Edição do dia 19/11/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Projeto Carinhoso: atração cultural beneficiará a terceira idade
GERAL - Artistas locais levarão arte para casas geriátricas a partir do mês que vem
Samu: Regulação compartilhada deve entrar em operação até o fim do ano
SAÚDE
Campanhas estimulam a Solidariedade
GERAL
Escritora santa-cruzense lança o livro Melodia Perversa
VARIEDADES
Lifasc: Soberania dos visitantes domina
ESPORTES
Municipal Feminino: Muitos gols marcam a rodada
ESPORTES
Santa Cruz luta, mas perde nos pênaltis para o Soledade
ESPORTES
Regional 2019:Trombudo sai na frente nas semifinais
ESPORTES - Nos Aspirantes deu o Formosa contra o Unidos
Amigos do Cinema exibe Tarkovski
VARIEDADES
Associação Pró-Cultura: Vernissage abre última mostra
VARIEDADES
NOVEMBRO ROXO: Exposição dá início às atividades
SAÚDE - Hospital Santa Cruz preparou também palestra e oficina sobre o mês da Prematuridade
Cisvale debate temas expressivos para a região
GERAL
Portal Lunetas e Mercur promovem bate-papo sobre Infâncias
GERAL
Confraria Nativista: Nova diretoria será empossada
GERAL
Comissão Especial da OAB promove eventos para abordar a Reforma da Previdência
GERAL
Vacinação contra o Sarampo: Nova fase começou nesta segunda
SAÚDE
Santa Cruz tem oito escolas paralisadas
EDUCAÇÃO - Em outros sete educandários o atendimento é parcial e em quatro as atividades seguem normalmente
Noite de comemorar o fim do 34º Enart
VARIEDADES - CTG porto-alegrense e Candeeiro de Vera Cruz levaram os principais prêmios

Sem pássaros não há primaveras

Osvino Toillier - 19/05/2017

Uma temática que mexe demais comigo é o sofrimento humano, especialmente o causado pela estupidez da guerra. E aí exponencialmente desponta a Segunda Guerra Mundial, que levou o mundo à beira do colapso total, inclusive com o uso de armas atômicas, que arrasaram as cidades japonesas de Nagasaki e Hiroshima.

Além das vítimas das batalhas e dos bombardeios cruéis, surgiu um fenômeno terrível, que foi a perseguição a minorias, especialmente os judeus, para os quais foi criada a famosa “solução final”, à beira do Lago Wansee em 1942, quando foram concebidos os terríveis campos de concentração e a matança de seis milhões de inocentes, caçados como bichos e transportados como animais. Tudo isto se abriga sob a palavra “Holocausto”.

Qualquer obra sobre este assunto me desperta interesse. Recentemente, num aeroporto, numa despretensiosa entrada numa livraria, deparei-me com uma publicação inédita. Após detalhado exame, adquiri o livro e, no voo, li mais de cem páginas. Seu nome: “Holocausto nunca mais”, de Augusto Cury, que escreveu um “romance histórico-psiquiátrico sobre os bastidores da Segunda Guerra Mundial que mudará a sua visão de vida”.

O autor mistura personagens reais com ficção, cria um universo mágico, e descreve a cruel realidade com encantamento e poesia, quando diz: “ Sem andorinhas não se fazem primaveras. Elas chilreiam e voam alegremente em busca da mais nobre das liberdades. O que posso dizer de Peter? Sem alunos como ele, não há primaveras no teatro da educação. Com seus debates e intervenções, transformam o árido solo da sala de aula num lugar onde aprender é o melhor de todos prazeres”.

Em meio à inimaginável tragédia floresceu também a poesia e capacidade de ouvir o chilrear dos pássaros e a certeza de que sem eles não há primavera.