Edição do dia 17/09/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Conselho lança o Polo dos Vales
GERAL
ENTRE QUATRO: Encenação acontece hoje e amanhã
VARIEDADES
RECEITA FEDERAL: Nova sede atenderá a partir de 8 de outubro
GERAL - Além da Delegacia da Receita Federal, a Procuradoria Geral da Fazenda também deve ocupar o espaço
Fentifumo inicia pauta de negociação
GERAL - Primeira reunião com a Federação e os Sindicatos ocorre na próxima quinta-feira
Otelio Drebes realiza palestra a professores
EDUCAÇÃO
Semana do Ministério Público começa hoje
GERAL - Promotores do caso Bernardo Boldrini estarão presentes
Reunião sobre Plantas Biotivas inicia hoje
GERAL
Prefeitura lança Alvará Digital
GERAL - A partir de agora, o documento pode ser feito em poucas horas, sem precisar sair de casa
Educar-se e Centro de Línguas promovem imersão bilíngue
EDUCAÇÃO
Sincotec-Varp realiza capacitação nesta quarta
GERAL
Projeto vai apresentar Santa Cruz e a 35ª Oktoberfest
VARIEDADES - Nos dois sábados da Festa da Alegria, ônibus sairão de Porto Alegre, Caxias do Sul e Santa Maria
Presidente dos Festejos Farroupilhas destaca a importância da cultura gaúcha
VARIEDADES
Tchê Bistrô e Arte: enaltecendo a tradição gaúcha
VARIEDADES
A força buscada nos versos
VARIEDADES
Cavalos passarão por inspeção antes do desfile
VARIEDADES - Além da Guia de Transporte Animal (GTA), será exigida apresentação de comprovantes para verificar as condições de saúde do animal
CTG de Paredão entregará 500kg em doações
VARIEDADES
Segurança Pública será reforçada em 36 municípios
POLÍCIA - Municípios da região receberão um total de aproximadamente R$ 2 milhões
Assaf vai encarar a Assoeva nas quartas de final
ESPORTES

Tempo de ouvir

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 05/05/2017

A metáfora que talvez se adeque aos nossos tempos seria a passagem mencionada no Livro do Gênesis, a “Torre Babel”, que segundo diz o texto bíblico, todos falavam mas ninguém entendia o outro, o que em tese teria dado origem aos vários idiomas, e também gerado uma enorme confusão. Observo que nós também estamos com muita dificuldade de ouvir o outro, pois em boa parte das nossas interlocuções ao invés de estarmos ouvindo o outro, já estamos matutando o que responder ou ao menos como tentar impor nossa visão sobre determinado tema, há uma certa surdez que afeta o homem pós-moderno.

Com o avanço tecnológico do mundo virtual, observa-se que tal característica tem se agravado, pois somos instados, a cada momento a opinar sobre tudo, mesmo não tendo noção nenhuma sobre o tema, nos mais variados espaços de informação, e especialmente nos meios de comunicação de massa que são apresentados ao vivo, especialmente programas de rádio e tv, onde não poucas vezes a notícia menos importa, mas a polêmica criada sim, o número de acessos, curtidas e a participação dos ouvintes e telespectadores determina quanto mais ou menos besteira se divulga ao vivo.  

Quanto às redes sociais, tem-se um verdadeiro festival de intolerância, e onde o indivíduo protegido por seu suposto anonimato acaba destilando um ódio bestial que em nada serve para si e muito menos ao seu interlocutor, pois ambos perdem a racionalidade humana que a duras penas foi forjada por milhares de anos, entre idas e vindas de mais ou menos intolerância.

Cabe a setores da sociedade, em especial a academia, e aos meios de comunicação de massa, estimularem o cidadão na prática de um diálogo em que os interlocutores cultivem a arte de ouvir o outro, na lógica de que a resposta para a eventual divergência, não seja um ataque violento para tentar vencer ou destruir o outro,  mas sim, tentar dizer que  não há uma verdade suprema, mas várias meias verdades que levaram nossa espécie ao estágio que estamos hoje, e que tolerância, ou melhor o acolhimento, como prefere o filósofo Mario Sérgio Cortella,  é respeitar a diferença de visão de mundo do outro, mesmo que discordemos dela, e tentar sempre construir consensos possíveis.

Tenho para mim que o melhor antídoto que tenho encontrado para minha surdez, é a leitura, pois durante a leitura sou obrigado a ouvir calado o que o autor está dizendo, sem poder dar nenhuma opinião, o que me obriga a refletir sobre o que estou lendo. Além desta vantagem, a outra, que acho bem mais interessante, é que com a leitura, tenho o privilégio do Érico Verissimo, do Machado de Assis, do Balzac, do Norberto Bobbio e outros falarem comigo com exclusividade, privilégio que somente a leitura pode me proporcionar, apesar de muitas vezes ser acossado pela vontade de tê-los como interlocutores, e dar ao menos um pitaco, o que felizmente não é possível.