Edição do dia 15/11/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

CTG Tiarayu é o grande campeão do Enart
VARIEDADES - Candeeiro da Amizade, de Vera Cruz, venceu a força B
CTG Lanceiros evidencia os direitos da Mulher
VARIEDADES
Inicia mais um Enart
GERAL - A 34ª edição do evento reúne em Santa Cruz do Sul os apaixonados pela cultura gaúcha
ACI: Gabriel Borba é aclamado presidente
GERAL - Ele estará à frente da entidade junto com o vice, César Cechinato, para o biênio 2020-2021
Copa Lisaruth 20 anos tem segunda rodada
ESPORTES
Cestinha Sesi/Unisc disputa o 2º turno das semifinais
ESPORTES
O Avenida ainda não confirmou a sua participação na Divisão de Acesso
ESPORTES
Dia de confirmar classificação
ESPORTES
Regional 2019: Fim de semana tem clássico em Vale do Sol
ESPORTES
Solled Energia ganha o principal prêmio brasileiro do setor
EMPRESARIAL
Secult abre novo prazo para cadastro de entes culturais
VARIEDADES
Marista São Luís é destaque e traz prêmios a Santa Cruz Do Sul
ESPORTES - Somente no Maristão, realizado em Porto Alegre, Colégio conquistou sete premiações
Excelsior: Casa do Cliente foi inaugurada
EMPRESARIAL
Por mês, operação do Rapidinho gera 94 mil advertências
GERAL - Valores ficam pendentes no sistema e precisam ser regularizados pelos usuários
Disputa das finais inicia neste sábado
ESPORTES - Campeões serão conhecidos após jogos de ida e volta nas categorias veterano, feminino e livre
Saúde recebe R$ 150 mil da Câmara
SAÚDE
Mostra do Cerest tem trabalho desenvolvido em Novo Cabrais
GERAL
Palestra debate o Direito sucessório do cônjuge e da união estável
GERAL

Justiça Desportiva

Hélio Garcia - 14/06/2017

Trago a vocês hoje um tema bastante discutido junto ao Tribunal de Justiça Desportiva do Rio Grande do Sul, na qual faço parte da Primeira Comissão Disciplinar.

Por diversas vezes julgamos processos disciplinares, na qual ainda não existe um posicionamento concreto quanto à norma que devemos aplicar frente determinados temas que envolvam, principalmente, o nosso futebol. Pois bem, uma das grandes discussões existentes envolve casos de expulsão por ofensa/desrespeito aos árbitros, ou seja, quando a atitude do atleta expulso é uma ofensa moral ao árbitro ou desrespeitosa. Ressalto que tal distinção vem a ser extremamente importante, uma vez que o enquadramento do infrator mudará conforme entendimento.

Antes de exemplificar o que quero dizer, cumpre-me informar a lei, para que nosso leitor então entenda a diferenciação que pretendo levar a reflexão. A legislação que rege o direito desportivo é o CBJD – Código Brasileiro de Justiça Desportiva, e, em seu art. 243-F, § 1º, determina uma pena mínima de 4 jogos, para atleta que ofender a honra do árbitro. Já no art. 258, § 2º, II, determina uma pena mínima de 1 partida ou até mesmo advertência, para atleta que desrespeitar membros da arbitragem.

Pois bem, aqui é o ponto que gostaria de chegar e debater com vocês, pelo fato da mudança de penalidade entre os dois enquadramentos. Quando atleta profere palavras de baixo calão ao árbitro, tais como, “tá nos roubando” ou “Ladrão” ou até mesmo, “Vai tomar no ... seu FDP”; o atleta está faltando com respeito ou ofendendo a honra do árbitro? Destaco caro leitor, que tais exemplos, infelizmente, são questões corriqueiras em nosso futebol sem a necessidade de muita atenção, por nossa parte, podendo ser visualizado até mesmo pela televisão.

Os atletas em suas defesas alegam que no calor de um jogo de futebol, onde em muitas vezes estão lutando por um lugar no seu time, perante uma gama grande de torcedores e com a adrenalina produzida pelo jogo que em muitas vezes por se sentirem injustiçados com a marcação da arbitragem extrapolam o palavreado, contudo, jamais na intenção de ofender moralmente o mesmo, e, até mesmo por entenderem que tais palavras já se encontram no vocabulário “futebolístico”, sendo inclusive relevado por muitos árbitros mais experientes.

A procuradoria que é o órgão de acusação no Direito Desportivo, vamos assim dizer, entende que tais expressões ultrapassam os limites do desrespeito, chegando inclusive ao abalo moral, subjetivo e inclusive afetando diretamente à pessoa do árbitro, portanto, necessitando de uma reprimenda maior.

Bem amigo leitor, trouxe este tema dentro de uma área que possuo um conhecimento maior, contudo, vejamos que ainda se existe muito a estudar, debater e entender, pois a grande dúvida é se devemos aplicar a legislação no contexto que ela se insere ou a lei deve ser aplicada de forma taxativa, doa a quem doer?

 

HÉLIO DA COSTA GARCIA JUNIOR
Advogado
[email protected]