Edição do dia 14/06/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Classificada: Seleção vence a Itália
ESPORTES - Time brasileiro feminino avançou para as oitavas de final
Prefeito Telmo Kirst anuncia saída do PP
POLÍTICA
Jaqueline na maior liga do atletismo mundial
ESPORTES - Atleta da AMO participou da Diamond League em Rabat, Marrocos
Maurício Scota conquista 4 ouros nos JUGS
ESPORTES - Nadador está classificado para os Jogos Universitários Brasileiros
Mauá traz três primeiros lugares da primeira etapa do Estadual de Ginástica Rítmica
ESPORTES - Alice Silva, Júlia Furtado e Rafaela Cavalheiro conquistaram títulos nas suas categorias
Câmara aprova criação de comissão processante e escolhe membros
GERAL
Computação na Educação lança material didático nesta terça-feira na Unisc
EDUCAÇÃO
OAB promove palestra: Vamos conversar sobre o racismo?
GERAL
Unidos da Villa e Esmeralda fazem o jogo dos líderes do grupo B
ESPORTES - No domingo, Copa Cidade Miller Supermercados teve vitórias do San Lorenzo e Margarida
Lifasc Sub-18: João Alves se isola ainda mais na liderança
ESPORTES - Equipe derrotou o Aliança por 2x0 neste domingo e mantém-se invicto
DESENVOLVIMENTO REGIONAL: Corede/VRP faz renovação da Assembleia
GERAL - Encontro para a definição dos novos integrantes ocorre no dia 25 de junho, na sala 101 da Unisc
Cursos de Gastronomia e Nutrição da Unisc promovem prática culinária com alunos do Uniama
GERAL
APAE promove Feijoada
GERAL
Educar-se promove novo encontro para famílias
EDUCAÇÃO
Mais de 1,1 mil candidatos realizam o Vestibular de Inverno da Unisc
GERAL
Com dois jogadores a menos, Avenida arranca empate em Caxias
ESPORTES - Periquito decidirá mata-mata dentro dos Eucaliptos
Santa Cruz empata e está fora da Segundona
ESPORTES - Galo ficou no 0 a 0 com o Guarany, em Bagé
Endurance Brasil: Xandy e Xandinho Negrão continuam líderes
ESPORTES - Pai e filho fecham a terceira etapa de Santa Cruz do Sul com pódio e mantêm a liderança na geral e na categoria GT3

Chateaubriand no DNA da imprensa nacional

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 26/05/2017

Em um momento histórico conturbado que estamos vivendo em nosso País, considerei interessante trazer à luz alguns elementos históricos da vida de Assis Chateaubriand, que foram densamente descritos pelo escritor e jornalista Fernando Morais no livro “Chatô – O rei do Brasil”. Segundo o autor, Chatô como ficou conhecido, foi um dos homens mais poderosos do século XX, tendo participado de forma ativa na cultura, nas artes e especialmente na política, onde usava de forma muito cruel os elementos ainda presentes nos meios de comunicação de massa do País, a manipulação da informação ao interesse que lhe fosse mais vantajoso.

É evidente que impossível numa resenha descrever a figura humana complexa, contraditória, visionária que foi Assis Chateaubriand. Mas a intenção no presente texto é expor alguns elementos que contribuíram para construção do império dos Diários Associados, que na década de 60 chegou a quase cem jornais, revistas, estações de rádio e televisão.

Chatô esteve no Rio Grande de Sul na revolução de 30, onde colocou-se à disposição dos revoltosos, que como sabemos culminou à chegada ao poder de Getúlio Vargas, sendo talvez este o momento mais importante que lançou o futuro do império que foi construído durante a era Vargas, onde, de acordo com os interesses do grupo Diários, ora apoiava o governo de Getúlio e num momento subsequente agredia ferozmente Vargas. Fenando Morais diz que “limpo ou sujo, todo jogo em que Chateaubriand se metia tinha um único objetivo: investir no jornais e revistas, fazer crescer cada vez mais a cadeia.” Na década de 30, o grupo de Chatô já havia se espalhado por vários estados brasileiros, em especial no Sudeste e Nordeste.

O interessante é que o império do Rei do Brasil tomou a dimensão que tinha, em razão dos grandes benefícios que os Diários Associados tiveram durante o período de Getúlio, mas tal condição não impediu que Chatô no ano de 1954, fizesse aliança com Carlos Lacerda e Roberto Marinho, então proprietário da Rádio Globo e jornal O Globo, para patrocinar uma campanha violenta e agressiva que culminou com o suicídio de Getúlio. Lacerda virou “artista” da Teve Tupi de propriedade dos Diários Associados.

Não diferente foi a postura de Chatô em relação ao presidente Juscelino Kubistschek, que o havia nomeado embaixador do Brasil em Londres. Quando ocorreu o golpe de 64, escreveu que “o ex-presidente havia se atirado ‘desabotinadamente nos braços do castrismo`, e que depois de chegar ao paroxismo de adulação às correntes extremadas do esquerdismo, Juscelino hoje deveria enfrentar era um pelotão de fuzilamento, em vez desse macio decreto de cassação”.

Chatô teve papel fundamental na campanha que derrubou João Goulart, pois tinha a convicção de “salvar a ordem capitalista ameaçada pela corja vermelha que ocupa o Palácio do Planalto. No dia 14 de março de 64, publicou nos jornais Associados texto que dizia o que segue:

“Só temos uma mensagem para mandar aos inimigos da paz pública. Será irmos para as ruas, como já fizeram os homens e mulheres do Minas Gerais, chuçar as hordas de marxistas que o governo arregimenta e comanda, de acordo com os planos do comuno-nacionalismo...”

Após o golpe o namoro do militares foi breve, e com saúde muito debilitada viu seu império ruir, seja por má gestão, seja pela aliança que Roberto Marinho soldou com o militares, história que não precisamos contar pois ainda vivemos os efeitos do império da Globo.

Desta forma, o homem que forjou o DNA da imprensa nacional, foi engolido por outro, que aprendeu muito bem lição, e a semelhança com os dias atuais não é mera coincidência, é vida real.