Edição do dia 22/01/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Avenida empata pela segunda vez no Gauchão
ESPORTES - Periquito cedeu igualdade para o Brasil de Pelotas. Próximo jogo é domingo contra o Caxias, fora
Unisc divulga listão dos aprovados no curso de Medicina
GERAL
Secretaria de Esporte promove 1º Santa Cruz Kangoo Fest
ESPORTES
Seminário Internacional com inscrições abertas
EDUCAÇÃO
Centro de Cultura será revitalizado
VARIEDADES
Estão abertas as inscrições de produções audiovisuais de todo o RS para o 6º CineSerra
VARIEDADES
RS pede a suspensão de reajuste de juízes, promotores e defensores
POLÍTICA - Governador faz reunião de emergência e detalha crise financeira
Desenvolvimento Regional
GERAL - Unisc e Unitau promovem Doutorado Interinstitucional
Processos de cassação do direito de dirigir cresceram em 2018 no RS
GERAL
Denúncias aumentam entre dezembro e março
GERAL - Fiscalização já emitiu mais de 100 notificações sobre terrenos baldios em janeiro
As tensões na agenda
OPINIÃO
A educomunicação, o jornal e a sala de aula
OPINIÃO
Produção e difusão do conhecimento: estratégia propulsora para inovação
OPINIÃO
Dia do Aposentado: Passo a passo, a evolução da Previdência
ESPECIAIS
Apopesc investe para atrair novos associados
ESPECIAIS
Santa Cruz já pode ter cemitérios privados para animais
GERAL - A partir de agora cabe a empresas interessadas abraçar a causa
Gauchão 2019: Avenida recebe o Brasil de Pelotas
ESPORTES - Periquito, que vem de empate na primeira rodada em Veranópolis, enfrenta Xavante hoje à noite, nos Eucaliptos
Crítica à perpetuação no poder
EDITORIAL - O caso da Venezuela evidencia as consequências da ditadura

Temer, o bem intencionado?

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 21/04/2017

A cena política nacional não deixa dúvida de que é impossível qualquer prognóstico, eis que cada dia novas informações são divulgadas e qualquer previsão é mero exercício de especulação. Mas neste turbilhão de acontecimentos que todos acompanhamos, cabe questionar quais são as reais intenções do Governo Temer, com o volume de reformas (trabalhista e previdenciária) que pretende aprovar ao afogadilho?

Não é necessário ser cientista político para compreender que não há condições políticas, morais ou éticas para este governo propor qualquer reforma. O Governo Temer acabou antes de começar, e qualquer reforma em temas importantes como os acima citados, deve ser fruto de amplo debate com a sociedade, e não por vontade da equipe econômica de um governo.

E neste aspecto cabe questionar sobre as intenções do Governo Temer, pois sabemos que a equipe econômica é formada por dois ícones dos sistema financeiro, no caso Henrique Meirelles como ministro da Fazenda e Ilan Goldfajn como presidente do Banco Central, sendo que todos os debates estão sempre ancorados nos números para lá de questionáveis da equipe econômica.

Se de um lado há um déficit orçamentário que deve ser resolvido, por outro há demandas sociais muito mais importantes, em especial no que tange à distribuição de renda, indicador que infelizmente todos os planos econômicos até então vistos na história, quando nascidos pelas mãos de banqueiros, aumentaram as desigualdades. A centralização do debate econômico no Brasil de certa forma sempre serviu como uma espécie de cortina de fumaça, onde as reais intenções nunca ficam claras, sendo que somente a história nos revela, e muitas vezes de forma deformada.

A situação vivida no País exige medidas políticas muito antes de medidas econômicas, não é possível acreditar que os fatos revelados não venham ocorrendo há muitos anos, e se formos avaliar sob o prisma histórico, na Ditadura Militar, uma das grandes bandeiras era a liberdade de expressão e uma imprensa livre. Nem se cogitava a possibilidade de autonomia para investigar atos administrativos ou autoridades de então. Neste sentido a democracia permitiu descortinar nossa real face, gostemos ou não.

Assim, não acredito que o presidente Temer seja um ingênuo, como da mesma forma, não creio que ele tenha a esperança que as reformas que está propondo levem seu nome para a história como um grande estadista. Por isso, como pergunta Juremir Machado: “Para quem estão vendendo as reformas Previdenciária e Trabalhista?”. Respondo: Só a história dirá.