenta Xavante hoje à noite, nos Eucaliptos
Crítica à perpetuação no poder
EDITORIAL - O caso da Venezuela evidencia as consequências da ditadura

Chateaubriand no DNA da imprensa nacional

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 26/05/2017

Em um momento histórico conturbado que estamos vivendo em nosso País, considerei interessante trazer à luz alguns elementos históricos da vida de Assis Chateaubriand, que foram densamente descritos pelo escritor e jornalista Fernando Morais no livro “Chatô – O rei do Brasil”. Segundo o autor, Chatô como ficou conhecido, foi um dos homens mais poderosos do século XX, tendo participado de forma ativa na cultura, nas artes e especialmente na política, onde usava de forma muito cruel os elementos ainda presentes nos meios de comunicação de massa do País, a manipulação da informação ao interesse que lhe fosse mais vantajoso.

É evidente que impossível numa resenha descrever a figura humana complexa, contraditória, visionária que foi Assis Chateaubriand. Mas a intenção no presente texto é expor alguns elementos que contribuíram para construção do império dos Diários Associados, que na década de 60 chegou a quase cem jornais, revistas, estações de rádio e televisão.

Chatô esteve no Rio Grande de Sul na revolução de 30, onde colocou-se à disposição dos revoltosos, que como sabemos culminou à chegada ao poder de Getúlio Vargas, sendo talvez este o momento mais importante que lançou o futuro do império que foi construído durante a era Vargas, onde, de acordo com os interesses do grupo Diários, ora apoiava o governo de Getúlio e num momento subsequente agredia ferozmente Vargas. Fenando Morais diz que “limpo ou sujo, todo jogo em que Chateaubriand se metia tinha um único objetivo: investir no jornais e revistas, fazer crescer cada vez mais a cadeia.” Na década de 30, o grupo de Chatô já havia se espalhado por vários estados brasileiros, em especial no Sudeste e Nordeste.

O interessante é que o império do Rei do Brasil tomou a dimensão que tinha, em razão dos grandes benefícios que os Diários Associados tiveram durante o período de Getúlio, mas tal condição não impediu que Chatô no ano de 1954, fizesse aliança com Carlos Lacerda e Roberto Marinho, então proprietário da Rádio Globo e jornal O Globo, para patrocinar uma campanha violenta e agressiva que culminou com o suicídio de Getúlio. Lacerda virou “artista” da Teve Tupi de propriedade dos Diários Associados.

Não diferente foi a postura de Chatô em relação ao presidente Juscelino Kubistschek, que o havia nomeado embaixador do Brasil em Londres. Quando ocorreu o golpe de 64, escreveu que “o ex-presidente havia se atirado ‘desabotinadamente nos braços do castrismo`, e que depois de chegar ao paroxismo de adulação às correntes extremadas do esquerdismo, Juscelino hoje deveria enfrentar era um pelotão de fuzilamento, em vez desse macio decreto de cassação”.

Chatô teve papel fundamental na campanha que derrubou João Goulart, pois tinha a convicção de “salvar a ordem capitalista ameaçada pela corja vermelha que ocupa o Palácio do Planalto. No dia 14 de março de 64, publicou nos jornais Associados texto que dizia o que segue:

“Só temos uma mensagem para mandar aos inimigos da paz pública. Será irmos para as ruas, como já fizeram os homens e mulheres do Minas Gerais, chuçar as hordas de marxistas que o governo arregimenta e comanda, de acordo com os planos do comuno-nacionalismo...”

Após o golpe o namoro do militares foi breve, e com saúde muito debilitada viu seu império ruir, seja por má gestão, seja pela aliança que Roberto Marinho soldou com o militares, história que não precisamos contar pois ainda vivemos os efeitos do império da Globo.

Desta forma, o homem que forjou o DNA da imprensa nacional, foi engolido por outro, que aprendeu muito bem lição, e a semelhança com os dias atuais não é mera coincidência, é vida real.