Edição do dia 12/11/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Mudanças são anunciadas nas secretarias
GERAL
Dia de visitações, experiências e expectativas no Viva Unisc 2019
GERAL
Solenidade marca aniversário do General Gomes Carneiro
GERAL - Na ocasião também foi comemorada a chegada do III Batalhão ao município
Pequenas atitudes
OPINIÃO
Verrugas Estelares
OPINIÃO
Em defesa da vida
OPINIÃO
CDL aponta 800 vagas temporárias
ECONOMIA - Expectativa é de boas oportunidades de emprego para o período
ACI: Eleição ocorre hoje
GERAL
Vigilância Colaborativa: Lançamento do Programa acontece hoje
GERAL
GREVE: Polícia Civil paralisa nesta quarta-feira
POLÍCIA
Campeonato Municipal inicia no próximo dia 22
ESPORTES
AMO/Unimed VTRP: Atletas brilham pelo estado
ESPORTES
Dois times largam com vitória na estreia da Copa Lisaruth
ESPORTES
Estadual sub 19: Santa Cruz vence fora e fica perto da final
ESPORTES
Regional: São José larga na frente nas semifinais
ESPORTES
Universidade aguarda mais de cinco mil estudantes
GERAL
Bate papo: Doações por incentivos fiscais
ECONOMIA
Comdica realiza 4ª Noite Cultural na Unisc
VARIEDADES - O evento que tem entrada franca visa enaltecer projetos sociais realizados por diversas entidades

O diário do meu pai

Osvino Toillier - 07/04/2017

Pois, eu descobri, entre as lembranças familiares, um documento que se transformou numa relíquia: o diário escrito pelo meu pai em 1930, quando foi incorporado como insubmisso ao Exército Brasileiro. Alistado em Rio Pardo, foi levado de trem para Santa Maria e de lá para Alegrete e, depois, a pé até Quaraí. 

Vamos primeiro esclarecer os fatos e os termos: é natural que o jovem se aliste para prestar o serviço militar aos 18 anos. Como meu pai possivelmente não soube deste detalhe lá no interior - numa época em que não havia rádio nem jornal - ele se tornou insubmisso, condição de alguém débito com o serviço militar. 

Nessa condição, ele casou e foi descoberto - como muitos outros jovens e amigos - a incorporado à força e mandado para longe de casa durante um ano, sem poder voltar ao convívio familiar. 

As reminiscências do jovem agricultor foram escritas num caderno, em letra cursiva, a tinta e letra bonita, em língua alemã, com evidentes deficiências gramaticais, que os três anos de Primário lhe haviam alcançado. Tudo que aprendera fora em língua alemã, razão por que no documento militar consta que era analfabeto. 

Mas minha reflexão prende-se ao fato de ele nunca ter falado conosco sobre isso, embora não houvesse nenhum fato em seu desabono, apenas circunstâncias naturais daquela época, que o arrancou do convívio com a jovem esposa, com quem casara fazia dois anos.

Os detalhes interessantes daquela odisseia: os pernoites eram ao ar livre e muitas vezes - por não encontrarem uma venda onde comprar comida - o jantar ou almoço era um pedaço de rapadura. 

Em meio às reminiscências, ele escreveu uma carta à esposa, falando da vida na caserna (alojamento para soldados) e da saudade. Minha neta Manuela, com nove anos, que pretende elaborar o trabalho de conclusão do 4º ano Primário nos Estados Unidos, está vivamente interessada ne relíquia do bisavô paterno. Imaginem se estivesse vivo?