Edição do dia 22/01/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Avenida empata pela segunda vez no Gauchão
ESPORTES - Periquito cedeu igualdade para o Brasil de Pelotas. Próximo jogo é domingo contra o Caxias, fora
Unisc divulga listão dos aprovados no curso de Medicina
GERAL
Secretaria de Esporte promove 1º Santa Cruz Kangoo Fest
ESPORTES
Seminário Internacional com inscrições abertas
EDUCAÇÃO
Centro de Cultura será revitalizado
VARIEDADES
Estão abertas as inscrições de produções audiovisuais de todo o RS para o 6º CineSerra
VARIEDADES
RS pede a suspensão de reajuste de juízes, promotores e defensores
POLÍTICA - Governador faz reunião de emergência e detalha crise financeira
Desenvolvimento Regional
GERAL - Unisc e Unitau promovem Doutorado Interinstitucional
Processos de cassação do direito de dirigir cresceram em 2018 no RS
GERAL
Denúncias aumentam entre dezembro e março
GERAL - Fiscalização já emitiu mais de 100 notificações sobre terrenos baldios em janeiro
As tensões na agenda
OPINIÃO
A educomunicação, o jornal e a sala de aula
OPINIÃO
Produção e difusão do conhecimento: estratégia propulsora para inovação
OPINIÃO
Dia do Aposentado: Passo a passo, a evolução da Previdência
ESPECIAIS
Apopesc investe para atrair novos associados
ESPECIAIS
Santa Cruz já pode ter cemitérios privados para animais
GERAL - A partir de agora cabe a empresas interessadas abraçar a causa
Gauchão 2019: Avenida recebe o Brasil de Pelotas
ESPORTES - Periquito, que vem de empate na primeira rodada em Veranópolis, enfrenta Xavante hoje à noite, nos Eucaliptos
Crítica à perpetuação no poder
EDITORIAL - O caso da Venezuela evidencia as consequências da ditadura

Tempo de ouvir

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 05/05/2017

A metáfora que talvez se adeque aos nossos tempos seria a passagem mencionada no Livro do Gênesis, a “Torre Babel”, que segundo diz o texto bíblico, todos falavam mas ninguém entendia o outro, o que em tese teria dado origem aos vários idiomas, e também gerado uma enorme confusão. Observo que nós também estamos com muita dificuldade de ouvir o outro, pois em boa parte das nossas interlocuções ao invés de estarmos ouvindo o outro, já estamos matutando o que responder ou ao menos como tentar impor nossa visão sobre determinado tema, há uma certa surdez que afeta o homem pós-moderno.

Com o avanço tecnológico do mundo virtual, observa-se que tal característica tem se agravado, pois somos instados, a cada momento a opinar sobre tudo, mesmo não tendo noção nenhuma sobre o tema, nos mais variados espaços de informação, e especialmente nos meios de comunicação de massa que são apresentados ao vivo, especialmente programas de rádio e tv, onde não poucas vezes a notícia menos importa, mas a polêmica criada sim, o número de acessos, curtidas e a participação dos ouvintes e telespectadores determina quanto mais ou menos besteira se divulga ao vivo.  

Quanto às redes sociais, tem-se um verdadeiro festival de intolerância, e onde o indivíduo protegido por seu suposto anonimato acaba destilando um ódio bestial que em nada serve para si e muito menos ao seu interlocutor, pois ambos perdem a racionalidade humana que a duras penas foi forjada por milhares de anos, entre idas e vindas de mais ou menos intolerância.

Cabe a setores da sociedade, em especial a academia, e aos meios de comunicação de massa, estimularem o cidadão na prática de um diálogo em que os interlocutores cultivem a arte de ouvir o outro, na lógica de que a resposta para a eventual divergência, não seja um ataque violento para tentar vencer ou destruir o outro,  mas sim, tentar dizer que  não há uma verdade suprema, mas várias meias verdades que levaram nossa espécie ao estágio que estamos hoje, e que tolerância, ou melhor o acolhimento, como prefere o filósofo Mario Sérgio Cortella,  é respeitar a diferença de visão de mundo do outro, mesmo que discordemos dela, e tentar sempre construir consensos possíveis.

Tenho para mim que o melhor antídoto que tenho encontrado para minha surdez, é a leitura, pois durante a leitura sou obrigado a ouvir calado o que o autor está dizendo, sem poder dar nenhuma opinião, o que me obriga a refletir sobre o que estou lendo. Além desta vantagem, a outra, que acho bem mais interessante, é que com a leitura, tenho o privilégio do Érico Verissimo, do Machado de Assis, do Balzac, do Norberto Bobbio e outros falarem comigo com exclusividade, privilégio que somente a leitura pode me proporcionar, apesar de muitas vezes ser acossado pela vontade de tê-los como interlocutores, e dar ao menos um pitaco, o que felizmente não é possível.